Parada Gay movimenta economia paulistana

No ano passado, evento injetou R$ 3,2 milhões na economia – ao longo do ano, segmento gerou R$ 60 milhões para a economia de São Paulo (SP)

Marcada para o domingo (4), a 18ª edição da Parada LGTB de São Paulo deverá reunir milhares de pessoas na avenida Paulista. Conhecido como um dos maiores eventos da capital paulista, a Parada Gay, como é conhecida, vem crescendo em média 20% ao ano. No ano passado, o evento movimento R$ 3,2 milhões na cidade – durante todo o ano, o segmento gay injetou R$ 60 milhões na economia, segundo a estimativa da SPTuris.

O Observatório de Turismo de São Paulo aponta que há 80 estabelecimentos voltados para o público LGTB, entre bares, restaurantes e casa noturna. Às vésperas do evento, o número de pessoas nestes estabelecimentos chega a dobrar, chegando a 95 mil pessoas.

Segundo a SPTuris, quase 40% do público participante é turista – apenas 2,6% de estrangeiros. Argentinos, americanos, peruanos e holandeses são os mais assíduos. Mais da metade (53,3%) do público é de homens e 50% tem renda de até cinco salários mínimos. Os turistas gastam, em média, R$ 827,61 no período de estada na cidade.

 

 

Fonte: iG Economia

+ sobre o tema

“Microcefalia nunca me limitou; quero dar aula para alunos com deficiência”

Logo quando nasci fui diagnosticada com microcefalia, meu crânio...

12 livros feministas que você precisa conhecer

Lista traz um conjunto de leituras feministas que colaboram...

para lembrar

Não é o shortinho, é o que o shortinho representa

Petição feminista de alunas do ensino fundamental gera confusão...

Juntas – O aplicativo do PLP 2.0 no enfrentamento à violência contra as mulheres

MULHERES CONECTADAS CONTRA A VIOLÊNCIA! Fique em Rede com o...

Como certo feminismo mordeu a isca neoliberal

Para uma das grandes estudiosas norte-americanas do movimento das...

“Símbolos negros estão em alta, mas nas mãos de pessoas brancas”

A professora Patricia Anunciada fala sobre apropriação cultural e...
spot_imgspot_img

Elogio ao estupro e ódio às mulheres

Nem sempre é fácil dizer o óbvio. Mesmo porque, quando essa necessidade se impõe é fundamental entender as razões que estão por trás dela. Mas...

Angela Davis: “O desafio é manter a esperança quando não vemos sinais”

Angela Davis, filósofa professora americana, é como uma estrela de rock do ativismo pelos direitos humanos e do movimento negro. Sua popularidade atravessa gerações...

IBGE: mulheres assalariadas recebem 17% menos que os homens

Dados divulgados nesta quinta-feira (20/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que a disparidade salarial entre os gêneros no Brasil se mantém em...
-+=