Países em desenvolvimento já ultrapassam o G7 em alguns indicadores

Países em desenvolvimento já ultrapassam o G7 em alguns indicadores

Por Vermelho

O grupo dos sete países desenvolvidos – Reino Unido, Alemanha, Itália, Canadá, EUA, França e Japão – está perdendo terreno. Os países em desenvolvimento estão já aí. E embora Brasil, China, Índia, Indonésia, México, Rússia e Turquia não estejam integrados num novo grupo, o seu PIB total do ano passado foi em 3,5 trilhões de dólares maior que o do G7. É verdade, não se trata da clássica contagem do PIB per capita. Esta contagem foi baseada em paridade de poder aquisitivo (PPA), explica o economista Alexei Vyazovsky.

“A paridade de poder aquisitivo é a relação entre duas ou mais unidades monetárias de países diferentes calculada segundo o seu poder de compra para um conjunto específico de produtos e serviços. Normalmente, este conjunto de bens e serviços é padronizado e, calculando pela taxa de câmbio corrente da moeda nacional, verifica-se que quantidades dos mesmos produtos e serviços se podem comprar por uma determinada quantia”.

Uma das maneiras de determinar a paridade do poder de compra foi proposta pela revista britânica The Economist. Em 1986, ela introduziu o conceito do “índice Big Mac”. Ou seja, para comparação é usado o preço de um hamburger padrão produzido por restaurantes de comida rápida McDonald’s praticamente em todo o mundo. Desta forma, é fácil verificar a relação da taxa de câmbio real com a vigente no mercado de câmbio na sequência de especulações. Por exemplo, em 2013, o PPA do dólar na Rússia totalizava 19,3 rublos – exatamente metade da taxa atual.

Ora, é justamente por causa da diferença nas taxas de câmbio que o método de calculação do PIB por paridade de poder aquisitivo não pode ser considerado adequado, enfatiza o analista financeiro Alexander Yakovlev.

“Pelo poder aquisitivo pode ser determinada a força da moeda e o tamanho nominal do produto interno bruto, podendo os países ser agrupados de acordo com este indicador. Mas o fato é que o poder de compra não reflete a qualidade da economia, seus centros de crescimento, a duração da dinâmica atual. O PIB por PPA é um número impressionante, mas muito abstrato”.

E mesmo assim, não se pode ignorar o fato de que as últimas avaliações da situação no mundo indicam enormes mudanças. Em particular, 10 das 20 maiores economias são atualmente representadas por países em desenvolvimento. E quer o velho clube do G7 o queira, quer não, ele terá que tomar em consideração o grupo de países em rápido desenvolvimento.

Fonte: Revista Forum

+ sobre o tema

Bolsonarismo ataca democracia de todas as formas

O risco democrático que o bolsonarismo representa não se...

Abolicionismo do século 21

Por: Edson França Completamos no dia 13 de...

O que pensa o ministro Arthur Chioro sobre a saúde da mulher – por: Fátima Oliveira

Preocupada com o silêncio sepulcral do novo ministro da...

Hélio Santos rebate artigo de Serra sobre raça

Fonte: Folha de São Paulo – Painel do leitor...

para lembrar

Christine Lagarde é escolhida como a nova diretora-gerente do FMI

Francesa cumprirá mandato de cinco anos começando em 5...

FMI e as mulheres: para além da Maria da Penha

Professor da Escola de Direito do Rio de Janeiro...

Diretora do FMI contradiz Meirelles e afirma que prioridade deve ser combate à desigualdade social

Depois da fala de Meirelles, Lagarde falou que 'economistas'...

Diretora do FMI contradiz Meirelles e afirma que prioridade deve ser combate à desigualdade social

Depois da fala de Meirelles, Lagarde falou que 'economistas' disseram que a desigualdade social não era problema deles Após ouvir o ministro da Fazenda brasileiro,...

Sérgio Martins – A Camareira e o ex-Presidente do Fmi: Um caso arquivado mas não resolvido

Passei boa parte da minha vida ouvindo as histórias de tentativas de abuso sexual ás mulheres negras no seu espaço de trabalho. Uma delas...

FMI e as mulheres: para além da Maria da Penha

Professor da Escola de Direito do Rio de Janeiro da Fundação Getulio Vargas Por:  Pedro Vieira Abramovay Christine Lagarde, após ser a primeira mulher a comandar...
-+=