ONU cria operação para vítimas de violência no Sudão do Sul

A Organização das Nações Unidas lançou uma operação humanitária de emergência para enfrentar a crise suscitada pela violência entre etnias na região de Jonglei, no Sudão do Sul.

A operação pretende ajudar cerca de 50 mil pessoas que foram vítimas dos enfrentamentos tribais que aconteceram nos últimos dias em Jonglei, um dos dez estados que integram o país africano.

O plano é organizado pelo Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), e nele participam o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), o Programa Alimentar Mundial (PAM), a Organização Internacional para Migrações (OIM) e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur).

Segundo comentaram em entrevista coletiva os porta-vozes destas instituições, o principal problema é chegar até as vítimas, já que a maioria, fugindo da violência, se refugiou em uma ampla região de floresta de difícil acesso.

Por essa mesma razão, a ONU não quis dar estimativas sobre o número de mortos, pela dificuldade de contabilizar os dados.

No entanto, os retornos começam a acontecer e cerca de 4,7 mil pessoas voltaram a suas casas, a maioria delas arrasada pelo fogo durante os enfrentamentos. Até o momento, foram retirados 46 feridos, embora este número possa se elevar nas próximas horas.

O PAM estima que poderá alimentar cerca de 7 mil pessoas nos próximos dias, mas adverte que dada a situação de insegurança alimentícia no país recém-criado, calcula-se que em 2012 deveria alimentar cerca de 2,7 milhões de pessoas.

De fato, segundo os dados do Unicef, 8% da população sofre severa desnutrição, 21% sofre desnutrição moderada, um terço da população não tem acesso a água potável e 15% não conta com saneamento adequado.

A Unicef relatou denúncias de sequestros de pelo menos 8 crianças, e que 45 menores não estão acompanhados.

Já o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), António Guterres, viajará ao Sudão do Sul neste fim de semana, e posteriormente visitará o Sudão entre 10 e 13 de janeiro.

A convocatória humanitária da ONU para o Sudão do Sul em 2012 chega a 763 milhões, e até o momento está coberta em 8%.

 

 

 

 

Fonte: Terra

+ sobre o tema

Africanos querem acesso a droga experimental contra o Ebola

O uso de uma droga experimental no tratamento de...

Cinema de cabelo duro

“Pelo Malo” traça vasto panorama da sociedade venezuelana atual,...

TERREMOTO HAITI: Ricky Martin visita áreas devastadas por terremoto no Haiti

  O cantor porto-riquenho Ricky Martin visitou ontem Porto Príncipe,...

para lembrar

Autobiografia de um ex-escravo ditada a escritor americano chega em breve ao Brasil

Trata-se de um dos raros relatos sobre a escravidão...

Obras reveem advogado e combatente

Escravo liberto que conquistou respeito por sua força intelectual...

Peça exalta tradição oral

Com sistemas sociais complexos e uma cultura milenar...

Afroeducação no Cinema especial 100 anos de Carolina de Jesus dia 26 de julho

  AfroeducAÇÃO no Cinema especial 100 anos de Carolina de...
spot_imgspot_img

Carnaval 2025: nove das 12 escolas do Grupo Especial vão levar enredos afro para a Avenida

Em 2025, a Marquês de Sapucaí, com suas luzes e cores, será palco de um verdadeiro aquilombamento, termo que hoje define o movimento de...

Dia 21, Maurício Pazz se apresenta no Instrumental Sesc Brasil

Maurício Pazz, paulistano, nos convida a mergulhar nos diferentes sotaques oriundos das diásporas africanas no Brasil. No repertório, composições musicais do próprio artista, bem...

‘Está começando a segunda parte do inferno’, diz líder quilombola do RS

"Está começando a segunda parte do inferno", com esta frase, Jamaica Machado, líder do Quilombo dos Machado, de Porto Alegre, resumiu, com certo desânimo, a nova...
-+=