Para Dilma, interpretação de frase sobre luta é ‘vilania’

Pré-candidata do PT disse que não se referia a exilados nem a Serra.
Petista ironizou slogan tucano: ‘Não é que podemos mais. Fizemos mais’.

 

A ex-ministra-chefe da Casa Civil e pré-candidata do PT à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff, classificou de “vilania” a interpretação sobre sua declaração feita no sábado (10) em São Bernardo do Campo (SP).

 

Cumprindo agenda em Fortaleza nesta terça-feira (13), ela afirmou não ter se referido aos exilados e nem mesmo a José Serra, pré-candidato do PSDB à Presidência da República, mas sim tratado de ataques feitos contra a campanha dela. 

Segundo Dilma, o objetivo de seus opositores com o que chamou de “distorção” seria fugir do debate de propostas. E alfinetou, parodiando o “slogan” de Serra: “Nós temos muito a apresentar e a discutir. Não é que nós podemos mais. Nós fizemos mais”. 

“Não precisa tentar me atemorizar porque eu não vou ser atemorizada. Não precisa achar que debaixo da saraivada de críticas que eu recebo diariamente, eu vou deixar de pensar no que eu acredito e nem que vou deixar de fazer aquilo que eu creio. É esse o sentido. É uma fala extremamente atual”, reiterou. 

A ex-ministra explicou que não se referiu aos exilados quando disse que não fugia da luta. “Tanto a clandestinidade como o exílio eles tinham o mesmo efeito. A gente entrava na clandestinidade ou no exílio não porque queria, não porque a gente optava. A gente fazia isso por um motivo muito simples: porque muitas vezes era a diferença entre a vida e a morte”.

 

E reiterou: “Eu repudio integralmente. Considero mesmo que é uma vilania as interpretações forçadas que querem ler a seguinte frase: ‘Eu não fujo da situação quando ela fica difícil. Eu não tenho medo da luta. Eu posso apanhar, sofrer e ser maltratada como já fui, mas estou sempre firme com as minhas convicções’. Interpretar isso como sendo uma crítica ao exílio ou medo da clandestinidade é uma vilania”.

Fonte: G1

+ sobre o tema

Presidente da Câmara anula impeachment de Dilma

A decisão será publicada na edição do Diário da Câmara...

“É melhor morrer em pé do que viver de joelhos”

Quem ama as liberdades democráticas que se mire em...

Abolicionismo do século 21

Por: Edson França Completamos no dia 13 de...

Governo suspende novas vagas do Pronatec, ProUni e Fies

Brasília - Uma das vitrines da área social da...

para lembrar

São Paulo de Kassab: Cidade em crise

Índices de desaprovação de Kassab evidenciam o esgotamento de...

Carta ao ministro da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz

Do Pacto Pela Democracia  Exmo. Sr. Ministro-Chefe da Secretaria de Governo...

Até quando a sabotagem conservadora poderá resistir?

por Saul Leblon A Folha quer ser...

Obama: Vitória do povo americano

Por: LUIZ CARLOS BRESSER-PEREIRA É hora de celebrar a vitória...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=