Por que Muhammad Ali é um dos maiores do século

O lendário boxeador Muhammad Ali completa 73 anos neste sábado, 17. Comemoração dupla: além do aniversário, Ali acaba de receber alta do hospital. Foi sua segunda internação em um mês. Ele havia passado quatro semanas internado por suspeita de pneumonia – depois, foi diagnosticada uma grave infecção urinária.

Por  no Brasil Post 

Agora está estável. Felizmente, saiu do hospital a tempo de passar o aniversário com a família. “Ele está em casa descansando”, disse Bob Gunnell, seu porta-voz.

Ali se aposentou em 1981. Em 1984, foi diagnosticado com doença de Parkinson. Passou os últimos anos envolvido em projetos sociais e missões humanitárias. Hoje faz pouca aparições públicas.

O boxeador é uma das maiores lendas do boxe e símbolo na luta por direitos civis nos EUA. Saiba por que ele é uma das figuras mais emblemáticas do século 20:

Ele foi campeão mundial de peso-pesado com apenas 22 anos

Conhecido por sua ferocidade, o ex-presidiário Sonny Liston havia se tornado campeão em 1962. Cassius Clay, 22 anos, não se intimidou e lhe tomou o título mundial em 1964. Foram sete rounds e Clay venceu por nocaute técnico.

2 Ele era muito bom e sabia disso.

slide_396522_4869206_free

Modéstia não era o forte do campeão – mas quem precisa de modéstia quando se é Muhammad Ali? Antes da luta com Liston, ele gritou: “alguém vai morrer no ringue esta noite!”

3 Ele lutou pela liberdade religiosa

ali3

Em 1965, Cassius Clay seguiu os passos de Malcolm X e se converteu ao islamismo. Seu nome mudou para Muhammad Ali. E ai de quem não lhe chamasse pelo novo nome – ele comprou briga com quem o chamava de Cassius Clay – dizia que era seu “nome de escravo”. Ele não queria discussão sobre sua religião – queria respeito.

4 Ele falou isso

ali4

“Eu sou a América. Sou a parte que você não admite, mas acostume-se comigo. Negro, confiante, arrogante – é o meu nome e não o seu. É a minha religião e não a sua. São as minhas conquistas e não as suas. Acostumem-se comigo”, declarou Ali após (mais) uma vitória sobre um adversário que disse que faria uma ‘luta pelo cristianismo’.

5 Ele foi importantíssimo para o movimento negro

ali5

Na época, não era muito comum que os atletas tomassem posições políticas – mas o campeão de boxe foi exceção. Ele lutava pelos direitos civis dos negros e acompanhava de perto os líderes do movimento. Era amigo de Malcolm X.

6 Ele foi uma das principais vozes de oposição à Guerra do Vietnã

Em 1967, Ali se recusou a lutar na Guerra do Vietnã. Ao ser convocado, ele declarou: “Por que me pedem para vestir uma farda, viajar 10 mil quilômetros e matar vietcongues, se eles não fizeram nada de mal para mim?”

7 A recusa custou caro para sua carreira

ali7

Ali foi condenado a cinco anos de prisão e teve seu passaporte confiscado. Também perdeu sua licença para lutar e seu título mundial. Ali ficou proibido de lutar em uma idade chave para sua carreira: entre os 25 e os 28 anos.

8 Essa foto

ali8

Que foi capa da Esquire em 1968, período em que Ali estava proibido de lutar.

9 Mesmo assim, ele voltou com tudo

ali9

Sua primeira luta pós confisco foi em 1970. Em 1971, venceu Joe Frazier, que havia declarado que “teria ido ao Vietnã lutar se não fosse pai” e trocava farpas com ele (Ali dizia que Frazier era um ‘boneco’ do ‘sistema branco’). Aos 32 anos, mais lento, reconquistou o título mundial em uma luta sobre George Foreman. A disputa também teve um viés político: Ali era engajado, Foreman, até então, representava o ‘negro alienado’.

10 Ele foi eleito o esportista do século

ali10

Por ter sido tricampeão mundial e por sua trajetória esportiva e política, a revista Sports Illustrated o elegeu em 1999 o esportista do século.

+ sobre o tema

para lembrar

Fabrício Boliveira, Paulo Lins e Daiane Rosário abrem programação da Mostra Mahomed Bamba

A Mostra Itinerante de Cinemas Negros Mahomed Bamba realiza...

Ele foi um pai completamente normal’, diz filha de Michael

Na segunda-feira (8), foi ao ar nos Estados Unidos...

Conceição Evaristo recebe Medalha Pedro Ernesto na Câmara Municipal do Rio

A escritora mineira Conceição Evaristo (70) será homenageada pela...

Fundação de Michelle e Barack Obama anuncia bolsas e mentoria

A Obama Foundation, criada pelo ex-presidente norte-americano Barack Obama...
spot_imgspot_img

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...
-+=