Para Serra, expor seu currículo ‘denigre’ imagem e prejudica candidatura

Tucano mandou censurar Folha Bancária por entender que informações sobre cargos e projetos poderiam causar ‘danos irreparáveis’ à sua campanha

As informações que “denigrem” a imagem de José Serra (PSDB) e são capazes de provocar “dano irreparável” à sua candidatura para prefeito de São Paulo – segundo as palavras do despacho judicial que censurou e apreendeu a edição de ontem (4) do jornal Folha Bancária – estão em um texto de quatro parágrafos que resume a trajetória política e administrativa do tucano e informa, no final, que ele ainda não apresentou programa de governo.

A representação foi protocolada pelo PSDB, sob argumento de que o jornal “promovia” o petista Fernando Haddad e prejudicava Serra. A edição trazia textos sobre os três principais candidatos à prefeitura – Serra, Haddad e Celso Russomanno (PRB) – e uma nota de rodapé informando que a maioria dos diretores do Sindicato dos Bancários apoia o petista.

O texto que Serra considera depreciativo diz que ele, quando governador de São Paulo, vetou projetos que determinavam a instalação de portas segurança em todas as agências bancárias. Também afirma que seu partido, o PSDB, foi responsável pela privatização de vários bancos públicos, entre eles o Banespa.

Leia a íntegra do que foi publicado sobre o tucano na Folha Bancária censurada por ele:

“José Serra é economista. Já foi eleito governador de São Paulo, deputado federal por dois mandatos e senador. Foi prefeito de São Paulo entre 2005 e 2006, q uando deixou o mandato para concorrrer ao governo do estado. A gestão do município foi então assumida pelo prefeito Gilberto Kassab.

Em sua gestão como governador, Serra vetou dois projetos de lei que determinavam a instalação de portas de segurança em todas as agências bancárias do estado. O mesmo caminho tomou seu sucessor na prefeitura paulista: Kassab também vetou projeto que determinava a instalação de dispositivos nas agências bancárias do município.

O então governador também abriu mão da Nossa Caixa, que passou na ser controlada pelo Banco do Brasil. A legenda, o PSDB, foi responsável por privatizações de diversas instituições financeiras, como o Banespa e o Banerj, além de empresas como a Vale do Rio Doce.

SEM PROPOSTAS – O plano de governo de Serra não foi divulgado em nenhum dos sites oficiais da campanha nem no TRE. Dessa forma, não é possível averiguar suas propostas para mobilidade, saúde e segurança.”

Fonte: Brasil Atual

+ sobre o tema

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

para lembrar

Fuga do carnaval

O plano era redondo. Escrever sobre o carnaval e...

Governo prorroga IPI menor para linha branca

Por: Frederico Rosas Com o objetivo de estimular a...

Nada a temer! Uma reação de autores de HQs e ilustradores contra o golpe

O ilustrador Edson Ikê explica sua motivação ao criar...

Estão roubando o pouco que conquistamos

Esta matéria de Cleber Araújo Santos é a terceira de...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança e ganham menos que os homens ao desempenhar a mesma função, apesar destes indicadores registrarem...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...
-+=