‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

Se Jesus estivesse vivo, bateria com seu cajado nos falsos profetas do Congresso

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo “Não é Não” (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres em espaços públicos. Por óbvio, não se trata de um tema menor. Quase 51 mil mulheres sofreram violência diariamente em 2022. Espancamento; ameaça com faca ou arma de fogo; ofensa sexual; chute; perseguição; insulto: todas estas formas de violência cresceram em 2023. Os dados são da pesquisa “Visível e Invisível: A Vitimização de Mulheres no Brasil” (Datafolha/FBSP, 2023).

De quais mulheres se está falando? A pesquisa revelou que mulheres pretas (48%), com até ensino fundamental (49%) com filhos (44,4%), divorciadas (65,3%), e entre 25 a 34 anos (48,9%) são as que mais sofrem violência. Não há como negar, ademais, que no país campeão em transfobia trans e travestis são vítimas recorrentes. Às vésperas do Natal, uma mulher cisgênera foi confundida com uma mulher trans e levou socos em um banheiro em Recife. Não é um caso isolado. Antra mapeou, em 2022, 44 projetos de lei de proibição de uso de banheiros por pessoas trans no país.

Por trás da iniciativa do “Não é Não”, no entanto, há jabutis retrógrados que devem ser combatidos. A lei sancionada —que se aplica “a ambiente de casas noturnas e de boates, em espetáculos musicais realizados em locais fechados e em shows, com venda de bebida alcoólica”— exclui expressamente de sua aplicação “cultos” e outros eventos religiosos, sem justificar o porquê. Como fez bem em vetar a proibição de recursos a iniciativas LGBTQIA+ na Lei de Diretrizes Orçamentárias, Lula deveria ter vetado este dispositivo.

Chega a ser hipócrita que defensores da religião cujo líder esbraveja contra a violência contra mulheres defendam que igrejas sejam espaços onde o assédio reste permitido. Legalmente, não se pode estabelecer espaços privados onde ilegalidades sejam permitidas. Se Jesus estivesse vivo, bateria com seu cajado nos falsos profetas do Congresso.

+ sobre o tema

Iza faz show em live para anunciar gravidez: ‘Parece que o mundo já mudou de cor’

A cantora Iza está grávida de seu primeiro filho....

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

para lembrar

Internautas relatam abusos após jornalista denunciar a violência obstétrica no Brasil

Matéria “Na hora de fazer não gritou”, da jornalista...

Mulher Com os Olhos Perfurados Pelo Ex-Marido: “Viverei na Escuridão”

'Vou viver na escuridão', lamenta mulher que teve olhos...

Taxa de feminicídios no Brasil é quinta maior do mundo

Lançadas nesta semana, diretrizes nacionais sobre feminicídio querem acabar...
spot_imgspot_img

Comitê irá monitorar políticas contra violências a pessoas LGBTQIA+

O Brasil tem, a partir desta sexta-feira (5), um Comitê de Monitoramento da Estratégia Nacional de Enfrentamento à Violência contra Pessoas LGBTQIA+, sigla para...

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...
-+=