PNDH3: Lula quer encerrar crise em torno do plano de direitos humanos

 

BRASÍLIA – O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, que na semana passada afirmou que o novo Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH) provoca ” uma insegurança jurídica ” no campo, não será chamado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para debater o assunto. Segundo um ministro que integra o núcleo decisório do governo, as declarações de Stephanes ” foram periféricas e não fazem parte do centro da polêmica ” .

A intenção do presidente Lula é convocar, ainda nesta semana, os ministros da Defesa, Nelson Jobim, e da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Paulo Vannuchi, para encontrar um caminho que encerre a crise gerada pelo decreto da Comissão da Verdade. Stephanes manifestou-se após a descoberta de que o decreto envolve assuntos diversos, desde Direitos Humanos até o debate sobre legalização do aborto.

Não está descartada a convocação também do ministro da Justiça, Tarso Genro – alinhado politicamente às posições defendidas por Vannuchi -, e do advogado-geral da União, Luís Inácio Adams. Segundo relato de um ministro ouvido pelo Valor, Lula vai conversar ao mesmo tempo com Jobim e Vannuchi. ” O tempo das conversas em separado já passou, elas já ocorreram e a crise não diminuiu em nada ” , afirmou o auxiliar do presidente.

Assim que a polêmica começou, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, ameaçou entregar o seu cargo caso o decreto não fosse revisto. Ele seria acompanhado pelos comandantes das Três Forças Armadas – Marinha, Exército e Aeronáutica. Já Vannuchi, em entrevista à ” Folha de S. Paulo ” no domingo, afirmou que é um ” fusível removível ” e que sua eventual saída do Executivo não prejudicaria nem o governo nem o país.

Lula mencionou o assunto rapidamente durante a primeira reunião da coordenação política de 2010. Mas avisou que não trataria da questão porque nenhum dos dois ministros estava presente – nem Jobim nem Vannuchi fazem parte do núcleo decisório do Executivo. Para que o assunto fosse colocado oficialmente como tema do encontro, ambos deviam ser convocados para a reunião.

Segundo um ministro, o grande mérito do novo decreto é que ele condensou, juridicamente, os pontos levantados a partir da Conferência Nacional de Direitos Humanos. ” Ele teve o mérito de reunir demandas da sociedade civil organizada ” , disse um ministro próximo do presidente.

Ontem, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) divulgou nota de apoio ao Plano Nacional de Direitos Humanos do governo federal, principalmente no que diz respeito à criação da Comissão da Verdade. Já a seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil criticou o plano, sob o argumento de que, embora positivo em determinados pontos, cria insegurança jurídica.

Leia o Progama de Direitos Humanos na integra

Programa Nacional de Direitos Humanos – PNDH-3 – DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009

Fonte: Globo

+ sobre o tema

‘Viagra feminino’: veja 7 perguntas sobre o remédio aprovado nos EUA

Venda de flibanserin foi autorizada nos Estados Unidos nesta...

Navi Pillay pede que Estados incluam direitos humanos na Rio+20

    Como as negociações sobre o resultado da Conferência das...

A voz dos que não têm voz

Secretário Geral da ONU deve apontar um Representante Especial...

Inscrições para 8,1 mil vagas no começo da semana

Pelo menos oito órgãos abrem inscrições na segunda-feira...

para lembrar

ONU aprova resolução sobre a violação de direitos humanos de homossexuais

Conselho de Direitos Humanos aprova Resolução sobre a violação...

Violência contra os indígenas é um problema ético

“Vivemos um problema ético no Brasil, porque o não...

Obama e Dilma assinam acordos tratando de apoio a negros brasileiros

Obama e Dilma assinam acordos contemplando negros brasileiros Por Ivair Alves...
spot_imgspot_img

Evento do G20 debate intolerância às religiões de matriz africana

Apesar de o livre exercício de cultos religiosos e a liberdade de crença estarem garantidos pela Constituição brasileira, há um aumento relevante de ameaças...

Raça e gênero são abordados em documentos da Conferência de Bonn

A participação de Geledés - Instituto da Mulher Negra na Conferência de Bonn de 2024 (SB 60), que se encerrou na última quinta-feira 13,...

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...
-+=