Pabllo Vittar: “Tudo que é diferente enfrenta obstáculos”

Pabllo acumula sucessos: K.O. está entre as 50 músicas mais tocadas no Brasil no Spotify e o clipe de Todo Dia tem mais de 16 milhões de views no Youtube.

no Cosmopolitan

Você já passou da marca dos 16 milhões de visualizações no Youtube. Quando começou, há dois anos, se imaginava tão grande assim?

Não! Se desse 50 ou 100 mil views, já ficaria feliz, mas quando as coisas tomaram as proporções dos milhões fiquei chocada. Confesso que até chorei quando vi um vídeo chegar aos 10 milhões.

Quando percebeu que queria seguir essa carreira?

A música sempre esteve presente na minha vida. Costumava dizer que queria entreter as pessoas. Sempre gostei de cantar, mas nunca imaginei conciliar das paixões: a música e a drag queen. Comecei a me montar quando conheci a RuPaul, e aí me realizei! [risos]

Você precisou enfrentar muitas barreiras para ser uma drag na música?

Sim, tudo que é diferente enfrenta obstáculos. Mas as dificuldades me deixaram mais forte. Muita gente não colocava fé em mim. Estou realizando um sonho. Sempre quis lançar um álbum e levar meu trabalho para o Brasil todo. Sou grata e honrada em poder fazer esse trabalho em um país onde a gente sofre preconceito e tem tanta morte LGBT.

O que você faz para manter a alma leve em um país tão preconceituoso. Já sofreu com isso?

Já sofri, sim. Sou afeminada e tenho orgulho do meu jeito. Mantenho minha alma leve. Acredito que em breve a gente poderá sair na rua sem medo e sem sofrer preconceito. Pelo menos, é o que eu espero.

Você entende o papel de inspiração que tem para várias pessoas?

Vejo muitas drags realizando seus sonhos por se inspirarem em mim. Isso me deixa muito feliz. A gente pode tudo! Ninguém é capaz de nos impedir de conquistar nossos sonhos. Se temos esse potencial dentro de nós, por que não? Chegou um tempo em que ninguém acreditava em mim, só eu e minha família. Mas não desisti.

O que já ouviu de bacana dos seus fãs?

Que eles puderam se assumir e que me trabalho deu força para que saíssem da zona de conforto e começassem a viver a vida do jeito que são. Isso pra mim não tem preço. Sempre me aceitei e não tem coisa melhor, pois, a partir do momento em que você toma essa decisão, outras pessoas vão te aceitar e te amar.

+ sobre o tema

15 ativistas negras que todos deveriam conhecer

O For Harriet publicou uma lista bem interessante que...

Narrativa confessional: exercício de autoconhecimento como ato político

Escrever uma narrativa confessional¹ é um exercício de autoconhecimento...

para lembrar

Aplicativo traça “mapa da homofobia” de agressões contra a comunidade LGBT

O aplicativo Espaço Livre nasceu com o objetivo de...

Dia Internacional da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha tem marchas em todo o país; veja

Marchas, palestras, atividades culturais, rodas de conversa: o “julho...

“Quando o feminismo vira um produto, a gente tem um problema”, afirma ativista

Entrevista especial para o Dia de Luta das Mulheres...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=