Onjango feminista: o centro da emancipação e desalienação feminina

Os homens, por meio das religiões monoteístas, construíram na memória colectiva de quase todo mundo a imagem de um ‘Deus-Pai’ de quem somos imagem e semelhança e que com suas leis ‘inquestionáveis’ silenciou e subjugou a mulher ao homem. Com o surgimento da colonização cristã e do ideário expansionsta islâmico, em muitas culturas africanas, para além do modo de ser e estar endógeno, a mulher passou a ser vista como um ser inferior, de segunda categoria, sem estirpe e expressão. A figura da mulher viu-se alienada e oprimida. E em Angola não se fugiu à regra.

Por: Lourenço Mussango, do Jovens da Banda 

Passaram-se anos, mulheres como Nzinga Mbandi, Kimpa Vita e Deolinda Rodrigues fizerem eco no seu tempo e emanciparam-se. Mas o eco foi efémero e muito cedo caiu por terra. Porém, depois de muito tempo de silêncio, em Junho do ano passado, duas jovens cultas (Sizaltina Cutaia e Âurea Mouzinho), defensoras dos direitos da mulher no país, decidiram criar um observatório de e para mulheres reflectirem sobre questões ligadas ao pró-feminismo. Assim, sob as brumas de uma sociedade patriarcal, emergiu o Ondjango Feminista.

O Ondjango Feminista é um movimento associativista que já conta com mais de 60 jovens activistas inscritas, cujo objectivo consiste em consciencializar a mulher sobre a sua cidadania e direitos; sobre que atitude tomar perante a violência contra a mulher. Consiste também em ‘abolir’ a objectificação e estigmatização da mulher na sociedade angolana.

Jovens como Cecília Kitombe, Florita Telo, Aline Frazão e Leopoldina Fekayamale têm desenpenhado um papel imprescindível em relação à valorização das mulheres na pirâmide social. Estas e outras jovens feministas fazem do Ondjango um centro de empoderamento, emancipação e desalienação da mulher. E têm, aos poucos, construído discursos abolicioniastas que, com mestria, desconstroem e repreendem acções relacionadas ao patriarcado, ao sexismo, à misoginia, ao machismo e à hipersexualização.

Ondjango Feminista advoga a liberdade, a emancipação e o empoderamento da mulher, para que esta tenha a plena convicção de que é tão capaz quanto o homem. Assim, esse movimento tem, de forma clara e sábia, desconstruído a supremacia do homem em detrimento da mulher, e rompido com os hábitos e costumes antiquíssimos enraizados na tradição (ancestralidade). De igual modo, tem desmascarado fundamentos religiosos e crenças retrógradas que emergem do filosofar arcaico de algumas igrejas centradas no ‘Deus-Pai’.

O processo de desconstrução de falácias e pensamentos machistas já começou. E a afirmação de que, apesar de diferença biológica, homens e mulheres são seres iguais, é cada vez mais ‘tangível’. Nesses moldes, com a recontextualização pautada num pensamento mais sólido e unificador, as feministas do Ondjango têm feito chegar a seguinte mensagem: “Homens e mulheres sob uma perspectiva filosófica e social devem sempre ser vistos no âmbito da justiça social”.

A crítica não se estende só a homens mas, também, a mulheres que corroboram e ratificam as acções machistas e misóginas por se silenciarem quando injustiçadas, e por apresentarem comportamentos indignos e desavergonhados quando pretendem ascender com facilidade. Jovens que ainda não fazem parte desta organização emancipada, sigam e discutam ideias no seio destas feministas, só assim poderão não mais se deixarem seduzir pela ‘Indústria Cultural’ que ‘coisifica’ a mulher por meio dos média, da moda, das músicas, dos filmes e da publicidade.

Diferente do que se apregoa aos quatro ventos, as feministas não são mulheres amargas e que sentem a falta de homens. Jovens da Banda (mulheres e homens), é imperioso despirmo-nos da nossa arrogância ilógica e olharmos o Ondjango Feminista sem preconceitos e pré-noções. Porque apesar dos factores biológicos que nos diferenciam, somos todos iguais e devemos cultivar o diálogo sadio. Através deste criaremos uma sociedade mais inclusiva, congregadora, com mais justiça social e sem assimetrias. Sejamos UNO na diferença, a fim de termos em nós a consciência de pertença que fará de Angola uma nação.

Mas antes mesmo de terminar, embora respeitando a liberdade de consciência de todos, queremos aqui condenar os discursos de ódio e intolerância que algumas manas ‘feministas’ advogam no Facebook. O feminismo enquanto tal não é uma corrente filosófica que assenta no radicalismo ideológico e nem visa criar cisão entre homens e mulheres. É a continuidade do ideário que vem forjar identidades próprias, emancipar o ‘Homem’ enquanto ser pensante, sedimentar a igualidade de oportunidades, exigir direitos, ratificar a meritocracia, independentemente do sexo. Minhas manas do Ondjango Feminista, nós que vos escrevemos, também já fomos machistas, mas rendemo-nos ante a nobreza da vossa luta e causa. Continuem! E tal como afirma o jovem autor Victor Hugo Mendes: “Há sempre alguém a contemplar”.

+ sobre o tema

Teoria que não se diz teoria

A separação entre teoria e prática é um histórico...

‘Perdemos cada vez mais meninas e jovens’, diz pesquisadora

Jackeline Romio participou da Nairóbi Summit e aponta os...

Sou mulher. Suburbana. Mas ainda tô na vantagem: sou branca

Ontem ouvi algo que me cativou a escrever sobre...

Por um feminismo de baderna, ira e alarde

Neste 8M, ocuparemos politicamente as ruas e as nossas...

para lembrar

spot_imgspot_img

Homens ganhavam, em 2021, 16,3% a mais que mulheres, diz pesquisa

Os homens eram maioria entre os empregados por empresas e também tinham uma média salarial 16,3% maior que as mulheres em 2021, indica a...

Escolhas desiguais e o papel dos modelos sociais

Modelos femininos em áreas dominadas por homens afetam as escolhas das mulheres? Um estudo realizado em uma universidade americana procurou fornecer suporte empírico para...

Ministério da Gestão lança Observatório sobre servidores federais

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) lança oficialmente. nesta terça-feira (28/3) o Observatório de Pessoal, um portal de pesquisa de...
-+=