População alemã se engaja em movimentos contra o racismo no país

Ações são contra o preconceito contra muçulmanos e imigrantes no país.
O tabloide mais vendido no país também fez campanha contra o racismo.

 

Por Cecília Malan, do G1

O tablóide mais vendido na Alemanha, o Bild, chegou às bancas, nessa terça-feira (6), com uma campanha em repúdio à organização que prega o preconceito contra os muçulmanos e os imigrantes no país.

Pessoas importantes e formadoras de opinião se engajaram nesse movimento contra o racismo. Na segunda-feira (5), a cada protesto anti-islâmico do grupo de extrema direita, uma passeata paralela defendia os direitos dos imigrantes, das minorias e dos refugiados.

A famosa Catedral de Colônia entrou no debate e apagou as luzes em repúdio à discriminação e ao racismo. Em algumas cidades, como a capital Berlim, o número de pessoas favoráveis a uma sociedade aberta e democrática superava a quantidade de manifestantes mais radicais.
Porém em Dresden, 18 mil moradores protestaram contra a marca de 200 mil refugiados que a Alemanha acolheu em 2014.

+ sobre o tema

Brancos, vamos falar de cotas no serviço público?

Em junho expira o prazo da lei de cotas nos...

Em junho, Djavan fará sua estreia na Praia de Copacabana em show gratuito

O projeto TIM Music Rio, um dos mais conhecidos...

O precário e o próspero nas políticas sociais que alcançam a população negra

Começo a escrever enquanto espero o início do quarto...

Estado Brasileiro implementa políticas raciais há muito tempo

Neste momento, está em tramitação no Senado Federal o...

para lembrar

Alemães não podem virar as costas a passado nazista, diz Merkel

A Alemanha não pode simplesmente traçar uma linha sobre...

Alemanha prepara reconhecimento de genocídio africano que foi precursor do nazismo

Três décadas antes de a perseguição a judeus e...

Alemães pedem ordem de mérito a estudante morta após defender adolescentes

Alemães pedem ordem de mérito a estudante morta após...

Alemanha oferece bolsas de estudo para líderes brasileiros

São Paulo – A Fundação Alexander Humboldt está com...
spot_imgspot_img

“É mais difícil ser respeitada no Brasil”

Aos 42 anos - 11 deles vividos na Alemanha -, a advogada teuto-brasileira Delaine Kühn é a personificação do que os alemães chamam de...

Os 130 anos de uma família negra na Alemanha

O auditório está completamente lotado, quem não conseguiu assento apoia-se nas paredes ou na soleira da porta. O público absorve com atenção a história...

Um terço dos jovens na Alemanha acha que violência contra mulheres é “aceitável”, diz estudo

Um terço dos jovens na Alemanha considera aceitável o uso de violência contra as mulheres, de acordo com uma nova pesquisa que causou indignação entre ativistas...
-+=