Robeyoncé Lima: “Minha vitória é inspiração para as pessoas”

A bacharel em direito de 28 anos é a primeira mulher transexual nordestina a poder usar o nome social na carteira da Ordem dos Advogados do Brasil.

Por Débora Stevaux no Claudia

Robeyoncé Lima, 28 anos, é a primeira mulher transexual nordestina a poder usar o nome social na carteira da Ordem dos Advogados do Brasil. A pernambucana, bacharel em direito, também é a primeira a ter sido aprovada no Exame da Ordem de Pernambuco.

A filial da OAB no estado oficializou a decisão no início do ano. Até então, apenas um caso havia sido registrado no estado de São Paulo. A medida representa um passo em direção à igualdade e aos direitos da população trans, que sofre uma situação de extrema vulnerabilidade social no Brasil, o país que mais mata transexuais no mundo. 

+ sobre o tema

Arthur, transexual de 13 anos: “Acham que só quero chamar atenção”

Mesmo enfrentando preconceito e incompreensão fora de casa, o...

O discurso da tolerância como domesticação

Apenas uma sociedade profundamente intolerante pode invocar a necessidade...

Sem alarde nem preconceito Vigor aborda homossexualidade em anúncio para Facebook

Pode até ser que abordar homossexualidade em 2014 já...

Expulso de casa por ser gay, jovem divulga vídeo de briga com os pais

Pais evocam argumentos bíblicos para dizer que filho gay...

para lembrar

4 suspeitos de torturar e matar Dandara são presos no Ceará

"Todo atentado contra a vida é um crime hediondo,...

Do abrigo lotado à faculdade de direito: a saga de Nadine, uma haitiana no Brasil

Enquanto uma multidão se acotovelava à espera das quentinhas...

Ex-morador de rua, jovem de PE faz vaquinha para cursar medicina no Canadá

Aos 17 anos, Denis José da Silva tem uma...

“Microcefalia nunca me limitou; quero dar aula para alunos com deficiência”

Logo quando nasci fui diagnosticada com microcefalia, meu crânio...
spot_imgspot_img

‘Minha história é de superação’, diz quilombola que é 1º lugar em Medicina

"Sou a primeira da minha descendência quilombola a entrar em uma universidade. Sou natural de Candiba, interior da Bahia, e desde pequena sempre quis...

Conheça a chef brasileira que foi a primeira mulher a entrar na Academia de Culinária da França

Nos últimos meses, circula na internet a informação de que a brasileira Célia Regina Miranda Dalla Colletta de Mattos, de 46 anos, é a...

“Microcefalia nunca me limitou; quero dar aula para alunos com deficiência”

Logo quando nasci fui diagnosticada com microcefalia, meu crânio era menor do que a média e por isso os médicos chegaram a dizer para...
-+=