Guest Post »
A política do comum contra a pobreza da politica

A política do comum contra a pobreza da politica

O que se anuncia para 2018 é a disputa por projetos medíocres. É preciso pensar uma modernidade brasileira que anteveja uma era pós-neoliberal

Por Rosana Pinheiro-Machado , da Carta Capital 

É brilhante que existam ocupações de moradia e de escolas. É absurdo um país que criminaliza esses sujeitos

No pós-impeachment, em sintonia com o resto do mundo, avançamos rápido numa guerra à coletividade. É urgente construir um projeto radical de nação que resgate os sentidos do “comum”. Saídas a curto e médio prazo para a crise já existem em disputa, mas ainda estamos muito longe de avistar no horizonte uma mudança que reconstrua futuros possíveis – futuros agregadores, futuros autônomos, futuros soberanos.

As eleições de 2018 se aproximam e o leque disponível é trágico: o jogo das articulações da pequena grande política, algumas propostas divergentes no âmbito político-econômico, mas nada muito fora da curva do que o mundo assistiu após Bretton-Woods, Reagan e Thatcher, tampouco além das alternativas reformistas sociais propostas pelo Banco Mundial.

A miséria política, à direita e à esquerda, é estar presa, de um lado, à maquina eleitoral, aos cargos, às disputas entre correntes; e, de outro, a um modelo econômico hegemônico. O modelo de conciliação lulista já mostrou que os importantes avanços conquistados apontam limites estruturais quando não rompem com a lógica do capital. Como bem colocou Paulo Arantes, a tentativa de apaziguar a tese a e antítese fracassou.

Em pleno momento de ousar novos projetos, o que se anuncia para 2018 é meramente a briga pelo pleito eleitoral em uma disputa por projetos medíocres e pouco radicais. O mais do mesmo: escolheremos entre as reformas neoliberais das elites ou uma nova tentativa de conciliação com as elites, com reformas neoliberais menos aceleradas e uma aposta no desenvolvimentismo.

Cada um, a sua maneira, possui uma fé inabalável no crescimento econômico. Somos convencidos que não há nada muito além dessa falsa polarização. Afinal, crescimento econômico se tornou um regime de verdade no século XXI e as discussões contemporâneas sobre decrescimento ou pós-crescimento, por exemplo, passam muito longe da pequena grande política brasileira – esta tão afeiçoada a empreiteiras. O mito do progresso do século XIX, reinventado por Henry Trumam em 1949 com o nome de “desenvolvimento”, é constantemente atualizado por aqui.

A pobreza política é a sua incapacidade transcender o nó górdio da pequena grande política, sua falta de ambição, mas principalmente sua falta de uma política de imaginaçãocosmopolita no sentido mais amplo da palavra; qual seja, aquele que atenta para alternativas ao modelo hegemônico que estão pulsando por todos os lados do País e do planeta, seja no âmbito prático ou teórico.

E, com todas essas peças, é preciso criativamente recompor uma modernidade brasileira que possa ir além do que as recomendações técnicas do Banco Mundial, bem como superar o modelo engessado e tortuoso de políticas públicas milionárias, as quais muitas vezes (quando não na maioria) são corruptas e ineficazes, construídas por tecnocratas desconectados da base social.

Um projeto de esquerda baseado em uma política da imaginação se pergunta, primeiramente, quem somos enquanto nação/comunidade imaginada. Os problemas começam quando simplesmente presumimos como dado adquirido que sabemos a resposta e, portanto, não rompemos os clichés dos programas eleitorais cheios imagens da diversidade, que mostram a penúria ou o sorriso largo nas cidades modernas, nas favelas, no sertão. Um projeto de nação descolonizada não é uma bricolagem de imagens estereotipadas, mas uma reflexão e, sobretudo, uma aposta profunda na da potência revolucionária das raízes populares.

Arturo Escobar, Aihwa Ong, Paul Gilroy, entre outros, são alguns dos intelectuais que, há algum tempo, têm se debruçado sobre os processos de reconstruções de modernidades (plurais e híbridas) no lugar da teleologia da modernidade (singular) ocidental. Pensar uma modernidade brasileira não é o resgate de estereótipos nacionalistas saturados, mas a capacidade de antever uma era pós-neoliberal que possa recuperar a criatividade popular e o saber tradicional para solucionar problemas históricos. Afinal, é notório que todas as comunidades têm a solução para seus problemas, bastaria perguntá-las (e efetivamente escutar suas respostas).

Imaginação, teoria e ideias importam, mas em conexão com a prática. A modernidade híbrida para a América Latina numa era do pós-desenvolvimento, por exemplo, é imaginada por Arturo Escobar a partir de seu ativismo junto a comunidades nativas, bem como de sua interlocução com Alberto Acosta, um dos idealizadores do Bom Viver – uma ontologia, garantida na constituição equatoriana, baseada na perspectiva de vida das comunidades indígenas sul-americanas.

