Tag: economia

Operários trabalham na desmontagem das plataformas da enseada do Paraguaçu Rafael Martins/ Folhapress

Exclusão racial no topo da pirâmide de renda do Brasil deve aumentar

A distância entre a fatia de negros e brancos no grupo dos brasileiros 10% mais ricos deverá se tornar ainda maior, na esteira do avanço da exclusão racial em renda em 14 das 27 unidades da Federação, mostra o Ifer (Índice Folha de Equilíbrio Racial). Em 2019, pretos e pardos eram 54% dos brasileiros de 30 anos ou mais, mas perfaziam 30,4% do topo da pirâmide de renda. O resultado dessa combinação era um Ifer de -0,48, conforme a metodologia do índice, desenvolvida pelos economistas do Insper Sergio Firpo, Michael França e Alysson Portella. Se a trajetória recente dos fatores que afetam o componente econômico do índice não for alterada, essa fatia tende a encolher ainda mais, chegando a 24% em 2046, ou -0,59 no Ifer, segundo projeção feita pelos três pesquisadores em um trabalho acadêmico. O Ifer foi pensado como uma ferramenta para desvendar e acompanhar os diferentes níveis de disparidade ...

Leia mais
Crise prolongada deixa jovens num limbo, sem emprego e sem perspectivas (Foto: Hermes de Paula / Agência O Globo)

Crise prolongada deixa jovens num limbo, sem emprego e sem perspectivas: ‘Dá uma sensação de potencial desperdiçado’

Em plena recessão de 2016, quando a economia brasileira encolheu 3,3%, Shayenne dos Santos Monteiro se formou na Faculdade de Enfermagem. Mesmo com a pandemia, aos 28 anos, ainda não conseguiu trabalhar na profissão. Foi babá e cabeleireira, trabalho que vem mantendo, enquanto ainda tenta ser enfermeira, fazendo estágio não remunerado e capacitação: — Coloquei currículo em hospital de campanha e nada. De um tempo para cá, nem a rejeição chega. A gente faz o cadastro, nem a recusa enviam mais. Não dão conta de todos os currículos que chegam. Só entra com indicação, tem muita gente desempregada. Foto: Criação O Globo Um ano antes de Shayenne, Vinícius de Almeida, de 31 anos, formou-se em Relações Internacionais. Outro ano recessivo, quando o Produto Interno Bruto (PIB) retraiu 3,5%. E também nunca conseguiu trabalho na sua área. Fez mestrado, mas desistiu. Hoje cursa Direito e estuda para ...

Leia mais
O economista Michael França - Bruno Santos/Folhapress

Todas as cores favoritas, a diversidade e a economia

A diversidade tem um custo. Heterogeneidade de preferências, preconceitos e racismo podem levar a escolhas que não beneficiam a sociedade. A opressão contra minorias afeta as oportunidades individuais e tende a desencadear conflitos e instabilidades de ordem política e social. Na economia, Alesina e La Ferrara são dois grandes nomes que procuraram entender a influência da diversidade. Em um artigo, argumentaram que países mais diversos são mais propensos a apresentar piores gestões políticas e maiores desafios econômicos (“Ethnic Diversity and Economic Perfomance”, 2005). A literatura acadêmica destaca que a variabilidade de preferências dificulta a tomada de decisões. Países menos homogêneos podem ter o domínio de um grupo populacional sobre os demais. Aqueles que detêm poder fazem regras que os beneficiam. O altruísmo e a benevolência apresentam dificuldades para romper linhas étnicas. Assim, a provisão eficiente de bens públicos e políticas sociais voltadas para o desenvolvimento dos grupos marginalizados fica comprometida. Alesina, Baqir ...

Leia mais
Comércio fechado no centro do Rio de Janeiro, após medidas de restrição de circulação Foto: Gabriel de Paiva / Agência O Globo

Em carta, economistas e empresários pedem medidas efetivas para combater a Covid e falam em lockdown nacional

Economistas, ex-ministros, banqueiros e empresários divulgaram neste domingo (21) um manifesto em que pedem ao poder público medidas mais eficazes de combate à pandemia do coronavírus. A carta, que recebeu mais de 500 assinaturas e deve ser encaminhada a representantes dos três Poderes, cita, como medidas urgentes, acelerar o ritmo da vacinação contra Covid-19, distribuir máscaras gratuitamente e orientar sua utilização. Também pede que sejam implementadas medidas de distanciamento social e que seja criada uma instância nacional de coordenação das medidas. O conteúdo da carta foi antecipado pelo colunista do GLOBO Merval Pereira. Assinam o manifesto, entre outras pessoas, os ex-ministros da Fazenda Marcílio Marques Moreira, Pedro Malan, Maílson da Nóbrega e Rubens Ricupero; os ex-presidentes do Banco Central Affonso Celso Pastore, Arminio Fraga, Gustavo Loyola, Ilan Goldfajn e Pérsio Arida; e os ex-presidentes do BNDES Edmar Bacha e Eleazar de Carvalho. Também endossam o documento o presidente do Credit ...

