A polêmica de Mack Beggs, transexual que se vê como homem, mas é invicto em torneios femininos de luta

Mack Beggs tem 17 anos e está em pleno processo de transição para o sexo masculino, mas ainda não pode lutar como tal.

Da BBC

É que, oficialmente, o Estado do Texas, nos Estados Unidos, ainda enxerga Beggs como uma mulher.

Entre aplausos e vaias, venceu no último sábado a lutadora Chelsea Sánchez, na categoria de 50 quilos de luta livre, em um dos torneios mais dramáticos e polêmicos da história da luta escolar dos Estados Unidos.

Ninguém foi páreo para Beggs, que ganhou o principal troféu na categoria no torneio estadual. A vitória gerou críticas, mas nem Beggs, nem os adversários queriam estar ali.

As regras da University Interscholastic League (UIL, na sigla em inglês), órgão que regula competições de escolas públicas no Texas, não deixaram escolha. O regulamento estabelece que os lutadores devem competir de acordo com o sexo registrado no momento do nascimento.

Apesar dos protestos e pedidos lançados no início do mês, por conta dos riscos à saúde das meninas que enfrentariam Beggs, um exceção à regra não foi autorizada.

“Ela está ali de cabeça em pé como se fosse a vencedora”, disse Patti Overstreet, mãe de um dos participantes da categoria masculina, ao jornal The Washington Post. “Ela não venceu. Ela trapaceou.”

Beggs disputa torneios em categorias femininas, apesar de estar em transição para o sexo masculino

Testosterona

O que era para ser um simples torneio regional acabou ganhando atenção nacional e internacional graças à presença de Beggs, que teve que permanecer a maior parte do tempo distante dos demais participantes no ginásio onde ocorreram as lutas, na cidade de Houston.

Depois das tentativas frustradas de evitar sua participação, houve uma onda de renúncias de lutadoras frente à enorme chance de o título ir parar nas mãos de Beggs.

Uma das razões que justificavam esta expectativa era seu currículo de 52 vitórias em 52 lutas. Mas o assunto mais citado era a transformação de seu corpo por suplementos de testosterona, que começou a tomar há dois anos.

Em meio à polêmica, a UIL manteve o regulamento e obrigou Beggs a participar entre as mulheres. O órgão permitiu o uso de uma substância proibida entre atletas por ter sido receitada “por motivos médicos válidos”.

Apesar disso, a UIL reconheceu em um comunicado que o artigo sobre o gênero de nascimento poderá ser modificado no futuro.

Se não houver mudança, o mais provável é que a polêmica continue, já que Beggs ainda precisa participar de torneios em nível escolar para saltar para as competições universitárias, onde poderá competir de igual para igual contra outros homens.

Leia Também:

Um dilema chamado Caster Semenya

+ sobre o tema

Jandira Feghali: Lei Maria da Penha está fazendo revolução social; 300 mil mulheres salvas

300 MIL MULHERES SALVAS PELA LEI MARIA DA PENHA da assessoria...

BA registra mais de 23,4 mil casos de violência contra a mulher no primeiro semestre de 2017

Dados foram divulgados nesta quinta-feira (3) pela Secretaria de...

Candidato a vereador em Natal ameaça feministas em sua campanha

O candidato a vereador Jaufran Siqueira, do Partido da...

para lembrar

Uma a cada quatro mulheres vítimas de tiro morrem em casa

Taxa é quase o triplo da registrada entre homens,...

Políticas de promoção da igualdade racial – 1986 a 2010 de autoria de Matilde Ribeiro

A editora Garamond lançou no dia 01/12/2014 o livro...

Atenta aos sinais por Flávia Oliveira

Vibro com datas que trazem reflexões sobre temas, pessoas,...

Uma decisão exemplar da justiça em caso de calúnias e ódio homofóbico

2ª Vara Federal de Natal condenou Márcio Damasceno a...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=