Polícia dispersa protesto contra a Vale em Moçambique

Policiais dispersaram nesta quarta-feira um protesto de moradores reassentados para a instalação de uma mina de carvão da Vale em Moçambique, no sudeste da África. Os manifestantes bloqueavam desde a tarde de terça-feira a ferrovia pela qual a empresa escoa sua produção.

Ativistas disseram à BBC Brasil que os manifestantes “fugiram para as matas” quando policiais usaram gás lacrimogêneo e balas de borracha para liberar a linha férrea.

O grupo era formado por oleiros (produtores de tijolos de cerâmica) que dizem não ter recebido toda a indenização que haviam acordado com a empresa em razão do realojamento.

Desde 2011, a Vale opera no distrito de Moatize, na província moçambicana do Tete (noroeste do país), a maior mina de carvão a céu aberto do mundo. A empresa diz que já pagou a indenização e que desenvolve na região ações “para incrementar a produção e renda no nível microempresarial que permitirão a integração dos oleiros nessas atividades”.

Balas de borracha

Segundo a Ação Acadêmica para o Desenvolvimento das Comunidas Rurais (Adecru), movimento que apoia a manifestação, cerca de 500 pessoas – em sua maioria jovens oleiros – participavam do protesto quando, por volta das 17h locais (13h de Brasília), 40 policiais usaram gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersá-las.

“Eles fugiram para as matas e temos informações de que há feridos”, afirmou à BBC Brasil Adriano Vicente, gestor de programas da Adecru.

Jeremias Vunjanhe, da organização Justiça Ambiental, que também apoia os manifestantes, diz que alguns moradores que fugiram durante a operação ainda não foram localizados por familiares.

O governo moçambicano não se pronunciou sobre a intervenção.

Vicente diz que, desde o início da operação da mina da Vale, centenas de famílias de oleiros desalojadas perderam “o único meio de vivência que tinham”.

As famílias, segundo ele, foram deslocadas para áreas onde o solo não permite a atividade oleira ou onde já existem outros produtores.

Para compensá-las pelo deslocamento, de acordo com Vicente, a Vale teria oferecido uma indenização de 120 mil meticais (cerca de R$ 8 mil) a cada família.

No entanto, ele diz que só 60 mil meticais (R$ 4 mil) foram pagos desde então.

‘Funcionários subalternos’

Já a Vale diz que a indenização total acordada era de 60 mil meticais, que foram pagos diretamente a 785 donos de olarias entre 2008 e 2012.

De acordo com Vicente, as famílias iniciaram o protesto após tentarem negociar na terça-feira com o diretor da Vale em Moçambique, Ricardo Saad.

Como não foram recebidas pelo diretor – que teria enviado “funcionários subalternos” para a reunião –, resolveram se manifestar, bloqueando a ferrovia pela qual a empresa escoa o carvão até o porto da Beira, no Oceano Índico.

O protesto começou às 17h locais de terça-feira. Na manhã desta quarta-feira, os manifestantes bloquearam também a via que os funcionários da Vale usam para acessar a mina.

Em janeiro do ano passado, mais de 700 famílias camponesas já haviam fechado a ferrovia, reclamando das condições das moradias e do solo das áreas para onde haviam sido deslocados.

O governo moçambicano, em resposta, enviou uma força policial especial para desbloquear a linha. Segundo ativistas, a unidade agiu com brutalidade.

A Vale não se pronunciou sobre a intervenção policial nesta quarta-feira. Em nota divulgada antes do ocorrido, a companhia diz ter “profundo respeito ao direito que o cidadão tem de se manifestar pacificamente, da mesma forma que apela ao direito de acesso de milhares de trabalhadores aos seus locais de trabalho”.

 

Fonte: BBC Brasil

+ sobre o tema

UA recompensa cientistas africanos

A União Africana (UA) identificou cinco cientistas africanos para...

A literatura engajada do Nobel de Literatura Wole Soyinka

Por: Nahima Maciel Wole Soyinka foi o primeiro e único...

Negros estrangeiros buscam Mama África paulistana

Segundo relatório da Polícia Federal de dezembro de 2013,...

para lembrar

‘Ela só queria nos humilhar’ conta estudantes africanos sobre racismo da polícia em Porto Alegre

Samir Oliveira Quando vieram ao Brasil em busca de aperfeiçoamento...

Medo do Ebola jogou 2 jovens africanos nas ruas de SP

Justiça negou acolhimento em abrigo e meninos foram colocados...

Curso Negro: Movimentos de libertação na África

De segunda-feira a sexta-feira  (18 a 22 de janeiro...

Sul-africana é a mulher mais flexível do mundo

Fonte: G1, e, São Paulo -   Desde...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...

Com verba cortada, universidades federais não pagarão neste mês bolsas e auxílio que sustenta alunos pobres

Diferentes universidades federais têm anunciado nos últimos dias que, após os cortes realizados pelo governo federal na última sexta-feira, não terão dinheiro para pagar...
-+=