Leia mais
Diego Reis, CEO do Banco Afro | Divulgação/Imagem retirada do site o Globo

Banco Afro atinge 30 mil clientes com salto após declaração de sócia do Nubank

O Banco Afro, fintech de impacto social voltada para o público negro, cresceu de mil para 30 mil o número de contas cadastradas em apenas quatro meses. O principal impulso veio da insatisfação de consumidores com declaração de sócia do Nubank. Em outubro, Cristina Junqueira, cofundadora da maior fintech brasileira, afirmou que tem dificuldades em contratar negros para posições de liderança por falta dos requisitos técnicos, acrescentando que o banco digital “não pode nivelar por baixo”. Cristina se desculpou pela declaração, que foi classificada de racista por movimentos sociais, mas o Nubank foi alvo de campanhas de boicote.  Com sede em Brasília, o Banco Afro surgiu em 2018 a partir do Grupo Afro Empreendedor, um coletivo de empresas, com o objetivo de ampliar a bancarização das classes C, D e E e fortalecer o chamado “black money”. A fintech oferece conta digital, crédito, microcrédito e meios de pagamento. A fintech, comandada ...

Leia mais
Foto: Ari Melo/ TV Gazeta

Extrema pobreza avança e atinge 14 milhões de famílias no Brasil

A quantidade de famílias na faixa de extrema pobreza no Brasil que se cadastraram no Cadastro Único (CadÚnico) ultrapassou a marca de 14 milhões, sendo o maior número desde o ano de 2014. De acordo com informações do Ministério da Cidadania, quase 40 milhões de indivíduos no país estão na miséria, que são famílias que possuem renda de até R$ 89 por pessoa. Já até o mês de outubro, 2,8 milhões de famílias ocupavam a faixa de pobreza, com renda entre R$ 90 e R$ 178 por morador. Até o mês de dezembro de 2018, o último do governo de Michel Temer, 12,7 milhões de famílias estavam cadastradas na faixa de extrema pobreza. Já sob a presidência de Jair Bolsonaro, a quantidade subiu em 1,3 milhão. Com o fim do auxílio emergencial e de outros programas colocados em ação por conta da pandemia do novo coronavírus, é esperado que os ...

Leia mais
Sérgio Lima/Poder360 – 3.set.2018

Veja tira-dúvidas sobre o 13º para quem teve jornada reduzida ou contrato suspenso

O governo divulgou uma nota técnica em que define que o 13º salário deve ser pago integralmente para quem teve a jornada de trabalho reduzida em função da pandemia. Segundo o documento, o benefício natalino deve ser calculado com base na remuneração integral do mês de dezembro, sem influência das reduções temporárias de jornada e salário. O pagamento integral vale mesmo que, em dezembro, o funcionário esteja recebendo remuneração menor em função da jornada reduzida. No caso dos contratos suspensos, o período em que o funcionário não trabalhou não será considerado para o cálculo do 13º, a não ser que ele tenha prestado serviço por mais de 15 dias no mês. Neste caso, o mês será considerado para o pagamento do benefício. As mesmas regras valem para as férias. Veja abaixo o tira-dúvidas com Eduardo Pragmácio Filho, advogado, professor e pesquisador do Grupo de Estudos em Direito Contemporâneo do Trabalho (Getrab-USP), ...

Leia mais
A influenciadora quer descomplicar economia e tornar o tema mais acessível Foto: Arquivo pessoal

Nath Finanças: Pequenas economias do dia a dia que fazem diferença no fim do mês

Esqueceu de descongelar a comida e ficou com vontade de comprar um lanchinho, não é mesmo? Ou uma pizza? Que tal? Eu sei, às vezes é mais fácil pedir um delivery do que cozinhar. E, nesses dias, parece impossível economizar. Ao tomar a decisão de viver com as finanças organizadas, é muito importante entender a sua real situação financeira e o quanto ela pode melhorar a cada mês. Se organizar em planilhas, caderno ou aplicativo é primordial! Principalmente, se você é o tipo de pessoa que gosta de se presentear e compra uma coisinha ou outra por impulso. É preciso saber o tamanho do impacto que isso causa no fim do mês. Além disso, é essencial conseguir avaliar suas despesas e entender onde é possível reduzir. Às vezes, estamos habituados a gastos que podem ser repensados. Separei algumas dicas para te ajudar a refletir sobre essas pequenas economias do dia a dia. Comida Vamos ...

