Operação conjunta busca prender 24 PMs suspeitos de corrupção no Rio

Um dos detidos é o terceiro oficial na hierarquia da PM, chefe do COE.
Cerca de R$ 300 mil foram achados na casa de PMs presos.

Uma operação para prender 24 policiais militares suspeitos de participarem de um esquema de propinas na Zona Oeste do Rio é feita nesta segunda-feira (15) em vários pontos da cidade. A ação tem como objetivo cumprir ao todo 25 mandados de prisão e 43 mandados de busca e apreensão. Até as 17h, 22 pessoas já tinham sido presas, inclusive o ex-comandante coronel Alexandre Fontenelle Ribeiro de Oliveira, que é o chefe do Comando de Operações Especiais (COE) da PM.

A Operação Amigos SA é comandada por agentes da Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública e conta com apoio da Corregedoria-Geral da Polícia Militar, e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro

Alexandre Fontenelle é considerado o terceiro homem na hierarquia da PM e foi preso em casa no Leme, Zona Sul. Outro oficial que teve a prisão confirmada é o major Carlos Alexandre de Jesus Lucas, também lotado no COE. Na casa de outro oficial, o major Edson Alexandre Pinto de Góes (coordenador de Operações), os agentes encontraram uma grande quantia em dinheiro. O oficial não foi encontrado no local.

Até o meio-dia desta segunda-feira, segundo a Secretaria de Segurança, foram apreendidos R$ 287 mil e R$ 33 mil, na casa de dois suspeitos. A secretaria ainda não divulgou o valor total apreendido com os presos.

a_apreensao1

Segundo nota do MP, os PMs integravam o 14° BPM (Bangu), inclusive os integrantes do Estado-Maior, e exigiriam pagamento de propina de comerciantes, mototaxistas, motoristas e cooperativas de vans, além de empresas transportadoras de cargas na área do batalhão. As propinas variavam entre R$ 30 e R$ 2,6 mil e eram cobradas diária, semanal ou mensalmente, como garantia de não reprimir qualquer ação criminosa, seja a atuação de mototaxistas, motoristas de vans e kombis não autorizados, o transporte de cargas em situação irregular ou a venda de produtos piratas no comércio popular de Bangu.

Os mandados de prisão contra os PMs foram expedidos após denúncia encaminhada pelo GAECO à 1ª Vara Criminal de Bangu. Entre os denunciados estão seis oficiais que eram lotados no 14° BPM (Bangu): o ex-comandante coronel Alexandre Fontenelle Ribeiro de Oliveira e o ex-subcomandante major Carlos Alexandre de Jesus Lucas – ambos lotados atualmente no Comando de Operações Especiais –, os majores Nilton João dos Prazeres Neto (chefe da 3ª Seção) e Edson Alexandre Pinto de Góes (coordenador de Operações), além dos capitães Rodrigo Leitão da Silva (chefe da 1ª Seção) e Walter Colchone Netto (chefe do Serviço Reservado). Também são acusados de integrar a quadrilha 18 praças e um civil.

Ainda de acordo com a nota do Ministério Público, entre 2012 e o segundo semestre de 2013, os acusados e mais 80 pessoas, entre os quais policiais do 14° BPM, da 34ª DP (Bangu), da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM), além de PMs reformados, praticavam diversos crimes de concussão (extorsão cometida por servidor público) na área de atuação do 14° BPM.

De acordo com a denúncia, baseada em depoimentos de testemunhas, documentos e diálogos telefônicos interceptados com autorização judicial que compõem mais de 20 volumes de inquérito, “o 14° BPM foi transformado em um verdadeiro ‘balcão de negócios’, numa verdadeira ‘sociedade empresária S/A’, em que os ‘lucros’ eram provenientes de arrecadação de propinas por parte de diversas equipes policiais responsáveis pelo policiamento ostensivo, sendo que a principal parte dos ‘lucros’ (propinas) era repassada para a denominada ‘Administração’, ou seja, para os oficiais militares integrantes ‘Estado Maior’, que detinham o controle do 14º BPM, o controle das estratégias, o controle das equipes subalternas e o poder hierárquico”.

O MP informou que os acusados responderão na 1ª Vara Criminal de Bangu pelo crime de associação criminosa armada, que não consta do Código Penal Militar. A pena é de dois a seis anos de reclusão. Os integrantes da quadrilha também serão responsabilizados pelo Ministério Público pelos diversos crimes de concussão, que serão apurados pela Auditoria de Justiça Militar estadual.

Fonte: G1

+ sobre o tema

Cabral: pela extensão das cotas

  Governador alerta para o racismo que ainda persiste...

Acusação de racismo “ofuscou” amistoso entre Brasil e Escócia, diz imprensa britânica

Em reportagens publicadas nesta segunda-feira (28), jornais ...

Universidade que investiga ‘blackface’ em gincana já teve alunos com fantasias ligadas a grupo extremista

Estudantes do campus da Unesp de Botucatu (SP) estão assustados após...

São Caetano põe panos quentes em susposto caso de racismo

Samuel Xavier e Fábio Costa discutiram, mas se entenderam...

para lembrar

PM mata jovem de 14 anos e cria clima de terror no Grajaú

Policiais colocaram o corpo na ambulância já com uma...

Caixa terá novo filme para retratar Machado de Assis

A Caixa Econômica Federal não aguentou a pressão por...

Personalidades protestam contra racismo da H&M

The Weeknd e outros astros responderam à campanha com...

Racismo: youtuber é chamado de “macaco” e “escravo” após postar vídeo em canal de rede social

Luan Custódio faz comentários sobre universo adolescente há cerca...
spot_imgspot_img

Nem a tragédia está imune ao racismo

Uma das marcas do Brasil já foi cantada de diferentes formas, mas ficou muito conhecida pelo verso de Jorge Ben: "um país tropical, abençoado...

Futuro está em construção no Rio Grande do Sul

Não é demais repetir nem insistir. A tragédia socioclimática que colapsou o Rio Grande do Sul é inédita em intensidade, tamanho, duração. Nunca, de...

Kelly Rowland abre motivo de discussão com segurança em Cannes: ‘Tenho limites’

Kelly Rowland falou à imprensa sobre a discussão que teve com uma segurança no tapete vermelho do Festival de Cannes durante essa semana. A cantora compartilhou seu...
-+=