Olho no glaucoma: doença silenciosa atinge mais afrodescendentes do que brancos

por Francis Juliano

O glaucoma representa uma das maiores causas de cegueira no mundo. Silencioso, na maioria dos casos, pode pegar o paciente em qualquer idade, principalmente na curva dos 40 anos. A forma crônica ou simples do glaucoma é responsável por quase 80% dos casos. De acordo com o oftalmologista Vespasiano Santos, a doença tem outra característica que deve deixar os baianos de olhos mais abertos. Um estudo feito na Universidade de Baltimore, no leste dos Estados Unidos, diz que a patologia é quatro vezes mais recorrente entre afrodescendentes do que entre brancos ou caucasianos. O efeito tem a ver com problemas na saída de um líquido chamado de “humor aquoso”, produzido pelo próprio olho. “Em indivíduos afrodescendentes, a pigmentação na saída do líquido é mais comum, o que dificulta a saída dele [líquido] que vai se acumulando dentro do olho. Isso aumenta a pressão intraocular e faz com que as fibras do nervo ótico fiquem destruídas”, explica o oftalmologista Vespasiano Santos em entrevista ao Bahia Notícias. O médico diz que a destruição é “irreversível”. Outra forma da enfermidade é a congênita, a pessoa já nasce com o problema. Essa forma é mais fácil de ser identificada. “A criança aparece com o olho grande e às vezes os pais e avós acham bonito, mas esse olho pode ser patológico”, relata o médico ao se referir à forma secundária da doença. Nestes casos, é recomendada a cirurgia imediata.

Olho no glaucoma: doença silenciosa atinge mais afrodescendentes do que brancos
Olho no glaucoma: doença silenciosa atinge mais afrodescendentes do que brancos

Para pessoas com mais de 40 anos existem colírios que ajudam a tratar a doença. Em geral, são mais caros, com preço em torno de R$ 100. A compensação é que ele pode ser oferecido à população na rede pública. Para ter acesso, a pessoa deve procurar unidades de saúde, como o Hospital Santa Luzia, em Nazaré, ou o Hospital São Jorge, Largo de Roma, e fazer o cadastro para receber o colírio de graça. Nesta segunda-feira (26), é celebrado o Dia Nacional de Combate ao Glaucoma. A importância da data tem a ver com algo que ainda a população não enxergou bem: a prevenção. “Tanto o baiano como o brasileiro não têm o costume de procurar médico para fazer um chekup. Só procura quando a doença já está instalada”, adverte. Vespasiano ainda reforça que na hora da consulta médica, o paciente deve ficar de olho na pressão do órgão, e não apenas no modelo dos óculos. “Ele tem de exigir que o oftalmologista tire a pressão ocular, que, inclusive, deve fazer parte de qualquer consulta”, orienta. Pelo SUS em Salvador, além das unidades informadas, pacientes podem procurar atendimento para o glaucoma no Hospital das Clínicas, no Canela; ou no IBOPC [Instituto Brasileiro de Oftalmologia e Prevenção da Cegueira], entre outros locais. O médico ainda informa que se o colírio não der jeito, existem tratamentos a laser. No último caso, a cirurgia é recomendada. O que não pode é deixar a pressão do olho ultrapassar 20 milímetros de mercúrio [mmHg].

Olho no glaucoma: doença silenciosa atinge mais afrodescendentes do que brancos
Olho no glaucoma: doença silenciosa atinge mais afrodescendentes do que brancos

Ainda segundo Vespasiano, que é responsável pelo Serviço de Oftalmologia do Hospital Espanhol, o glaucoma secundário também é decorrente de diabetes, uveíte e catarata. O estudo desenvovido em Baltimore estima que 60,5 milhões de pessoas apresentam glaucoma no mundo, mas o número deve aumentar para 80 milhões até 2020. O envelhecimento também é uma das causas do aumento do doença, mas a passagem do tempo não deve impedir que o problema seja melhor enxergado.

 

 

Fonte: Bahia Notícias

+ sobre o tema

Governadores do Nordeste criam “consórcio” que já atua para trazer médicos cubanos de volta à região

Consórcio do Nordeste busca maior autonomia em relação ao...

‘Peguei coronavírus, mas me curei’: estudante conta por que decidiu ficar na China após doença

Quando Kem Senou Pavel Daryl, estudante camaronês de 21...

STF reconhece covid-19 como doença ocupacional e permite autuação de empresas

Com a decisão da Corte, ficam sem validade o...

Conheça Juliano Moreira, médico negro que fundou psiquiatria no Brasil

Nascido em Salvador em 1873, Juliano Moreira foi um...

para lembrar

Capoeira é fio condutor de livro sobre a cultura afrodescendente no Brasil

Sincretismo e quebra de preconceitos em nova obra DEBORAH COUTO Os...

Candidatos a prefeito e vice de Salvador declaram-se afrodescendentes

Quem pensou que não haveria candidato afrodescendente  disputando a...

“Reparação é reconhecer o que a História nos negou. E não é algo que a humanidade desconheça”, diz Epsy Campbell

Epsy Campbell Barr, presidenta do Fórum Permanente de Afrodescendentes da...
spot_imgspot_img

“Reparação é reconhecer o que a História nos negou. E não é algo que a humanidade desconheça”, diz Epsy Campbell

Epsy Campbell Barr, presidenta do Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU, deu uma parada em sua tribulada agenda durante o 3º Fórum Global contra o Racismo...

Em paralelo às guerras, ONU discute medidas sociais econômicas para afrodescendentes

Enquanto o mundo pega fogo em meio às guerras, há um avanço quase que silencioso na ONU no campo dos direitos das populações negras...

Em feito histórico, Geledés demanda na ONU reparação aos afrodescendentes   

“Nesta quinta-feira, Geledés realizou um feito histórico ao ser a primeira organização de mulheres negras do Brasil a participar de forma protagonista de uma...
-+=