Leia mais

Mídia e Marketing #49: Celso Athayde, CEO da Favela Holding

Celso Athayde, CEO da Favela Holding, é o entrevistado do podcast Mídia e Marketing, publicado hoje (18). Na entrevista, Celso fala sobre a real potência das favelas —e como as marcas podem aproveitar o potencial econômico destes territórios para ampliarem seus mercados. "A favela se vê como um espaço de potência. As grandes empresas precisam entender que as favelas não querem ser catequizadas. Elas precisam criar ações para estes territórios. É mais inteligente entender a realidade do que está perto de você", afirma (no arquivo acima, este trecho está a partir de 1:30). O executivo destaca que 13,6 milhões de pessoas moram em favelas no Brasil. Por isso, teve a ideia de criar, em 2015, a Favela Holding, que já possui mais de 20 empresas. Fazem parte da holding empresas como a FavelaLog, de logística e a agência de live marketing InFavela. No instituto de pesquisa DataFavela, Athayde trabalha ao ...

Leia mais
Imagem: Getty Images

Ausência de negros entre economistas afeta formulação de políticas públicas

“Referências de economistas negros/negras no Brasil?”, perguntou no Twitter o advogado Thiago Amparo. Com mais de 46 mil seguidores, o professor da FGV Direito e colunista da Folha recebeu apenas 14 respostas. O episódio é sintomático de uma realidade das ciências econômicas brasileiras: a baixa presença de pessoas negras numa área que ocupa a linha de frente na elaboração de políticas públicas no país. A fim de chamar atenção para a questão, foi criada em junho a REPP (Rede de Economistas Pretas e Pretos), que pretende ampliar o espaço desses especialistas no debate público de questões econômicas. O grupo reúne atualmente cerca de 30 economistas e estudantes de economia negros. Trata-se de uma rede de apoio mútuo e também de discussão para intervenção no debate público O problema da falta de representatividade de negros na economia, enquanto área do conhecimento, começa nos cursos de graduação. Levantamento feito pela Folha a ...

Leia mais
Desenvolvimento do capital humano aumentou a produtividade agregada e a eficiência econômica (Getty Images)

Como a ascensão de mulheres e negros impulsiona a economia

Estudos realizados por pesquisadores americanos e brasileiros mostram que, graças ao início de uma mudança comportamental da sociedade, pessoas negras e mulheres passaram a ocupar cargos mais qualificados, antes negados apenas pela cor da pele ou sexo. Essa nova ordem econômica e social, que surgiu com força no começo da década de 1950, nos EUA, fez com que o chamado capital humano se desenvolvesse. Isso aumentou a produtividade agregada e a eficiência econômica e também influenciou positivamente o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) dos dois países entre as décadas de 1960 e 2010. Talentos desperdiçados Uma mulher nascida nos anos 1960 e com aptidão para a Medicina teria mais dificuldades em se formar médica naquela época, por conta do preconceito e das barreiras de gênero. Assim como era improvável que um homem negro se tornasse um advogado reconhecido na sociedade na época, por mais talentoso que fosse. Esses empregos ...

Leia mais
Ilustração /Mike Alewitz

O nascimento da economia solidária mundial

Meados do ano de 2032. Algum lugar no Brasil, América Latina. “Participei do encontro dos 10 mil em Praga no ano 2020”, comentou Alf, naquele domingo em sua casa nos arredores de São Paulo, depois que me pediu sigilo total sobre sua identidade. – Ah! O famoso encontro em que vocês chegaram ao entendimento político acadêmico de que nem todos os setores numa economia deveriam se organizar como mercado? – perguntei. – É que a razão para isso tornou-se óbvia demais para ser manipulada. Era a única maneira da sociedade se autopreservar… E, por fim, no Encontro de Praga todos admitiram, enfim, que a sociedade civil poderia se orientar por um autêntico pluralismo de valores no tocante também à organização da vida econômica. – Em outras palavras, as pessoas estavam livres para agir não tendo como única fonte de paixão o interesse econômico. – Exato! Certos historiadores no final do ...

