Plataforma UNA é criada para incentivar políticas contra desigualdade de gênero

A plataforma UNA já conta com 417 iniciativas, em diversas áreas, de empoderamento feminino e contra desigualdade de gênero

Do FolhaPE

Plataforma UNA Foto: Reprodução/Folha Pe

A desigualdade de gênero no Brasil é real e contrastante em relação ao restante do mundo. De acordo com o Fórum Econômico Mundial, seriam necessários mais 100 anos para acabar com essas diferenças no ritmo atual de combatividade. Para acelerar esse processo, foi lançada, neste sábado (15), a plataforma UNA, uma rede digital e colaborativa para unir empresas que realizam projetos sobre o empoderamento feminino.

O projeto foi apresentado em conjunto entre a ONU Mulheres e a Womanity Foundation. A plataforma UNA se trata de um mapa online estratégico e interativo que une todos os projetos de empoderamento feminino. Atualmente, a plataforma conta com 417 iniciativasenglobando diversas áreas e agrupadas em 17 grandes temas.

Dentre os temas estão: Arte e Cultura, Ciência e Tecnologia, Democracia e Participação Política, Educação e Formação, Empoderamento Econômico, Enfrentamento à Violência, Equidade e Condições de Trabalho, Esportes, Direitos dos povos indígenas, População LGBT, Masculinidades, Meio Ambiente, Segurança Alimentar e Agricultura, Mídia e Comunicação, Direito à Moradia, Igualdade Racial, Paz e Segurança Pública e Saúde e Bem-Estar.

Durante o evento, organizado pela WomenWhoCode, várias participantes relataram casos de desigualdade e machismo sofridos nos ambientes de trabalho, família e universidades.

“A plataforma abraça questões de empoderamento feminino nos diversos setores e isso traz mudanças não só para as organizações, mas para a maneira das próprias pessoas atuarem, se posicionarem nesse contexto”, relatou a professora da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e participante da organização internacional sem fins lucrativos, WomanWhoCode, Andreza Leite.

Só no estado de Pernambuco, A UNA interliga 31 organizações e iniciativas. A representante da ONU Mulher, Fernanda Papa enfatizou a prioridade na ação. “Nós queremos uma sociedade igualitária em que as mulheres tenham os mesmo direitos e oportunidades dos homens e a plataforma UNA dá visibilidade a uma série de projetos e iniciativas que estejam fazendo isso.”

DIACONIA
A Diaconia trabalha para a efetivação de políticas públicas de promoção e defesa de direitos, priorizando populações de baixa renda, para a transformação da sociedade. Estrategicamente, atua com segurança alimentar nutricional e hídrica, meio ambiente e clima e defesa de direitos de crianças, adolescentes e juventudes e justiça de gênero.

MMTR-NE
O Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste nasceu da luta histórica das trabalhadoras rurais para garantir seus direitos e reconhecimento como sujeito político. Atuando nos nove estados do Nordeste, as próprias trabalhadoras rurais são as dirigentes da organização e gestoras dos projetos. O MMTR-NE defende um projeto feminista, agroecologista e anti-racista de sociedade, tendo como missão construir relações justas e igualitárias entre mulheres e homens no Nordeste brasileiro.

SALADORAMA
O Saladorama é o primeiro negócio social do Brasil com a missão de democratizar o acesso a alimentação saudável e de qualidade, por meio do empoderamento nutricional e econômico de mulheres periféricas.

+ sobre o tema

Como é namorar alguém que é assexual?

Sophie e George são jovens, apaixonados e…assexuais. Mas um...

O restaurante nudista em Londres com lista de espera de 37 mil pessoas

Nesse novo restaurante em Londres, você tem de deixar...

Sobre o funk carioca e a cultura do estupro

Boa parte do funk é, sim, expressão do horror...

Como Hollywood está explorando o feminismo para vender ingressos (e por que ela está fazendo isso errado)

Filmes recentes tentam inserir personagens femininas aleatoriamente e falham...

para lembrar

Governo entrega proposta para regulamentar emenda de domésticas

Proposta do governo estende a domésticas direitos previstos na...

Gabriela Leite:”Prostituta é mulher e não tem doença só da cintura para baixo”

Gabriela Leite: Não aceitaremos financiamento do Ministério da...

O mundo está contra nós, as que lutamos pela tal liberdade

Nós, mulheres feministas, lutamos para que todas as...
spot_imgspot_img

Mulheres recebem 19,4% a menos que homens no setor privado, diz relatório divulgado pelo governo

As mulheres recebem 19,4% a menos do que os homens nas maiores empresas do país, segundo o 1º Relatório de Transparência Salarial divulgado nesta...

Mulheres sofrem mais microagressões no ambiente de trabalho e têm aposentadorias menores

As desigualdades no mercado de trabalho evidenciam que as empresas têm um grande desafio pela frente relacionado à equidade de gênero. Um estudo recente da McKinsey...

Sem desigualdade de gênero, mundo poderia ter PIB ao menos 20% maior, diz Banco Mundial

O Produto Interno Bruto (PIB) global poderia aumentar em mais de 20% com políticas públicas que removessem as dificuldades impostas às mulheres no mercado...
-+=