O Bom Viver é um dos exemplos mais bem-acabados sobre o que Brasil não tem: um projeto que coloque o marginal-coletivo no centro da perspectiva. Ainda que existam críticas relevantes à efetividade da experiencia equatoriana, eu não a descartaria o que ela pode nos inspirar e ensinar.

Imaginar um projeto de nação comum não é reinventar a roda, tampouco ignorar todas as alternativas que já estão em curso. Uma política da imaginação não significa postergar nossos sonhos, mas trazer para o centro de nosso campo de visão e projeção as múltiplas formas através das quais grupos diversos reinventam os sentidos do bem comum, os sentidos do coletivo. Como coloca Richard Day, trata-se justamente de romper com a distância que nos separa de nosso desejo por equidade social, de cruzar a linha da fantasia que nunca se realiza da emancipação que nunca chega.

O que difere a perspectiva anarquista de Day da perspectiva deste artigo é o escopo, pois entendo que há a necessidade de um projeto de esquerda abrangente que possa reinventar um país em frangalhos, conferindo-lhe novos sentidos e laços de pertencimento.

Existem, pelo menos, três setores através dos quais o coletivo tem resistido historicamente. São esses setores que precisam estar no centro de qualquer projeto de esquerda que descriminalize, assegure e multiplique as formas de vida e as ocupações do espaço que atuam pelo principio do comum.

O primeiro setor são as comunidades indígenas e quilombolas, que, com legitimação do Estado, são constantemente assediados pelas forças predatórias do capital em sua insaciável e violenta necessidade de expropriação. Não há como imaginar um projeto de esquerda sem levar em conta esses grupos que, mesmo usurpados, projetem seus conhecimentos tradicionais, repassando-os para enfatizar a cosmologia do bem-comum.

O segundo setor são as ocupações secundaristas e de moradia, que, igualmente em sua diversidade, são exemplos concretos da resistência à racionalidade neoliberal e da reconstrução das formas de vida coletivas. São movimentos que atuam no limite da vulnerabilidade dos corpos. São esses corpos em condições precárias que resistem para manter o coletivo vivo, lutando permanentemente contra a ganância individual, o machismo, o racismo e o autoritarismo.

É brilhante que existam ocupações de moradia e de escolas por todos os lados, bem como que os próprios sujeitos encontrem a solução para os seus problemas e fazem isso de forma não individualista, mas engajados com o bem comum. É absurdo um país que criminaliza esses sujeitos que estão remediando os problemas que o Estado doente criou.

Terceiro, a informalidade urbana – quase metade da população brasileira: uma massa muito mais difusa, menos organizada e que mantém uma relação ambígua com o capital e com o coletivo. O Brasil é um país cujos governos à direita e à esquerda (com raras exceções municipais) marginalizaram, criminalizaram e desumanizaram sua própria força de trabalho.

Por outro lado, intelectuais liberais norte-americanos já entenderam que, na economia informal urbana dos países em desenvolvimento, reside a vanguarda da inovação e da criatividade. Como disse Tatiana Roque recentemente, enquanto a esquerda se recusa a discutir certos temas, a direita vai lá e faz a seu modo.

A esquerda vai deixar o mercado capitalizar a informalidade? Ou seremos capazes de pensar alternativas que incentivem e deem dignidade às economias das trocas coletivas que não totalmente se alinham à lógica do capital?

Nos trilhas deixadas pelas feministas Gibson-Grahan, em The End of Capitalism, esses três setores são esferas em que a economia do capitalismo hegemônico tem sido desconstruída, alargando o imaginário econômico e cultivando a produção de novos sujeitos. A esquerda precisa impregnar-se desses que já elaboram novas formas de vida.

A nossa carência é efetivamente ter o comum na dianteira da política, da cosmovisão, da imagem que projetamos de nós mesmos. Um projeto de nação não é visitar aldeias, ocupações e camelódromos, roubar ideias, fazer promessas e oferecer soluções parciais para manter o apoio da base.

Isso é a pequena política que, aliás, atua de forma parecida com o mercado. Reinventar a modernidade brasileira e romper com a pobreza da política é mais profundo, mas ao mesmo tempo mais simples que isso: é lutar para garantir os direitos das comunidades para que elas possam ser um lugar onde os sujeitos queiram permanecer. É fazer com que o povo – e suas soluções coletivas e criativas – seja a própria imagem que o Brasil faz de si mesmo enquanto nação descolonizada e soberana.

Escreva um comentário e participe!

Related posts