Polícia indicia rapaz por racismo, injúria e ameaça que agrediram fotógrafa negra

A Delegacia Especializada de Defesa da Mulher de Várzea Grande indiciou Rafael André Janini nos crimes de injúria qualificada, racismo e ameaça, no casoenvolvendo a fotografa, Mirian Rosa, 32 anos. O inquérito policial foi concluído no dia 20 de junho e encaminhado ao Fórum de Cuiabá.

Por Bárbara Sá Do RD News

Rafael André Janini é indiciado pelos crimes de injúria qualificada, racismo e ameaça. Ele enviou áudios ofensivos para a fotografa, Mirian Rosa em maio Foto: Reprodução/RD News

Rafael André Janini é o autor dos áudios enviados à vítima no dia 01 de maio, com uma série de xingamentos em razão da cor/raça de Mirian. No inquérito, a Polícia Civil concluiu que as ofensas ocorreram em Cuiabá, por isso foi enviado ao Fórum da comarca de Cuiabá.

Quando interrogado na Delegacia, no dia 7 de maio, o suspeito tentou relativizar seus atos, afirmando que teria agido para se defender após se envolver em discussão com a vítima em um grupo de rede social (whatsapp).

Apesar do “forte conteúdo” ofensivo dos áudios, Rafael afirmou não ser racista, que se declara negro (assim como sua família) e que por isso “não teria como ser racista”.

O interrogado será indiciado pelo crime de racismo em razão de ter ofendido – além de pessoa determinada (Mirian) – toda uma coletividade de afrodescentes ao afirmar, entre outras coisas, que “crioulo não serve para nada”, que é “saco de carvão, saco de lixo”, “tem que apanhar no tronco”, entre outros insultos.

Além de racismo, Rafael também foi indiciado por injúria qualificada, por ter ofendido a honra, a dignidade e o decoro da vítima (Mirian) e ameaça.

O crime

As mensagens ofensivas foram postadas por amigos da fotógrafa no dia 1 de maio, no Facebook. O post tem uma montagem com foto de um homem, supostamente autor do áudio, e de Mirian. Além do preconceito de raça, o agressor também liga a situação de pobreza à escravidão. Na legenda do post do áudio em seu perfil, a fotógrafa diz que não conhece o autor das ofensas e que recebeu a mensagem de uma amiga.

“Mirian, eu quero saber se você tem dono ou não. Porque é o seguinte, eu fui no mercado escravo no Porto e não achei nenhuma escrava com o seu valor. Qual é o seu valor? Eu quero comprar uma escrava, uma mucama para ser cozinheira, faxineira. Eu gosto de ver a criolada trabalhando pra mim. A única coisa que criolo sente na vida é ele no tronco e o chicote nas costas. Você pode tacar fogo, dar tiro, pode fazer o que quiser que ele não sente nada disso”.

O autor do áudio também faz referência à situação socioeconômica da fotógrafa e diz que a vítima faz não pertenceria a um provável “mundo” do agressor, pois “preto não é gente”. “Eu quero saber em que mundo você vive e desde quando preto é gente. Eu vou falar pra você quem é você na fila do açougue. E vou dizer pra você: pobre não tem lugar, por isso você nem entra na fila do açougue”.

A mensagem provocou revolta de pessoas no Facebook. Em apenas um post, o arquivo tinha mais de 300 compartilhamentos, com reação de 300 usuários da rede social. No perfil da fotógrafa, o post foi visto mais de 16 mil vezes. (Com Assessoria)

+ sobre o tema

Juan se entristece com racismo em Roma: “não tem o que falar”

    O meio-campista Hernanes marcou o gol...

Alemanha:Âncoras Negros no Noticiário

A Alemanha não conta com âncoras negros no noticiário,...

Escritório de advocacia no Rio de Janeiro luta contra o racismo no meio jurídico

Angela Borges Kimbangu é advogada e tem mais de...

Elza Soares sobre festa da diretora da Vogue: “escravizar, nem de brincadeira”

A compositora Elza Soares fez um post no seu Instagram oficial...

para lembrar

Dúvidas sobre a prisão da jovem negra no Ceará

A repercussão ganha a forma de show, e com...

‘Investir em potencial de liderança negra é fortalecer gerações seguintes’

"Eu vejo a minha própria trajetória nas histórias das...

Racismo em português: o lado esquecido do colonialismo

Racismo em português: o lado esquecido do colonialismo Um livro...

Teatro da Uerj amanhece pichado com inscrições racistas

RIO - Os muros do Teatro  da Uerj...
spot_imgspot_img

SC tem alta de 51% nos casos de injúria racial e lidera denúncias do crime no país

Em Santa Catarina, seis pessoas procuraram a polícia por dia, em média, para denunciar casos de injúria racial em 2023. No ano passado, 2.280 pessoas sofreram ofensas...

O destino dos negros

A semana em que o Estatuto da Igualdade Racial (lei 12.288/2010) completou 14 anos foi repleta de notícias que atestam o quanto o Brasil está longe...

Roda de samba no Centro do Rio registra dupla imitando macacos em evento: ‘não será tolerado’

O PedeTeresa, roda de samba que acontece na Praça Tiradentes, no Centro do Rio, compartilhou um vídeo de uma dupla imitando macacos em um...
-+=