Patricia Collins convoca mulheres negras a se engajarem contra o racismo

A socióloga norte-americana, feminista, professora da Universidade de Maryland, Patricia Hill Collins, convocou as mulheres negras a não se acomodarem e a se engajarem contra o racismo e a discriminação ainda presentes em diversas esferas da sociedade. “Nós que acreditamos na liberdade não podemos descansar”, repetiu diversas vezes hoje (24) durante conferência no Festival Latinidades 2014: Griôs da Diáspora Negra.

Mariana Tokarnia – Repórter da Agência Brasil – Fotos: Valter Campanato

“Precisamos ver com que tipo de racismo, classismo e sexismo estamos lidando e como ele continua a reproduzir todo tipo de desigualdade”, disse Patricia. Segundo ela, nos Estados Unidos, onde racismo era latente com a separação em guetos, a luta nos anos 1950, 1960 e 1970 foi por conquistas de direitos. “A solução parecia ser não excluir, integrar. Mas, ao fazer isso, há a impressão, quando vemos negros no poder, de que as ações foram bem-sucedidas e que essas pessoas nos representam”.

Ontem (23), também durante o festival, Patricia disse a jornalistas que ter um presidente negro no poder, Barack Obama, não resolveu a questão do racismo no país. “Eu suspeito e sei que nos Estados Unidos as pessoas acham que a situação dos negros está melhor porque temos um presidente negro. Temos imagens, temos a mídia dizendo que as coisas estão melhores, mas talvez elas não estejam”, ponderou.

Nesta quinta-feira, diante de uma audiência majoritariamente formada por mulheres negras, a socióloga convocou as jovens a se engajarem de diversas maneiras, seja em movimentos sociais, seja academicamente ou mesmo no dia a dia, em um ativismo presente nas ações do cotidiano.

Patricia apresentou uma série de pensadoras feministas negras dos Estados Unidos, como Angela Davis, filósofa e ativista do movimento negro, presente na plateia. Em seguida, perguntou quantas jovens estavam estudando. Cerca da metade do auditório ergueu as mãos. Patricia fez então um convite a que concluam os estudos, produzam e repassem o conhecimento adquirido.

“Os movimentos brasileiros estão no centro do furacão e têm uma visão distinta do furacão global. Não podemos ser imperialistas e dizer que temos um movimento negro nos Estados Unidos que tem que ser imitado aqui. O Brasil tem movimento para inspirar os norte-americanos e que podem nos fazer lembrar o que fomos antigamente e o que podemos voltar a ser”, acrescentou Patricia.

O Festival Latinidades 2014: Griôs da Diáspora Negra vai até o dia 28 de julho, em Brasília. Na programação estão conferências, debates, feiras, saraus e shows, além de outras atividades. A programação completa pode ser acessada no site do evento, no endereço www.latinidades.com.

924682-latinidades-9217
Platéia acompanha a conferência Nós que Acreditamos na Liberdade não Podemos Descansar: Lições do Feminismo Negro, na programação do Festival Latinidades Valter Campanato/Agência Brasil

 

Fonte: Agência Brasil

+ sobre o tema

A maior dor do mundo

"Ela chega sozinha. Diante de um balcão, uma mulher...

5 Mitos sobre Aborto

Para cada assunto tratado há vários mitos. Já falei...

Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é doutora em Educação pela Universidade de...

Preconceito, assédio e aborto: patinadora encarou todo mundo e foi campeã

Ela é conhecida como a rebelde da patinação artística...

para lembrar

Thorning-Schmidt é nomeada primeira-ministra da Dinamarca

A líder dos social-democratas dinamarqueses, Helle Thorning-Schmidt, foi oficialmente...

Feminicídio: 74% das mulheres mortas no RJ eram mães, aponta pesquisa

Um levantamento feito pelo Núcleo de Pesquisa de Gênero,...

Piauí é o 2º no número de denúncias de violência contra a mulher no país

Foram registrados pelo menos 44 ligações a cada 100...

Seis em 100 mulheres do país enfrentavam extrema pobreza em 2022

As mulheres vivendo na extrema pobreza, ou seja, com...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=