Brasil registrou 3,4 milhões de possíveis violações de direitos humanos em 2023, diz relatório da Anistia Internacional

Enviado por / FonteG1, por Mateus Rodrigues

Números da Ouvidoria do Ministério dos Direitos Humanos constam em relatório global e indicam aumento de 40%. Violência, impunidade e desigualdade persistem, diz material.

Um relatório global divulgado nesta quarta-feira (24) pela Anistia Internacional, com dados de 156 países, revela que o Brasil registrou mais de 3,4 milhões de possíveis violações de direitos humanos em 2023.

O número considera os registros da Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos, do governo federal, e indica uma alta de 41% em relação às denúncias registradas em 2022.

No relatório “O estado dos direitos humanos no mundo”, publicado pela Anistia Internacional a cada ano, a entidade afirma que o Brasil “continua a ter um dos maiores níveis de desigualdade do mundo” – o que, segundo eles, afeta principalmente negros, mulheres e pessoas trans.

O relatório tem mais de 400 páginas, e a situação brasileira é descrita em cinco delas. O texto reúne dados gerais e faz menção a episódios específicos, como:

  • os atos golpistas na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, em 8 de janeiro de 2023;
  • os seis dias de operação policial na Favela da Maré, no Rio de Janeiro, que deixaram 120 mil moradores sem acesso a aulas, eletricidade e atendimento médico, por exemplo;
  • as mortes, provocadas por policiais, de crianças e adolescentes como Thiago Menezes (13 anos), Eloah Passos (5 anos) e Heloísa Santos (3 anos);
  • a impunidade em casos como o Massacre de Curió, no Ceará, em 2015, e o caso Marielle – em que os supostos mandantes só foram presos no mês passado, seis anos após o crime.

Ainda de acordo com o material:

  • pelo menos 394 pessoas foram assassinadas por policiais em operações no Rio de Janeiro, em São Paulo e na Bahia;
  • pelo menos três ativistas de direitos humanos foram mortos por mês, no Brasil, entre 2020 e 2023 – o dado é da ONG Justiça Global;
  • de janeiro a outubro de 2023, a Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos registrou 3.873 possíveis violações contra pessoas trans – mais que os 3.309 registrados em todo o ano de 2022;
  • pelo menos 19 mulheres morreram em circunstâncias de abortos não seguros – a interrupção provocada da gravidez é crime no Brasil, salvo para algumas exceções.

+ sobre o tema

NOTA DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SOBRE O ASSASSINATO DO MENINO JUAN MORAES

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS NOTA PÚBLICA...

Vacina contra gripe é liberada para toda população acima de 6 meses a partir de segunda (15)

A partir da próxima segunda-feira (15), a vacinação contra a...

Margarida Genevois recebe homenagem em Prêmio de Direitos Humanos da da OAB-SP

Discurso de Margarida Genevois, presidente de honra da Comissão...

para lembrar

“Estamos prontos pra morrer”, respondem indígenas à nova reintegração de posse

Segundo informações da Polícia Federal, a reintegração poderá acontecer...

Projeto de mediação de conflitos da ONU será implantado em três cidades brasileiras

Fonte:Direitos Humanos     Rio de Janeiro - A Organização das Nações...

Professora da PUC aceita convite para Direitos Humanos de Temer

Procuradora e professora de direito constitucional e direitos humanos...

Dicionário Michaelis muda definição de casamento após pressão online

De "União legítima entre homem e mulher" para "Ato...
spot_imgspot_img

Governo define nova data para o ‘Enem dos concursos’; CNU será em 18 de agosto

O Ministério da Gestão divulgou, nesta quinta-feira (23), a nova data para o Concurso Público Nacional Unificado (CPNU), que ficou conhecido como "Enem dos concursos"....

Anemia falciforme: 1º paciente no mundo inicia terapia genética contra a doença

Na quarta-feira, Kendric Cromer, um menino de 12 anos de um subúrbio de Washington, tornou-se a primeira pessoa no mundo com doença falciforme a...

‘Geração ansiosa’: transtornos mentais em crianças que vivem grudadas no celular aumentam no mundo todo

Veja o vídeo da matéria Crianças e adolescentes do mundo todo estão em perigo. É o que diz o livro “A geração ansiosa”, do psicólogo...
-+=