Personalidades africanas criticam retirada dos EUA do acordo climático

“As pessoas irão começar a olhar para a China como aliado na mitigação dos efeitos” das mudanças climáticas, disse o queniano Isaac Kalua.

Do VOA Português

Políticos e activistas africanos condenam a decisão do presidente Donald Trump de retirar os Estados Unidos do acordo climático de Paris, particularmente porque a medida terá impacto sobre os mais desfavorecidos.

“Os Estados Unidos abdicam da sua liderança numa questão de grande importância global”, escreveu no Twitter o presidente do Gana, John Dramani Mahama.

“Sacrificar o interesse global para favorecer uma limitada a limitada base política doméstica corrói a liderança dos EUA do mundo,” acrescentou Mahama.

A retirada dos Estados Unidos do acordo climático está em linha com as promessas eleitorais de Trump, e tem o apoio de um grupo de republicanos e forte oposição dos democratas.

Entre outros argumentos, Trump disse que o acordo não trazia benefícios para os Estados Unidos, e manifestou a disponibilidade de renegociar um que seja favorável aos interesses americanos.

A possibilidade de renegociação do acordo foi de imediato rejeitada por três grandes potencias mundiais, nomeadamente Alemanha, França e Itália.

Issac Kalua, funcionário do governo queniano e responsável por uma instituição de gestão de água, disse que agora “as pessoas irão começar a olhar para a China como aliado na mitigação dos efeitos” das mudanças climáticas.

Kalua, que é igualmente fundador da organização ambiental Green Africa, recordou que os Estados Unidos são o segundo maior poluidor mundial (15%) a seguir a China (25%).

Ao anunciar a retirada, Trump deu uma indicação clara de que os Estados Unidos deixariam de imediato de contribuir para o Fundo Verde das Nações Unidas.

O chefe de políticas no escritório sul africano do Fundo Mundial para a Natureza, Saliem Fakir, lamenta o facto e adverte que terá implicações na mitigação do efeito das mudanças climáticas.

“O Fundo Verde é importante para apoiar as actividades de adaptação às mudanças climáticas em África e sem essa mitigação a pobreza vai aumentar”, disse Fakir.

+ sobre o tema

Jovem da Cidade de Deus é eleita ring girl do Jungle Fight

No próximo sábado, a Cidade de Deus irá receber,...

Piedad Córdoba presentó demanda de nulidad ante Consejo de Estado

COLPRENSA Piedad Córdoba, exsenadora.   Compartir1 En la...

Tiger Woods

Eldrick Tont Woods (Cypress, 30 de dezembro de 1975), mais conhecido como Tiger Woods,...

para lembrar

B.B. King: rei do Blues ganha exposição imperdível no MIS

Prepare seu coração! Uma exposição inédita dedicada ao Rei...

Morgan Freeman defende casamento gay em peça na Broadway

O ator Morgan Freeman vai defender a legalização do...

No centro de São Paulo surge uma pequena África

Bairro do centro de São Paulo se torna reduto...

Cubana Mireya Luis participa do Sesc Verão 2024

Começa neste sábado (6), a versão 2024 do projeto...
spot_imgspot_img

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Estou aposentada, diz Rihanna em frase estampada na camiseta

"Estou aposentada", é a frase estampada na camiseta azul que Rihanna, 36, vestia na última quinta-feira (6), em Nova York. Pode ter sido uma brincadeira, mas...
-+=