O caminho de volta

Recessão e decisões políticas que não priorizaram os pobres fizeram país retroceder duas décadas, com reedição da campanha da fome

Foto: Marta Azevedo

Por Flávia Oliveira Do O Globo

Numa alegoria macabra da crise nacional, o Brasil faz tristemente o caminho de volta em duas décadas e meia de avanço nas políticas de combate à pobreza, na semana em que se completam 20 anos da morte de Betinho. Herbert de Souza foi o ativista que, nos anos 1990, exortou o país a erradicar a fome e a miséria. Neste sábado, 12 de agosto, a Ação da Cidadania, ONG fundada pelo sociólogo, hoje sob o comando de Daniel de Souza, seu filho, ressuscita a campanha de arrecadação de alimentos para famílias vulneráveis. Por desnecessária, a iniciativa fora suspensa em 2005. Volta agora, na esteira da recessão e das decisões políticas que não priorizaram os mais pobres.

“No aniversário de morte de Betinho (9 de agosto), a força do seu chamamento por ética na política e cidadania plena nunca foi tão atual. O aprofundamento das desigualdades e o retorno da miséria extrema é o retrato de um Brasil que tínhamos a esperança de ter superado”, diz Átila Roque, parceiro de Betinho no Ibase, hoje diretor da Fundação Ford no país.

Faz três anos, a FAO, agência da ONU para alimentação, retirou o Brasil do mapa da fome. Desde então, o país retrocedeu. O Centro de Politicas Sociais da FGV) apurou crescimento da proporção de pobres de 8,4% para 11,2% no biênio 2015-16. A estimativa do economista Marcelo Neri — que retornou à Fundação há dois anos, após presidir o Ipea e comandar a Secretaria de Assuntos Estratégicos — é de que 5,9 milhões de brasileiros tenham cruzado de volta a linha da pobreza.

Na Ação da Cidadania, a luz amarela acendeu este ano pelos comitês mantidos em 17 estados e em 22 municípios fluminenses. No Rio, o cenário é agravado pela falência do governo estadual, que tem deixado servidores, aposentados e pensionistas sem renda. O desemprego é agudo e galopante. Ainda ontem, o Ministério do Trabalho informou que, em julho, o estado fechou 9.230 postos de trabalho, enquanto o saldo no país foi positivo em 35.900 e São Paulo gerou 21.805 vagas. “É com grande tristeza e uma enorme sensação de derrota que a gente volta a fazer arrecadação de alimentos. Embora não seja oficial a volta do Brasil ao Mapa da Fome, na prática, isso está acontecendo. É provável que, em outubro, reeditemos o Natal sem Fome”, informa Daniel de Souza.

Foi em abril de 1993 que Betinho lançou a Ação da Cidadania Contra a Fome, a Miséria e Pela Vida, um desdobramento da campanha Pela Ética na Política, deflagrada após o impeachment de Fernando Collor de Mello, lembra Roque. País afora, havia formação de comitês, arrecadação de alimentos e distribuição de cestas básicas. No fim daquele ano, o primeiro Natal Sem Fome entregou 580 toneladas de comida a 290 mil famílias.

A erradicação da miséria não saiu mais do radar da sociedade brasileira. Na virada do século, evoluiu para o conjunto de políticas sociais materializadas no Bolsa Família, programa de transferência de renda condicionada à frequência escolar e atenção à saúde. A extrema pobreza arrefeceu e, em uma década, a tecnologia social brasileira virou referência mundial, com acordos de cooperação técnica firmados com Chile, Peru, Uruguai, Egito, Benin, Gana, África do Sul, Angola, Nigéria, Itália e Estados Unidos, entre outros países.

Em 2014, no mais explícito Relatório de Desenvolvimento Humano já feito, o Pnud/ONU alertou para o risco de avanços obtidos com as Metas do Milênio sucumbirem às crises, das flutuações financeiras globais a catástrofes climáticas e fracassos locais. Os países – recomendou o documento assinado por dois ganhadores do Prêmio Nobel de Economia, Joseph Stiglitz e James Heckman – deveriam dedicar mais recursos a serviços públicos básicos, rede de proteção social e políticas de pleno emprego.

O Brasil falhou sob o comando de Dilma Rousseff, que pavimentou a deterioração das contas públicas. Erra no governo Michel Temer, um presidente impopular e afogado na instabilidade. Deu na crise social aguda, hoje evidente na reedição da campanha da fome. É a volta ao começo.

+ sobre o tema

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

para lembrar

Jair de Souza: Quando jovens se tornam reacionários

por Jair de Souza A gente sente que há uma...

Como a corrida mundial pelo processamento de dados pode ‘colonizar’ o Brasil e outros países?

A crescente diferença entre os países na capacidade de...

Sakamoto: Juíza quer censurar este blog por relatar decisão em caso de libertação de escravos

Estou sendo processado pela juíza Marli Lopes da Costa...

Haddad participa de entrevista com blogueiros ao vivo nesta segunda-feira

Entrevista estreia programa Contraponto, via webtv, às 19h, produzido...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança e ganham menos que os homens ao desempenhar a mesma função, apesar destes indicadores registrarem...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...
-+=