Por 8 a 3, Supremo aprova a criminalização da LGBTfobia

Crimes de ódio contra a população LGBT serão punidos na forma do crime de racismo, cuja conduta é inafiançável e imprescritível

Por ALEXANDRE PUTTI, da Carta Capital 

(FOTO: ANTONIO CRUZ/ABR)9

 

A partir desta quinta-feira, 13, a LGBTfobia é crime no Brasil. Foi o que decidiu o plenário do Supremo Tribunal Federal, que declarou a omissão do Congresso em aprovar a matéria e determinou que o crime de racismo seja enquadrado nos casos de agressões contra o público LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis) até que a norma seja aprovada pelo Parlamento.

Foram julgadas duas ações: uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADO 26), enviada à Corte em 2013 pelo PPS (Partido Popular Socialista), e o Mandado de Injunção (MI 4733), que foi protocolado em 2012 pela Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transgêneros (ABGLT).

O julgamento começou em fevereiro e foi retomado nesta tarde com as manifestações da ministra Cármen Lúcia, que elogio o voto de seus colegas anteriores e já no início anunciou que votaria a favor do relator. “O Estado brasileiro, por onde anda? Cadê o Estado que é responsável por legislar?”, questionou a ministra.

Em seguida votou o ministro Ricardo Lewandowski, que foi o primeiro ministro a votar contra a entender que a Lei Antirracismo não se aplica a homofobia, por não abarcar “opção sexual”, mas reconheceu mora legislativa para dar ciência ao Congresso tomar providências. Marco Aurélio e o presidente da Corte, Dias Toffoli, também seguiram esse entendimento e votaram contra.

Depois votou Celso de Mello e Gilmar Mendes, que seguiram  a maioria e  classificaram a LGBTfobia como crime de racismo, encerrando a votação por 8votos a 3.

Agora é crime

A partir de agora, crimes de ódio contra a população LGBT serão punidos na forma do crime de racismo, cuja conduta é inafiançável e imprescritível. A pena varia entre um e cinco anos de reclusão, de acordo com a conduta.

A decisão vem gerando críticas no ponto que trata sobre as religiões. O Senado e a Câmara dos Deputados discutem criminalizar a LGBTfobia, mas com exceções para discurso religioso. As duas Casas deram andamento a projetos sobre o tema e, se aprovados, darão liberdade para religiosos atacarem pessoas LGBTs.

+ sobre o tema

Lei de combate à violência contra a mulher não impede crime

Apenas uma semana depois de ser solto, Jeffer Sandre...

“As mulheres criam os filhos como pequenos sultões”

A escritora de maior êxito na Turquia aproveita cada...

para lembrar

8 de março: O que esperar do orçamento e das políticas para as mulheres em 2010?

Neste 8 de março, aproveitamos para trazer às mulheres...

Deputado indiano pede desculpas após prometer estuprar mulheres

Um parlamentar indiano se desculpou após ter prometido matar...

Pesquisa confirma discriminação contra homossexuais nas escolas

Estudo realizado pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar),...

Mulheres que fazem seus países avançarem

São líderes defensoras dos direitos das mulheres e outros...
spot_imgspot_img

Mãe de Simone Biles ofereceu apoio crucial quando ela decidiu não competir em Tóquio: “Eu te amo e saiba que estamos rezando por você”

A Netflix lançou recentemente "Simone Biles Rising", uma série documental que oferece uma visão íntima da vida pessoal e profissional da ginasta Simone Biles...

Zezé Motta recebe Preta Gil, Sheron Menezzes e Aline Wirley no ‘Especial mulher negra’

Artista que acabou de completar 80 anos, Zezé Motta recebe Aline Wirley, Preta Gil e Sheron Menezzes no “Especial mulher negra”, que será exibido...

Julho das Pretas: ‘Temos ainda como horizonte sermos livres das amarras históricas’, diz ativista

No dia 25 de julho será celebrado o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha. E em alusão a data, o Julho das Pretas é realizado...
-+=