Leia mais
Foto: Michael Nagle/Bloomberg

Wall Street: o código racial de que ninguém fala

Aqui estão 13 regras não escritas sobre ser negro em Wall Street, de acordo com pessoas que passaram pela experiência: Nunca se esqueça: apesar de todas as promessas sobre diversidade, apenas cerca de 1% dos cargos de gerência sénior são ocupados por negros. Cuidado ao apontar este dado em ambientes de trading predominantemente brancos e principalmente masculinos. Acostume-se a ouvir falar na suposta falta de candidatos negros "qualificados". Um 4.0 em Harvard não é suficiente. Alguns executivos brancos de Wall Street pensam que os colegas negros são "contratados pela diversidade". Adote uma "voz branca". Espere ouvir reclamações sobre formações tendenciosas. Trabalhe horas extra para combater estereótipos sobre "ética no trabalho". Não peça tarefas diretamente; e espere perder algumas para colegas brancos menos qualificados. Dissimule a raiva ou frustração. Respeite o espaço pessoal dos colegas brancos. Não ria alto demais. Aja como se tudo isto fosse normal. Não fale sobre raça. ...

Leia mais
Xi Jinping (Foto: Wang Zhao/AFP/Getty Images)

China anuncia perdão de juros da dívida de alguns países africanos

“A China irá cancelar a dívida de países africanos relevantes sob a forma de empréstimos governamentais sem juros que vençam até final de 2020″, disse Xi Jinping. O anúncio foi feito pelo chefe de Estado chinês durante uma cimeira extraordinária China-África de solidariedade contra a pandemia de COVID-19, que decorreu ontem por videoconferência. “Para os países africanos mais duramente atingidos pelo coronavírus e sob forte pressão financeira, a China trabalhará com a comunidade internacional para lhes dar um maior apoio, através de medidas como o prolongamento do período de suspensão da dívida, a fim de os ajudar a superar as atuais dificuldades”, acrescentou o Presidente chinês. Xi Jinping encorajou, por isso, as instituições financeiras chinesas a responderem à iniciativa dos países do G20 para a Suspensão do Serviço da Dívida (DSSI) aos países em desenvolvimento e a promoverem “consultas com os países africanos para acordos de concessão de empréstimos comerciais ...

Leia mais
Manifestação a favor da democracia e contra o racismo na Avenida Paulista no domingo, 14 (Foto: Taba Benedicto/Estadão)

Racismo é um impedimento ao desenvolvimento econômico brasileiro

Durante muito tempo a “branquitude” – o privilégio que a sociedade colonial e europeia adquiriu e conservou no Brasil – reinou como se fosse verdade e realidade “natural”: inquestionável e, por isso, invisível. Foi assim que nos acostumamos a achar “normal” não encontrar negros e negras nos bancos das nossas melhores escolas, nas redações dos jornais, nos ambientes corporativos, na direção de instituições e até mesmo nas áreas de lazer dos bairros considerados mais nobres. Também defendemos uma suposta “meritocracia” sem atentarmos para os cortes de classe e raça que esse conceito traz; como falar em “mérito”, de uma forma geral, quando o ponto de largada é profundamente desigual? Nos habituamos, ainda, a chamar de “universal”, e sem pejas, uma história que é só europeia, e a uma arte que é eminentemente masculina e ocidental. Se a “nossa” arte e a “nossa” história carecem de adjetivação, já as demais precisam ...

Leia mais
Foto: REUTERS/Pilar Olivares

Pesquisa FGV: efeito econômico do coronavírus atinge mais da metade das famílias

A crise econômica da Covid-19, atrelada à instabilidade política, afetou 53,5% das famílias brasileiras através de ações como cortes de jornada de trabalho ou de remuneração. Na média dos setores de comércio, indústria, serviços e construção, quase 40% das empresas já anunciaram encerramento de contratos de trabalho. A pesquisa foi realizada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre FGV). A reportagem é do jornal Folha de S. Paulo. As demissões promovidas recentemente, além de outras medidas adotadas para conter os impactos da crise, atingiram principalmente as famílias consideradas mais pobres, com rendimentos de até R$ 2.100, sendo uma em cada cinco dessas famílias prejudicadas, aponta a pesquisa. Cerca de 45% das empresas do setor de construção, com mão de obra altamente intensiva, já adotaram alguma medida prejudicial ao trabalhador para tentar conter os impactos negativos da pandemia de coronavírus. Na média geral das faixas de remuneração, quase 13% ...

