segunda-feira, agosto 15, 2022
InícioQuestões de GêneroViolência contra Mulher'Objeto sexual dos traficantes', mulher no RJ foi vítima de sucessivos estupros...

‘Objeto sexual dos traficantes’, mulher no RJ foi vítima de sucessivos estupros coletivos nos últimos quatro anos

Esta vendedora de roupas só conseguiu sair do bairro onde morava depois de a polícia flagrar seus estupradores. Ela tinha medo de denunciá-los por conta da segurança de sua família.

POR GIOVANA FEIX, do MdeMulher 

Há mais de cinco anos a vida de uma vendedora de roupas da região metropolitana do Rio de Janeiro mudou para sempre. A partir do relacionamento amoroso que mantinha com um funcionário de empresa de refrigerantes, a vida da moça se tornou um grande pesadelo: ela virou vítima de estupros coletivos sucessivos, dos quais tenta escapar há cerca de quatro anos. Ao jornal Extra, a vítima revela que os agressores são traficantes da região onde vive.

Tudo começou quando, em 2011, o namorado em questão filmou, sem consentimento, uma relação sexual do casal. “Foi a partir desse vídeo que minha vida se tornou um inferno”, ela conta ao jornal carioca. “Ainda falei para ele apagar o vídeo, e disse que isso iria me complicar. Os traficantes de Lagoinha também tiveram acesso ao material”.

A partir do compartilhamento do vídeo com vários homens do bairro onde ela morava, a moça passou a ser vítima recorrente de abusos sexuais. “Já em março de 2012, quando eu estava em um trailer no campo de Miriambi, seis homens, todos do tráfico, me obrigaram a fazer sexo com eles”, relembra. “Eles me arrastaram para dentro do banheiro e fizeram tudo comigo. Eles ficam o tempo todo me coagindo. Me batem muito”.

Mãe de três meninas de 12, 13 e 14 anos de idade, a vendedora conta ter tido medo de denunciar os agressores por conta das filhas.

O último caso de agressão, na madrugada da última segunda-feira (17), envolveu 10 homens – que só pararam de estuprá-la quando perceberam a chegada de uma viatura da Polícia Militar.

“Um deles notou um movimento estranho na rua e falou: ‘Tem um carro sinistro vindo ali’. Logo em seguida, correram para o matagal”, ela revela. Os policiais encontraram a moça sem roupas, chorando de forma desesperada.Somente dois dos abusadores foram levados pela PM à 74ª DP. Segundo a Polícia Civil, o caso está sob sigilo.

estupro_3

redstallion/Thinkstock/Getty Images

“Eu implorava para que eles parassem, mas não adiantava de nada. Eles só me machucavam mais”, ela conta, relembrando o episódio. “Aos poucos, foram aparecendo outros homens, até que percebi que tinham uns 10 homens abusando de mim. Eles diziam que iriam me matar e me jogar no valão se eu ficasse gritando”.

Ela conta que, desde que foi estuprada pela quarta vez, passa por dias de verdadeiro pânico – tendo, inclusive, dificuldades para dormir.

Segundo o Extra, depois de o caso ser descoberto pela polícia a vítima conseguiu sair da região – e está atualmente abrigada na casa de amigos, em outra cidade.

Estupros coletivos

Os casos de estupros coletivos têm chocado o Brasil e o mundo em 2016. Em maio, uma adolescente de 16 anos foi vítima de um estupro coletivo registrado em vídeo e divulgado nas redes sociais. A indignação perante o caso gerou uma série de protestos pelo país, pelo fim da violência contra a mulher. Mais recentemente, uma brasileira foi estuprada por 3 homens em uma estação de trem na Itália. Na Argentina, o caso de Lucía Pérez, que foi drogada, estuprada e assassinada por um grupo de homens, chocou a América Latina. Em protesto, as mulheres argentinas cruzaram os braços em greve na última quarta-feira (19) e saíram às ruas.

 

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench