Papanicolau não precisa ser feito todo ano; saiba mais sobre o exame

Enviado por / FonteUOL, por Larissa Cassiano

O papanicolau é o exame utilizado para avaliar precocemente alterações pré-malignas que podem ocorrer no colo do útero, mas ele não dá o diagnóstico de câncer, e neste caso é necessário seguir a investigação com outros exames.

Parte das alterações presentes no colo do útero podem ser causadas pelo HPV, um vírus que pode ser contraído sexualmente, mas com a possibilidade de prevenção através da vacina.

Resumindo, com a vacina podemos reduzir a possibilidade de infecção do HPV e, nos casos de evolução com lesão no colo do útero, se o papanicolau for realizado precocemente é possível diagnosticar e tratar antes que a doença evolua para estágios mais avançados.

O que podemos observar no exame

Se a coleta de material for satisfatória para análise do exame, podemos notar: presença de fungos, bactérias, protozoários ou alterações sugestivas, ou suspeitas de malignidade. Vale destacar que, na presença de corrimento vaginal, o papanicolau não é o melhor exame para avaliação e mesmo negativo não descarta uma infecção vaginal.

Para pesquisar corrimento e infecções vaginais outros exames como culturas de secreção são os mais específicos e indicados do que o papanicolau.

E a inflamação no papanicolau? Tem tratamento?

Se lido sem orientação médica, o laudo do papanicolau pode se tornar um prato cheio para o desespero. É muito frequente que no laudo uma das análises fale sobre a presença de inflamação e aqui vale a pausa para diferenciar inflamação de infecção.

Inflamação é a resposta do nosso organismo a uma mudança, uma forma de se defender. Já a infeção é causada por um agente que pode ser fungo, bactéria ou parasita.

Então, na próxima vez que observar que o laudo do papanicolau mostra a presença de uma inflamação, lembre que essa pode ser uma resposta local e que na maioria apenas a presença dela não é uma indicação de tratamento.

Antigamente os laudos do papanicolau traziam os seguintes resultados:

  • Classe I – ausência de células alteradas
  • Classe II – alterações benignas
  • Classe III – células anormais (incluindo NIC 1, NIC 2 e NIC 3)
  • Classe IV – Sugestivo de malignidade
  • Classe V – Indicativo de câncer do colo uterino

Por essa classificação as classes I e II são consideradas normais. Recentemente essa classificação tem sido substituída, mas não é infrequente que alguém se depare com ela ou que esteja presente com outras informações.

O que se tem preconizado nos laudos é a descrição mais específica do que foi analisado, informando o tipo de células presentes, se existe algum agente infeccioso e se as células são sugestivas de alterações malignas ou pré-malignas.

Quando realizar o exame?

O Ministério da Saúde recomenda que o exame de papanicolau seja realizado em pessoas entre 25 e 64 anos, podendo ser antecipado para pessoas sexualmente ativas antes dos 25 anos.

A coleta deve ser feita, inicialmente, 1 vez por ano e após dois exames normais consecutivos que ele seja realizado a cada 3 anos.

Quando não realizar?

– Após relação sexual com penetração vaginal, pois o sêmen, lubrificantes ou outros produtos podem alterar o resultado do exame.

– Na presença de sangramento vaginal, pois o sangue pode atrapalhar a avaliação do exame.

– Após o ultrassom transvaginal o exame não deve ser realizado, pois o gel utilizado para o ultrassom pode alterar o exame, neste caso a melhor opção é agendar o papanicolau antes do ultrassom.

O papanicolau é um exame de fácil acesso, em algumas localidades não necessita de agendamento, pode detectar alterações do colo do útero, possibilitado tratamento menos invasivos.

Conhecer e saber as possibilidades pode ser uma forma para evitarmos casos graves de câncer do colo do útero.


Referências:

Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo). Colpocitologia oncológica no rastreamento do câncer de colo uterino. São Paulo: Febrasgo; 2021. (Protocolo Febrasgo-Ginecologia, nº 34/Comissão Nacional Especializada em Trato Genital Inferior)

Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero / Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Divisão de Detecção Precoce e Apoio à Organização de Rede. – 2. ed. rev. atual. – Rio de Janeiro: INCA, 2016.

+ sobre o tema

Risco de morte de adolescente negro é 3,7 vezes maior em relação ao branco, diz estudo

Por: Mônica Ribeiro e Ribeiro Pesquisa foi feita pelo Observatório...

Amor (e ódio) na era digital

Como a web e as redes sociais mudaram a...

Direitos Humanos será a nova crise de Temer

Escolha da advogada Flávia Piovesan para a Secretaria de...

Cimi: está acontecendo um verdadeiro genocídio de indígenas no Brasil

Conselho Indigenista Missionário (Cimi) divulgou um relatório segundo qual,...

para lembrar

Estudos mostram que mais de 30 mil mulheres trabalham sem remuneração

"4º Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça" apresenta...

Moradores de rua em São Paulo são acordados com jatos de água fria

Após o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) ter registrado...

COP28 – Movimento Negro e perspectiva para o futuro climático

Nos dias 6 e 7 de novembro de 2023,...

Seminário – O negro no mercado de trabalho: Entre o passado e futuro

SEMINÁRIO - O NEGRO NO MERCADO DE TRABALHO: ENTRE...
spot_imgspot_img

Curso introdutório de roteiro para documentário abre inscrição

Geledés Instituto da Mulher Negra está promovendo formações totalmente online para jovens negres em todo o Brasil. Com um total de 6 formações independentes...

Desenrola para MEI e micro e pequenas empresas começa nesta segunda

Os bancos começam a oferecer, a partir desta segunda-feira (13), uma alternativa para renegociação de dívidas bancárias de Microempreendedores Individuais (MEI) e micro e...

“Geledés é uma entidade comprometida com a transformação social”, diz embaixador do Brasil no Quênia

Em parceria com a Embaixada do Brasil no Quênia, Geledés - Instituto da Mulher Negra promoveu nesta sexta-feira 10, o evento “Emancipação Econômica da...
-+=