Polícia pedirá inclusão de vítima de estupro coletivo em programa de proteção

A Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) de São Gonçalo, no estado do Rio de Janeiro, encaminhará hoje (24) um ofício à Secretaria Estadual de Direitos Humanos solicitando a inclusão de uma mulher de 34 anos, vítima de estupro coletivo naquele município, em um programa de proteção. A informação foi divulgada pela Polícia Civil.

Por Vitor Abdala Do Agencia Brasil

Segundo a delegada Débora Rodrigues, policiais fizeram diligências ontem (23) no bar onde a vítima foi abordada pelos agressores na madrugada de 17 de outubro e no local do estupro. Policiais localizaram algumas câmeras de segurança que serão analisadas pelos investigadores.

No último sábado, a vítima prestou mais um depoimento à Polícia Civil, quando confirmou a participação de cerca de dez homens no crime.

+ sobre o tema

Trinta Homens

Trinta. Vinte e nove Vinte e oito Vinte e sete Vinte e seis Vinte...

Luiza Brunet e a síndrome da gaiola de ouro. Por Nathalí Macedo

Luiza Brunet teve quatro costelas quebradas pelo então companheiro,...

Estudante cabo-verdiana é assassinada no Brasil

Namorado, de nacionalidade brasileira, poderá ser o autor do...

para lembrar

Internautas relatam abusos após jornalista denunciar a violência obstétrica no Brasil

Matéria “Na hora de fazer não gritou”, da jornalista...

Mulher Com os Olhos Perfurados Pelo Ex-Marido: “Viverei na Escuridão”

'Vou viver na escuridão', lamenta mulher que teve olhos...

Taxa de feminicídios no Brasil é quinta maior do mundo

Lançadas nesta semana, diretrizes nacionais sobre feminicídio querem acabar...
spot_imgspot_img

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...

Robinho chega à penitenciária de Tremembé (SP) para cumprir pena de 9 anos de prisão por estupro

Robson de Souza, o Robinho, foi transferido para a Penitenciária 2 de Tremembé, no interior de São Paulo, na madrugada desta sexta-feira (22). O ex-jogador foi...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...
-+=