Por que a demissão de pesquisadora negra do Google se transformou em escândalo global

A pesquisadora do Google Timnit Gebru recebeu um email no início de dezembro, enquanto estava de férias. “Aceitamos sua demissão imediatamente, a partir de hoje”, escreveu-lhe uma vice-presidenta da empresa. O problema é que Gebru não havia pedido demissão, só tinha dito que faria isso no futuro se não fossem cumpridas certas condições. A decisão tinha sido provocada aparentemente por uma mensagem interna no qual criticou a censura a um artigo acadêmico. Ela foi imediatamente ao Twitter para contar: “Meu acesso à conta corporativa foi cortado. Fui demitida imediatamente”. “Eu me sinto mal por meus colegas, mas para mim é melhor conhecer a besta do que fingir”, acrescentou em outro tuíte.

Desde aquele dia, e até sexta-feira passada, 2.351 funcionários do Google e 3.729 acadêmicos do mundo todo assinaram uma carta em apoio a Gebru. O presidente-executivo do Google, Sundar Pichai, enviou um email a todos os funcionários, no qual afirmou querer recuperar a confiança de seus trabalhadores, mas sem pedir desculpas. A comunidade global de engenheiros e pesquisadores dedicados à inteligência artificial mantém desde então um debate sobre os limites da pesquisa financiada por grandes companhias e o papel do Google como empresa, que já tirou todas as suas máscaras após abandonar seu ingênuo slogan original, “não seja mau”.

Gebru é uma pesquisadora pioneira na área de ética em inteligência artificial (IA). Sua maior realização acadêmica foi um artigo de 2018 no qual, com outros coautores, descobriu que o reconhecimento facial se enganava apenas 1% das vezes ao detectar o gênero de homens brancos, mas 35% no caso de mulheres negras. Depois de chegar de Etiópia com 16 anos, ela se formou em Engenharia Elétrica na Universidade de Stanford e participou da criação do primeiro iPad na Apple. Depois passou pela Microsoft. Após seu doutorado em visão artificial com a célebre professora Fei Fei Li, chegou ao Google no fim de 2018.

Continue lendo aqui

+ sobre o tema

Brasil não avançou no enfrentamento concreto ao racismo, diz ativista

Os números não deixam espaço para dúvidas: entre as...

Governo inaugura em fevereiro primeira Casa da Mulher

A primeira Casa da Mulher Brasileira será implantada em...

18 Fotos históricas de lésbicas que marcaram gerações

Charlotte Cushman e Matilda Hays (1850). por Caroline Rodrigues É importante...

Luiza Bairros fica! Nota da SEPPIR sobre a matéria “Reforma ameaça ministras mulheres

Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade...

para lembrar

Feministas protestam em frente tribunal de Nova York contra Dominique Strauss-Kahn

Cartazes carregam a frase 'Nafissatou, acreditamos em você'   Vinte e...

Casos de estupro preocupam em Cascavel

Casos de estupro preocupam em Cascavel. A violência está...

Outdoor ambulante choca ao denunciar o tráfico de mulheres ao vivo

O tráfico de mulheres, vendidas como objeto sexual, é...

A coragem de Marielle e a importância do feminismo negro

No dia 14 de março de 2018, acompanhamos a...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=