Pensamento sobre relações de gênero é valorizado em escolas e universidades brasileiras

Fonte: Notícias do UNIFEM Brasil e Cone Sul –

Brasília (Brasil) – A quarta edição do Prêmio Construindo a Igualdade de Gênero foi entregue em Brasília, no final de junho, durante a abertura do II Encontro Nacional de Núcleos e Grupos de Pesquisa – Pensando Gênero e Ciências, realizada em Brasília. O Prêmio, criado para incentivar a reflexão sobre as relações de gênero no país, é uma iniciativa da SPM (Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres), MEC (Ministério da Educação), do CNPq/MCT (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e do UNIFEM Brasil e Cone Sul.

“O Programa Mulher e Ciência, que permite a realização do Prêmio, é uma vitória do ponto de vista da construção da chamada transversalidade de gênero no âmbito do Governo Federal”, disse a ministra Nilcéa Freire, da SPM (Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres).

O grande destaque desta edição do Prêmio foi o aumento em 301% nas redações recebidas na categoria de Ensino Médio, e de 56% nos trabalhos da categoria de Estudante de Graduação e Graduados, em relação à terceira edição. No total, o prêmio recebeu 3.002 trabalhos, representando um aumento global de 247% com relação à edição anterior.

“É uma imensa satisfação constatar o sucesso da parceria que o CNPq estabeleceu com a SPM e demais instituições, que se reflete neste prêmio, e que também se amplia para outras ações. Isto mostra que a Agência entende que a resistência em relação ao gênero é uma barreira que precisa ser vencida”, afirmou Marco Antonio Zago, presidente do CNPq.

 

Participaram da abertura do II Encontro Nacional de Núcleos e Grupos de Pesquisa o presidente do CNPq, Marco Antonio Zago, a ministra Nilcéa Freire, o presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), Marcio Pochmann, o secretário de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (SECAD/MEC), André Lázaro, a coordenadora do Programa de Igualdade de Gênero, Raça e Etnia do Ministério do Desenvolvimento Agrário, Andréa Butto, o diretor de avaliação da CAPES, Lívio Amaral, e a vice-diretora do UNIFEM Brasil e Cone Sul, Júnia Puglia.

+ sobre o tema

Anistia Internacional: Feliciano é ‘inaceitáve

Entidade publicou nota em que manifesta preocupação com a...

Conheça e acesse o relatório final da Comissão Nacional da Verdade

Repressão policial nos tempos da ditadura. O relatório final da...

Tragédia em Brumadinho revela omissão do Brasil com direitos humanos em empresas

Ruptura de barragem, trabalho escravo e adoecimento eram sintomas...

para lembrar

MP abre concurso para 184 cargos de servidor

Fonte:Bem Paraná -   Estão sendo oferecidas vagas...

“Nossos médicos não são bons clínicos e se baseiam só em exames”, diz doutor em Saúde

Eles defendem a vinda de médicos estrangeiros para os...

Mulheres são as maiores vítimas da pandemia no mercado de trabalho

Em termos gerais, toda a população sofre com as...

Como é ser a única pessoa negra no ambiente de trabalho

Por Heloisa Aun e Jéssica Lima Do Catraca Livre ...
spot_imgspot_img

Curso introdutório de roteiro para documentário abre inscrição

Geledés Instituto da Mulher Negra está promovendo formações totalmente online para jovens negres em todo o Brasil. Com um total de 6 formações independentes...

Desenrola para MEI e micro e pequenas empresas começa nesta segunda

Os bancos começam a oferecer, a partir desta segunda-feira (13), uma alternativa para renegociação de dívidas bancárias de Microempreendedores Individuais (MEI) e micro e...

“Geledés é uma entidade comprometida com a transformação social”, diz embaixador do Brasil no Quênia

Em parceria com a Embaixada do Brasil no Quênia, Geledés - Instituto da Mulher Negra promoveu nesta sexta-feira 10, o evento “Emancipação Econômica da...
-+=