Travesti é jogada de viaduto após ser agredida por homens

De acordo com dados da Transgender Europe em 2015, o Brasil é o país que mais mata travestis e transexuais. Neste domingo, ocorreu um novo caso de preconceito em Fortaleza, no Ceará. A travesti Hérika Izidoro foi espancada por diversos homens e depois jogada de um viaduto.

Do Catraca Livre 

Segundo o Tribuna do Ceará, o crime aconteceu enquanto ela estava trabalhando. Na manhã de segunda-feira, a travesti foi encontrada com o braço fraturado, exposição de massa encefálica e traumatismo craniano.

Ao ser socorrida, foi encaminhada ao Instituto Doutor José Frota, onde ainda está internada em estado grave. A reportagem do programa Barra Pesada, da TV Jangadeiro/SBT, entrevistou a presidente da Associação de Travestis do Ceará, que desabafou sobre o caso e pediu leis contra a homofobia e transfobia.

Veja abaixo:

+ sobre o tema

Arthur, transexual de 13 anos: “Acham que só quero chamar atenção”

Mesmo enfrentando preconceito e incompreensão fora de casa, o...

O discurso da tolerância como domesticação

Apenas uma sociedade profundamente intolerante pode invocar a necessidade...

Sem alarde nem preconceito Vigor aborda homossexualidade em anúncio para Facebook

Pode até ser que abordar homossexualidade em 2014 já...

Expulso de casa por ser gay, jovem divulga vídeo de briga com os pais

Pais evocam argumentos bíblicos para dizer que filho gay...

para lembrar

Na mesma cela, 99 homens e 3 mulheres

Confinada com 99 homens num presídio em Pernambuco, Fernanda...

Vereadora sofre transfobia: “É roubar nossa dignidade não usar nome social”

Após ser vítima de transfobia, Benny Briolly (PSOL-RJ) conseguiu...

Seria o machismo o patrimônio da Universidade Federal do Paraná?

Marcha das Vadias de Curitiba/PR em 2014. Foto de...

Abel Neto relata que é vítima de ofensas racistas em estádios brasileiros

Com a presença da atleta transgênero Isabelle Neris, jogadora...
spot_imgspot_img

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

STF permite reconhecer ofensa contra LGBTQIA+ como injúria racial

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por 9 votos a 1, nesta segunda-feira (21) permitir o reconhecimento de atos de homofobia e transfobia como crime...

Rio tem novo centro de acolhimento LGBT+ e de combate à violência

Foi inaugurado nesta quinta-feira (3), no Rio de Janeiro, o Centro de Acolhimento e Promoção do Combate à Violência LGBTIfóbica. A iniciativa oferece serviços jurídicos...
-+=