Organizações pedem ao Presidente Lula e ao Ministro da Justiça que compromisso com os direitos humanos seja critério para indicação do novo Ministro do STF


Nesta terça feira (27) organizações de direitos humanos de todo o país enviaram carta ao Presidente Lula e ao Ministro da Justiça, Luis Paulo Teles, reivindicando que o compromisso com os direitos humanos seja um critério para escolha do próximo Ministro do STF, que ocupará a cadeira deixada por Eros Grau, com aposentadoria marcada para o próximo mês.


De acordo com as organizações, o número de questões sociais levadas ao Judiciário tem aumentado e, com isso, ampliado a dimensão da atuação deste Poder no contexto de efetivação ou negação dos direitos humanos no país. Por esse motivo, as organizações sugerem que o principal critério para escolha do novo Ministro deve ser o compromisso com a efetivação dos direitos humanos, já que o STF tem a função de zelar pela guarda da Constituição Federal da República.

 

Outro ponto apresentado na carta refere-se à maior participação da sociedade civil neste processo de indicação de ministros, já que este é um momento político muito importante para a sociedade como um todo. “Para o fortalecimento da democracia e a construção de uma efetiva cultura de direitos humanos no Brasil é indispensável, portanto, a criação de mecanismos efetivamente democráticos de participação social nas questões que envolvem o Poder Judiciário”, afirma o documento.

 

O processo de nomeação dos Ministros do Supremo possui duas etapas na esfera dos Poderes da República. A primeira é a indicação pelo Presidente da República, seguida por uma sabatina do indicado na Comissão de Constituição e Justiça – CCJ do Senado. O nome ainda passa por uma votação no Plenário da Casa, com a necessidade de aprovação de, no mínimo, 41 senadores.

 

Ainda não existe uma data específica para a indicação do novo Ministro, mas se sabe que a qualquer momento o processo pode ser concretizado. As organizações estarão acompanhando o processo de nomeação para Ministro do STF, organizando também uma intervenção junto à CCJ do Senado, por ocasião da sabatina.


Assinam a Carta:

Aliança de Controle do Tabagismo – ACT
Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids – ABIA
Associação de Advogados de Trabalhadores Rurais no Estado da Bahia – AATR
Comissão de Direitos Humanos da Universidade Federal da Paraíba
Centro Justiça Global
Dignitatis – Assessoria Técnica Popular
Geledés Instituto da Mulher Negra
Instituto de Estudos Sócioeconômicos – INESC
Instituto dos Defensores dos Direitos Humanos – IDDH
Mariana Criola – Centro de Assessoria Popular
Plataforma Dhesca Brasil
Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos – SDDH
Terra de Direitos

+ sobre o tema

É impossível promover direitos humanos sem proteger as mulheres

Medo e trauma de experiências de violência muitas vezes...

Negros são mais condenados por tráfico e com menos drogas em São Paulo

Levantamento inédito analisou 4 mil sentenças de tráfico em...

Encontro nacional debate estratégias para fortalecer organizações da sociedade civil

A Constituição brasileira de 1988 só tem a abrangência...

para lembrar

Dado racial em documento trabalhista é passo no combate a desigualdades

Em 20 de abril de 2023, o governo federal sancionou...

CARE

por Sueli Carneiro Cuidado, carinho, é o que a palavra...

“Se Deus fosse um ativista dos direitos humanos”, por Boaventura de Sousa Santos

Sociólogo português Boaventura de Sousa Santos veio ao Brasil...
spot_imgspot_img

Conselho de direitos humanos aciona ONU por aumento de movimentos neonazistas no Brasil

O Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH), órgão vinculado ao Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania, acionou a ONU (Organização das Nações Unidas) para fazer um alerta...

Ministério lança edital para fortalecer casas de acolhimento LGBTQIA+

Edital lançado dia 18 de março pretende fortalecer as casas de acolhimento para pessoas LGBTQIA+ da sociedade civil. O processo seletivo, que segue até...

PM matou 94% a mais na Baixada Santista; ‘Tô nem aí’, diz Tarcísio

"Sinceramente, nós temos muita tranquilidade com o que está sendo feito. E aí o pessoal pode ir na ONU, pode ir na Liga da...
-+=