Pintor é preso e autuado por injúria racial após ofender vizinhos no ES: ‘velho, preto, burro’, disse ele

Enviado por / FonteDo G1

Moradores do local querem uma providência. Eles já denunciaram o pintor e fizeram até um abaixo assinado para que o agressor saia do local.

Um pintor de 48 anos foi preso e autuado por injúria racial neste domingo (28) após ofender os vizinhos com xingamentos e palavras racistas em Marcílio de Noronha, Viana, na Região Metropolitana da Grande Vitória.

O caso teve início na manhã de domingo. Moradores da Rua Colatina registraram em vídeos algumas das ofensas feitas por Antônio Carlos Vieira de Araújo.

Nos registros, o homem não aparece, pois está dentro de casa. Mas, é possível ouvir o homem dizendo “velho, preto, burro”. Em outro momento, ele diz: “aleijado sem vergonha. Vai cuidar da sua nega, safado”.

Uma dona de casa, que prefere não se identificar, afirma que as ofensas são constantes e que a comunidade já não aguenta mais conviver com o criminoso.

“Começa 8h30 e vai até 16h e bem alto gritando na rua: nega, sua macaca, sua nojenta. Essas palavras que ofendem muito”, lamenta ela.

A Polícia Militar foi acionada e o pintor foi levado para a Delegacia. Segundo os vizinhos, durante as agressões verbais, o homem não parecia se preocupar em ser punido.

“Pode ir gravando. Me processa que eu vou falar na frente do juiz”, disse ele nas filmagens.

Ainda segundo a dona de casa, esta não é a primeira vez que moradores chamam a PM para conter o agressor. Afirmam que até medida protetiva eles já têm contra o vizinho.

“Entregamos medida protetiva e não acontece nada. Não acontece nada. E ele fica sendo o dono da rua, sempre acusando, praticando os mesmos atos e a gente fica atuado”, diz a mulher.

Na Delegacia Regional de Cariacica, o pintor Antônio conversou com a reportagem e disse que estava em casa tomando cerveja e conversando. Ele não disse com quem falava e também não explicou quem era a pessoa que ele se referia.

Além dos três moradores que foram à delegacia, vários outros da rua reclamam do vizinho. Eles, que não quiseram se identificar, afirmam que quase todo o fim de semana ouvem gritaria e xingamentos por parte do pintor.

Os militares que atenderam à ocorrência falaram que Antônio já esteve envolvido em outras ocorrências semelhantes. Os moradores da rua querem uma providência. Contam que já fizeram até abaixo assinado para que o pintor não more mais aqui.

“O que a gente quer é respeito, que ele não mexa com ninguém. Ele ficar no cantinho dele e nós ficarmos no nosso cantinho, tendo nossa liberdade.

O homem foi autuado por injúria racial e, como não pagou a fiança de R$ 1 mil estipulada pelo delegado de plantão, foi encaminhado ao Centro de Triagem de Viana.

Liberado após audiência de custódia

Após audiência de custódia, realizada na manhã desta segunda-feira (29), a juíza Raquel de Almeida Valinho substituiu a prisão preventiva de Antonio Carlos pelas seguintes medidas cautelares:

  • Proibição de sair da Comarca em que reside sem prévia autorização do Juiz natural da causa;
  • Comparecimento a todos os atos do processo, devendo manter endereço atualizado;
  • Proibição de frequentar bares, boates, prostíbulos e assemelhados;
  • Recolhimento domiciliar de 20h às 6h;
  • Comparecer em 20 dias a contar desta data ao juízo, com cópia de comprovante de residência, RG, CPF, CTPS e título de eleitor;
  • Proibição de manter qualquer tipo de contato com as vítimas.

Ele foi liberado sem necessidade de pagamento de fiança e, caso descumpra alguma das condições impostas na decisão, ele poderá ter decretada sua prisão preventiva.

+ sobre o tema

O futuro negro nas mãos de um Estado branco

"Mãe, o que eu fiz? O blindado me deu...

Francês Evra acusa uruguaio Suárez de racismo na Inglaterra

Lateral do Manchester United diz que o avançado do...

Passageiros e motoristas relatam casos de racismo em aplicativos de transporte

Usuários negros dizem ter sido recusados por motoristas; empresas...

Polícia Militar de SP bate recorde de mortes na década

PMs responsáveis por patrulhar a capital mataram 36 pessoas...

para lembrar

O que leva um branco a se dizer negro?

Essa é a pergunta que os Estados Unidos tentam...

Diretora de abrigo para imigrantes causa indignação com e-mails racistas

Berlim rescinde contrato com operadora de lar para migrantes,...

Zulu Araújo – O galã do preconceito

Primeiro domingo de setembro, ano 2011, século XXI, após...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=