Pesquisa mostra que 24% das escolas públicas não discutem o racismo

Sonora: “Acabar com o racismo é importante porque, tipo, o celular de alguém caiu, aí o homem negro vai entregar para a moça e aí vai pensar que é ladrão porque pegou o celular dela só porque é negro. Por causa do racismo.”

Por Juliana Cézar Nunes Do EBC

Créditos: iStock / michaeljung

Júlia Ester Sousa da Silva é uma menina negra de nove anos que mora na Vila Planalto, em Brasília. Ela aprendeu sobre identidade negra e racismo dentro de casa. A irmã mais velha, Mara Karina, de 32 anos, segue os ensinamentos do avô e ensina paraJúlia o que a escola ainda não consegue.

Sonora: “A gente trabalha essa questão racial com a Júlia a partir da valorização mesmo da beleza dela, da beleza negra, do cabelo dela, dela compreender que as pessoas precisam respeitar ela.”

Uma pesquisa do Ceert, Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades, mostra que 24% das escolas públicas do Brasil ainda não discutem o racismo. Isso mesmo com uma lei que desde 2003 obriga o ensino das culturas afro e indígena nas escolas.

Um dos grandes desafios que os pesquisadores identificaram é a educação infantil. A professora Débora Tatiana de Morais enfrenta esse desafio há nove anos em uma escola pública do Distrito Federal. Ela acredita que o fundamental é preparar as professoras para o trabalho de conscientização.

Sonora: “É preciso que os profissionais de educação tenham essa qualificação. Entenderem como é que o racismo se apresenta, como que ele se manifesta para depois a gente pensar no combate a ele. Se a gente não conseguir nem reconhecer o racismo, é difícil combatê-lo uma vez que a gente não sabe que ele está ali.”

A ONU, Organização das Nações Unidas, estabeleceu o dia 21 de março como o Dia Internacional contra a Discriminação Racial. Nesta mesma data, em 1960, vinte mil pessoas protestavam o apartheid na África do Sul. Sessenta e nove pessoas morreram e 180 ficaram feridas.

Neste ano, a morte da vereadora Marielle Franco, no Rio de Janeiro, é considerada por movimentos sociais, especialistas e autoridades internacionais um novo marco na luta contra o racismo. A parlamentar negra defendia os direitos humanos, combatendo o racismo, as desigualdades de gênero, a lesbofobia e a violência nas periferias e favelas.

+ sobre o tema

Racismo uma chaga que se perpetua

A perversidade do racismo No momento em que o...

Juiz há 19 anos, Nicolitt ainda teme ser alvo de racismo: ‘Isso não muda’

O juiz André Nicolitt, da comarca de São Gonçalo,...

Contra a Brutalidade Policial

Campanha Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será Morto Associação...

para lembrar

Ditaduras moleculares

Como a imagem num holograma, que tem a informação...

Por que razão o racismo ainda é uma questão europeia?

Nas últimas semanas, Lilian Thuram, futebolista campeão do mundo...

O Sagrado não visto no jejum presidencial

A sacralidade da vida nos atravessa. As celebrações públicas...
spot_imgspot_img

Nem a tragédia está imune ao racismo

Uma das marcas do Brasil já foi cantada de diferentes formas, mas ficou muito conhecida pelo verso de Jorge Ben: "um país tropical, abençoado...

Futuro está em construção no Rio Grande do Sul

Não é demais repetir nem insistir. A tragédia socioclimática que colapsou o Rio Grande do Sul é inédita em intensidade, tamanho, duração. Nunca, de...

Kelly Rowland abre motivo de discussão com segurança em Cannes: ‘Tenho limites’

Kelly Rowland falou à imprensa sobre a discussão que teve com uma segurança no tapete vermelho do Festival de Cannes durante essa semana. A cantora compartilhou seu...
-+=