Olodum comemora suas três décadas

– Fonte: Bem Paraná –

O grupo baiano Olodum festeja seus 30 anos de existência. Como diz João Jorge, presidente da instituição, são “três décadas de tecnologia Olodum”, que é como ele chama o tripé que fez a fama do grupo: música, ação social e política “de afirmação do orgulho negro”. A música do Olodum está sacramentada em 11 discos no Brasil e cinco no exterior, além de gravações e jam sessions com Paul Simon, Inner Circle, The Wailers, Ziggy Marley entre outros. Do Bando de Teatro Olodum saiu gente como o ator Lázaro Ramos.

A ação social por meio da integração musical virou parâmetro em todo o País, gerando filhotes como o Afroreggae (Rio), o Meninos do Morumbi (São Paulo), o Régua e Compasso (Curitiba) e o Candeal Ghetto Square, de Carlinhos Brown.

No carnaval, 4 mil integrantes tingem Salvador com as cores do Olodum – o verde, o vermelho, o amarelo, o preto e o branco, símbolos do pan-africanismo. Diariamente, os ensaios do grupo no Pelourinho são acompanhados por centenas de turistas. O grupo tem sido um elemento fundamental para a revitalização do local. O Olodum é também criticado por ter “industrializado” suas atividades, mas é inegável a solidez de sua organização.

Sua Boutique Olodum vende bonés, bottons, sapatilhas, mochilas, discos e livros. A Fábrica de Carnaval emprega 35 pessoas. Faz ainda o Festival de Música e Arte do Olodum que, em 29 anos, reuniu cerca de 100 mil pessoas.
“É uma crítica improcedente. Nós jamais nos afastamos dos nossos objetivos e nunca deixamos de fazer a parte social”, fala o presidente João Jorge. “Como é natural, o Olodum se multiplicou, adquiriu contornos mais abrangentes. Não é mais apenas um bloco de carnaval.

Cresceu, como crescem os partidos políticos, as religiões. E nós, para não ficarmos dependentes das verbas públicas e privadas, fazemos um trabalho para dar autosustentação ao Olodum. Que não pode ser uma manifestação tímida, acanhada.” Do total das receitas da Banda Olodum, 30% retornam como investimentos para as atividades educativas e sociais e os 70% restantes, para seus componentes.

História – Como os outros blocos afro da Bahia, o Olodum também foi fundado por um grupo comunitário, os remanescentes do bairro do Maciel/Pelourinho. A partir da década de 80, já organizado, o Olodum tornou-se uma Organização Não Governamental (ONG) do movimento negro. O imóvel que hoje abriga A Casa do Olodum, no Pelourinho, foi construído entre os anos de 1790 e 1798. “Ano da deflagração da Revolta dos Búzios na Bahia”, lembra Jorge. “Primeiro movimento político a pregar o fim da escravidão no Brasil e a República como forma de governo.”

Foi abandonado na década de 50 e comprado pelo Olodum em 1985. A arquiteta Lina Bo Bardi fez o projeto de reforma e restauro. A palavra Olodum é de origem iorubana, idioma falado pelos iorubás vindos da Nigéria e do Benin para a Bahia. A palavra completa é Olodumaré, Deus criador, o Senhor do universo, representa no candomblé um princípio vital. O Olodum tinha como madrinha a ialorixá d. Alice dos Santos Silva, morta em 2005, que dava orientação e proteção espiritual ao grupo. A percussão do Olodum, segundo João Jorge, funde ritmos como o ijexá, o samba, o alujá, o reggae, o forró, o samba reggae, entre outros.

Matéria original: Olodum comemora suas três décadas

+ sobre o tema

Júlio Silva prepara sua aposentadoria jogando torneio de veteranos

Júlio Silva, tenista que está no circuito profissional...

Padê Poema 41 – Cuti

    Saiba Mais: Padê poema 40 -...

Padê Poema 44 – Cuti

  Leia Também: Padê poema 40 - Cuti  Padê Poema 41...

Mano Brown prega a paz em shows aguardado da Virada

Mano Brown fez jus à posição de artista mais...

para lembrar

Eduardo recusa convite de Jô Soares

Todos sabem que o rapper Eduardo lançou um...

Fãs criticam participação do MC Valter no ‘BBB’ e rappers o apoiam

Músicos como Emicida, Rappin Hood e Max B.O. defendem...

Ilê Aiyê elege Deusa do Ébano 2014 em noite de festa

Persistência foi a atitude da empresária Cynthia Paixão de...

Quintal. História de ninhos e revides

Por Allan da Rosa E eu carpindo o quintal...
spot_imgspot_img

Casa onde viveu Lélia Gonzalez recebe placa em sua homenagem

Neste sábado (30), a prefeitura do Rio de Janeiro e o Projeto Negro Muro lançam projeto relacionado à cultura da população negra. Imóveis de...

No Maranhão, o Bumba meu boi é brincadeira afro-indígena

O Bumba Meu Boi é uma das expressões culturais populares brasileiras mais conhecidas no território nacional. No Maranhão, esta manifestação cultural ganha grandes proporções...

Olodum comemora 44 anos com show no Pelourinho

Maior grupo percussista da Bahia, o Olodum comemora nesta terça-feira (25), 44 anos, e celebrará a data com um show gratuito no Pelourinho, às 19h. A...
-+=