Dilma recomenda Disque 100 para denunciar violência homofóbica

A presidenta Dilma Rousseff informou neste domingo (4) através de sua conta oficial no Twitter que o serviço Disque 100 pode ser usado para denunciar casos de violência envolvendo homofobia. O número de telefone é um canal disponibilizado pela Secretaria de Direitos Humados (SDH) para receber denúncias contra violações aos direitos humanos. O lembrete foi feito em referência à 18ª Parada do Orgulho LGBT, realizada neste domingo, em São Paulo.

“Pessoas de todo o país estão hoje em São Paulo para participar da @paradalgbt. No ano passado, a @DHumanosBrasil lançou o Sistema Nacional LGBT, que articula politicas públicas em conjunto com estados, DF e municípios. O módulo LGBT do #Disque100 é hoje a principal ferramenta no combate à violência homofóbica. O serviço é gratuito, anônimo e funciona!”, escreveu a presidenta.

Lançado em junho do ano passado, o Sistema Nacional de Promoção de Direitos  e Enfrentamento à Violência contra Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (Sistema Nacional LGBT) funciona por meio de centros de promoção e defesa – com apoio psicológico, jurídico, entre outros tipos de suporte – e por meio de comitês de enfrentamento à discriminação e de combate à violência, com participação de atores sociais.

Em 2012, segundo o relatório divulgado pela Secretaria de Direitos Humanos (SDH), foram registradas 3.084 denúncias de violência contra homossexuais, bissexuais, travestis e transexuais; e mais de 9,9 mil violações de direitos relacionados à população LGBT. A estatística envolve 4,8 mil vítimas e 4,7 mil acusados. Esses números indicam aumento de denúncias e de vítimas envolvidas. O estudo ainda mostrou que houve uma mudança de perfil dos denunciantes, que antes era a sobretudo a própria vítima. Em 2012, constatou-se que 47,3% das denúncias foram feitas por desconhecidos.

Dos casos de violência, 71,3% são contra pessoas do sexo biológico masculino e 20,1%, feminino; 60,4% são gays; 37,5%, lésbicas; 1,4%, travestis; e 0,49%, transexuais. Esses dados são baseados na sistematização de informações colhidas pelos serviços Disque 100, da SDH, e Ligue 180, da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM), e pelo Sistema Único de Saúde (SUS), no atendimento médico às vítimas.

 

 

Fonte: Vermelho

+ sobre o tema

Mulher vítima de machismo no trabalho pode receber R$ 7 mil de indenização

Ex-empregada trabalhava em uma moenda de cana no Alto...

Como responder a uma notificação do Escola sem Partido

Segundo advogados consultados por NOVA ESCOLA, documentos contra suposta...

Nome quente no cinema nacional, a portuguesa Isabél Zuaa viverá Lilith

Enquanto termina de gravar novo longa, atriz conta como...

Homem transgênero ganha filha; gravidez foi descoberta no meio da transformação

O islandês Henry Steinn, de 19 anos, estava prestes...

para lembrar

Festival Latinidades: racismo persiste no Brasil, reforçam ativistas

Mesmo com a conquista de direitos civis, o racismo...

A professora transexual que trocou indenização de R$ 20 mil pela chance de dar aula a seus agressores

A professora de matemática transexual Natalha Claudinei Silva Nascimento...

De que adianta a Lei do Ventre Livre se a mãe está em situação de escravidão

Então, com esse questionamento inicio o meu texto para...

Obrigada, querida, Perolina Lyra, pelo presente que se transformou em um grande quilombo de ideias.

Recebi de presente um livro preto:  As Mulheres Abayomis ,...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=