Olympe de Gouges: feminista, revolucionária, heroína

A história da revolucionária feminista francesa, Olympe de Gouges, contada em quadrinhos é uma grata surpresa.

Por Francine Emilia.

França, 1748. Uma menina nasce, filha de uma mulher possivelmente infiel e possivelmente de um homem de alta posição. A paternidade é assumida pelo açougueiro, marido da mulher talvez adultera, tranquilamente. Uma história bem fácil de se enxergar em qualquer época, e não seria diferente na França as beiras de sua revolução.

No entanto, a história de Olympe de Gouges, exposta em quadrinhos por José-Louis Bocquet e Catel Muller (que também são autores da graphic novel “Kiki de Montparnasse”) se diferencia da maioria. E a história diferente narrada de uma maneira diferente fica ainda mais interessante.. Ao apostar em quadrinhos para contar a biografia de Maria Gouze, os autores tomam o risco de não terem sua obra – com pouco menos de 500 páginas – levada a sério. A surpresa é que o tomo conquista quem o lê: a divisão em capítulos é bem feita e o formato de HQ consegue dar as nuances e contextos necessários a história.

Uma revolucionária dentro da própria revolução francesa, de Gouges faz questão de utilizar-se de seus protetores e amigos para elevar a voz em favor da mulher: escreveu peças abolicionistas, cartas debatendo idéias dos revolucionários e chegou a fazer uma versão da “Declaração dos direitos do Homem e do Cidadão”. Neste último, lança o olhar sobre a mulher, que esteve lado a lado na revolução porém não estava no mesmo nível de igualdade quanto ao poder.

Os traços e as nuances permitidas no formato de quadrinhos conseguem colocar algumas questões de maneira mais natural: desde sua determinação em não se casar depois da viuvez, suas divergências com a revolução até sua influência na carreira do filho. Uma mulher que transitava na sociedade que conseguia usar dos mecanismos da mesma para expor seus pensamentos sobre a revolução.

No entanto, a história que se diferencia da maioria termina de uma maneira semelhante a tantas outras: os revolucionários, no poder, determinaram que Olympe de Gouges era contra-revolucionária. E isso bastou para lhe condenar a guilhotina. A sensibilidade deste desfecho no quadrinho é tocante.

A aposta em uma biografia feminista em um quadrinho de quase 500 páginas foi um risco tomado, mas valeu cada minuto para trazer essa história. Ainda mais em tempos de protestos que estranhamente colocam o feminismo em segundo plano, julgando haver um possível bem maior.

Referência

Olympe de Gouges. Texto e ilustração: José-Louis Bocquet e Catel Muller. Tradução: André Telles. Rio de Janeiro, Editora Record, 2014.

Quer ganhar um exemplar do livro?

Temos dois exemplares do livro “Olympe de Gouges: feminista, revolucionária, heroína” para sortear. Para concorrer, basta deixar um comentário nesse post com nome e email válidos dizendo: “Quero ganhar o livro!”.

Faremos uma tabela seguindo a ordem das pessoas que comentaram e determinaremos os vencedores a partir dos números sorteados no concurso da loteria federal do dia 10 de setembro. Portanto, você tem até dia 09 para deixar seu comentário.

Autora

Francine Emilia (1989, SP / MG) é paulista de nascimento e mineira de criação. Feminismo recém descoberto, virou nerd por insistência alheia e encontrou na música e na literatura a maneira de mostrar como encara o mundo.

 

Fonte: Blogueiras Feministas

 

 

+ sobre o tema

Nudez e pedofilia: onde está o real problema?

Incentivamos uma relação com a sexualidade desigual e potencialmente...

Ter mais mulheres nos conselhos das empresas interfere no valor de sua ações?

Até aqui, o que se sabia através de pesquisas...

Todos os livros de Judith Butler, gratuitos, para download

Pasta pública na rede disponibiliza a obra completa da...

Eduardo Cunha e todo o poder para os machistas e homofóbicos do Congresso Nacional

Junto com o atual presidente da Câmara dos Deputados,...

para lembrar

Filosofia Feminista

NÚCLEO: Altos Estudos MINISTRADO POR: Marcia Tiburi ...

93% dos homens héteros que responderam a este estudo disseram já ter ficado de conchinha com outro cara

Sim, homens héteros dormem juntos. *Nota do editor: não confundir...

Após rejeitar filha, pai conta como aprendeu a amá-la

Tornar-se pai não foi tarefa fácil para o artista...

O estigma da vítima

Há um fenômeno interessante que acontece frequentemente em contextos...
spot_imgspot_img

Homens ganhavam, em 2021, 16,3% a mais que mulheres, diz pesquisa

Os homens eram maioria entre os empregados por empresas e também tinham uma média salarial 16,3% maior que as mulheres em 2021, indica a...

Escolhas desiguais e o papel dos modelos sociais

Modelos femininos em áreas dominadas por homens afetam as escolhas das mulheres? Um estudo realizado em uma universidade americana procurou fornecer suporte empírico para...

Ministério da Gestão lança Observatório sobre servidores federais

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) lança oficialmente. nesta terça-feira (28/3) o Observatório de Pessoal, um portal de pesquisa de...
-+=