Leia mais
Gabriela Mendes Chaves: após trabalhar no mercado financeiro, a economista fundou uma escola para ensinar finanças (Foto: Imagem retirada do site Exame)

Economista ensina finanças com letra de rap dos Racionais MC’s

As letras de música dos Racionais MC’s serviram de inspiração para que a economista Gabriela Mendes Chaves desenvolvesse um método que ensina finanças pessoais baseadas na discografia do grupo. Com as letras de rap, ela ensina desde conceitos básicos de economia e até como as pessoas se relacionam com o dinheiro. O consumo e o endividamento são abordados em letras como “Vida Loka parte 2”, em que o rapper Mano Brown canta “na loja de tênis o olhar do parceiro feliz. De poder comprar o azul, o vermelho. O balcão, o espelho. O estoque, a modelo, não importa.” O rapper complementa ainda dizendo que “preto e dinheiro são palavras rivais.” Segundo Gabriela, neste momento, o grupo faz uma provação em relação à condição social da população negra do país. Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) comprovam que o rendimento médio dos negros (R$ 1.608) ainda é mais ...

Leia mais
Imagem: Otto Griebel, A Internacional (1929-30)

Faltam empregos, mas sobra cinismo

A intensidade dos problemas econômicos nos EUA, epicentro do capitalismo mundial, é um termômetro da gravidade da crise atual. O Fundo Monetário Internacional (FMI) calcula que a economia norte-americana irá apresentar retração em 5,9% no seu Produto Interno Bruto (PIB), o que é, possivelmente, inédito. Este resultado interrompe um ciclo de 10 anos de crescimento, iniciado em 2010, a partir da grande recessão mundial ocorrida no período 2007-2009. Período de crescimento considerado incomum, não só pela sua duração, como também pela taxa razoável de crescimento (2% ao ano, em média). A queda abrupta e profunda do PIB com a crise atual levou a um crescimento dramático do desemprego na maior economia do planeta. O país registrou em abril um índice de desemprego de 14,7%, o mais elevado em mais de 70 anos, desde que os registros começaram a ser realizados em 1948. O desemprego saltou de 3,5% em fevereiro, menor ...

Leia mais
Isabela dos Santos Silva, estudante de pedagogia Foto: Fabio Rossi / Agência O Globo

Geração perdida: Pandemia fará economia ter pior desempenho em 120 anos, com ameaça a futuro dos jovens

RIO - Décadas “perdidas” desperdiçam gerações, e os jovens brasileiros se veem espremidos entre a mais perdida delas e um futuro incógnito. É na década que termina este ano que o país estagnou e sofreu o maior recuo de renda de sua História. A retomada lenta após recessão profunda foi atropelada pela pandemia, selando um desastre econômico maior que o dos anos 1980 e que deixou um quarto dos jovens sem trabalho. Pela frente, especialistas preveem uma recuperação incerta sob a sombra do coronavírus, desemprego e desigualdade mais elevados e freio à mobilidade social. Um coquetel desalentador para a juventude mais preparada que o país já teve, sobretudo a mais pobre, e que atravessará a crise no auge do seu potencial. O PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro nesta década, entre 2011 e 2020, praticamente não cresceu. Deve fechar este ano com taxa média de 0,1% a 0,3%, dependendo do buraco ...

Leia mais
(Getty Images/)

Credores privados aceitam alívio da dívida de países mais pobres

"O Clube de Paris e o Instituto Financeiro Internacional (IFI) concordaram em colaborar no apoio à Iniciativa de Suspensão do Serviço da Dívida acordada entre o G20 e o Clube de Paris, apesar de notarem a complexidade de conseguir uma suspensão do serviço da dívida num prazo tão curto", dizem os credores numa nota hoje divulgada. No documento acrescenta-se que "os representantes do setor privado expressaram o forte apoio à iniciativa e estão empenhados em explorar a melhor maneira de participar nesta iniciativa, em termos comparáveis e mediante pedidos específicos dos países endividados". De acordo com uma nota colocada hoje no 'site' do IFI, o órgão que representa os credores privados a nível mundial, o anúncio surge depois de uma reunião com o Clube de Paris, organização que representa os principais credores bilaterais, ou seja, países e entidades financeiras internacionais como o Fundo Monetário Internacional ou o Banco Mundial. "Os ...

Leia mais
Página 1 de 3 1 2 3

Últimas Postagens

Artigos mais vistos (7dias)

No Content Available

Twitter

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist