‘Por que não quero ter relações sexuais com o homem que eu amo’

Acredita-se que cerca de 1% a 3% da população seja assexual, ou seja, não sinta nenhuma atração sexual por outras pessoas. Por anos, Stacey se perguntou por que ela não queria fazer sexo com ninguém, nem mesmo com seu marido. Como ela explica no depoimento a seguir, dado à BBC Radio 4, foi sua médica quem lhe explicou o que realmente estava acontecendo.

Da BBC

Stacey conheceu o marido aos 19 anos | Foto: Arquivo pessoal

“Durante muito tempo eu achei que eu tinha algum tipo de problema mental ou físico. Eu pensava que não era normal não querer fazer sexo com outras pessoas.

Amigas me falavam sobre seus namorados, ou sobre famosos com quem elas gostariam de ir para a cama, e eu simplesmente não pensava em ninguém com essa conotação sexual.

Comecei a notar quando tinha 20 e poucos anos, mas não conversava com ninguém sobre isso porque pensava que iam me achar estranha.

A assexualidade existe dentro de um espectro. Então, embora eu não me sinta sexualmente atraída por pessoas, eu me envolvo romanticamente.

Eu tinha conhecido meu namorado – que hoje é meu marido – quando tinha 19 anos, e não sabia o que era assexualidade na época. Então só achei que era maluca, tinha ficado pra trás ou algo assim.

Eu sabia que o amava muito, e tinha 100% de certeza que iria dizer ‘sim’ se ele me pedisse em casamento, pois queria passar o resto da vida com ele. ‘Então por que eu não quero fazer sexo com ele?’, eu pensava. ‘Isso é loucura’.”

Descoberta

Stacey falou ao programa iPM, da BBC Radio 4.

“Eu e meu marido meio que embarcamos em uma jornada de descoberta juntos. Ele dizia: ‘eu te amo, estou apaixonado por você. Vou esperar o quanto for preciso, se é que algum dia vai acontecer.’

Ele me apoiou muito e nunca tentou me forçar a fazer algo que me deixasse desconfortável.

As normais sociais sugerem que sexo e filhos são o caminho para avançar em um relacionamento. Todos os meus amigos estavam se casando e tendo bebês. Eu pensava: ‘Oh, céus, existe essa expectativa de que eu deveria estar dormindo com meu marido e tendo filhos’.

Comecei a ter um pesadelo recorrente de que meu marido iria me trocar por alguém que era exatamente como eu fisicamente, mas que iria de fato fazer sexo com ele. Cheguei a um ponto no qual minhas próprias ansiedades estavam me tornando insuportável.

Aí me dei conta de que precisava descobrir o que estava acontecendo. Tinha uns 27 ou 28 anos.

Cometi o grande erro de procurar na internet por razões médicas que poderiam causar um baixo apetite sexual. Foi um erro enorme. Havia uma série de coisas simples como níveis de hormônio, mas o que me chamou a atenção foi a possibilidade de ser um tumor no cérebro.

Comecei a surtar – pensei que estava morrendo por causa de um câncer no cérebro. Fui ao médico e perguntei: ‘olha, é sério? Eu vou morrer?’.

Ela me disse: ‘Calma, você provavelmente é só assexual’. E eu: ‘O que é isso?’. Nunca tinha ouvido esse termo antes.

Ela me indicou alguns sites e foi como se eu tivesse finalmente encontrado a minha turma. Foi muito animador.

Pesquisei sobre o assunto e comecei a me sentir muito mais confortável comigo mesma. Conversei com meu marido e disse que isso excluía a possibilidade de sexo permanentemente.

Ele disse que já tinha assumido que seria assim de qualquer forma, então estava tudo bem. Ele tem sido ótimo, muito compreensivo. Gosto de pensar que é por causa da minha personalidade que ele pensa: ‘Preciso segurar essa aí’.

Nunca senti o que a maioria das pessoas descreveria como ‘excitação sexual’. Se eu sinto algo do tipo, é bem pequeno, minúsculo, como uma coceirinha. É mais como algo biológico do que uma vontade de estar com outra pessoa.

Muitas pessoas assexuais se sentem confortáveis em fazer sexo depois que constroem um relacionamento com alguém – a assexualidade é um espectro. Mas no meu caso, todas as vezes que cheguei remotamente perto, meu corpo todo se retraiu, como se dissesse: ‘Não, não, obrigado, pare com isso, não vai rolar’.

A maioria das pessoas imediatamente diz: ‘Oh meu Deus, como você vai ter filhos?’. Bom, se eu quisesse, existem vários métodos para isso.

Faz apenas uns três ou quatro anos que eu descobri sobre a assexualidade. Gosto desse rótulo porque ele me ajudou a entender quem eu sou, como me comporto e como minha mente funciona.”

Mais visões

Outros ouvintes do programa iPM, ao qual Stacey deu seu depoimento, comentaram o assunto.

Lucy, de 60 anos, disse que nunca havia conhecido outra pessoa que, como ela, fosse assexual. “Eu nunca tinha visto ninguém nem ao menos reconhecer a existência disso”, afirmou ela.

Scott disse que percebeu reações negativas quando tentou se abrir para as pessoas sobre o problema. “Um grupo de amigos da universidade organizou uma saída à noite para me ‘ajudar’ a perder a virgindade, sem se importar com o fato de que eu nunca ter feito sexo era resultado da minha assexualidade”, contou ele.

“Eu recebi desprezo, descrença e nojo quando compartilhei minha assexualidade com outras pessoas. Elas me diziam que ‘não era algo real’ e que eu estava inventando para chamar atenção. Só agora comecei a pensar em mim mesmo como um ser humano completo, sem ‘peças faltando'”, disse um ouvinte anônimo de 14 anos.

Dani disse que não tem problemas com contato físico. “Eu só não vejo outras pessoas como alvos sexuais. Embora eu nunca tenha discutido isso com minha mãe, ela não é cega ao fato de que eu vivo feliz sozinha, sem filhos, e que eu não tenho nenhum interesse em namorar”, relatou ela.

“Minha mãe chegou a ponto de chorar, com medo de que fosse algo que ela fez que tivesse me deixado… anormal.”

+ sobre o tema

Feministas denunciam publicidade sexista em data comemorativa

Exposição do corpo feminino de forma acentuada, mulheres mostradas...

Violência sexual e violência doméstica agora têm notificação compulsória

Portaria publicada pelo Ministério da Saúde estabelece nova lista...

O mapa da violência contra a mulher

Ao que parece, o comportamento machista vem sendo reproduzido...

para lembrar

1ª Marcha do Orgulho Trans reúne milhares de pessoas no Largo do Arouche em São Paulo

Com o objetivo de dar visibilidade a demandas de...

5 cenários onde mulheres ainda sofrem com a desigualdade de gênero

Mercado de trabalho, política e educação são alguns exemplos...

Proibição do aborto, Eduardo Cunha e o Martelo das Bruxas

Na base do projeto de lei 5069 há uma...

Devassa: Caso deu no “New York Times”

A decisão do Conar em suspender peças da campanha...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=