“Por que são tão poucas?: um estado da arte dos estudos em “Engenharia e genero”

POR QUE TÃO POUCAS MULHERES? ESSA É UMA QUESTÃO RECORRENTE QUANDO SE trata da engenharia como campo de trabalho ou de estudos. A pergunta tem sido feita em diferentes fóruns, desde os órgãos de imprensa da categoria profissional, pesquisadores(as), até os(as) próprios(as) engenheiros(as).

por Maria Rosa Lombardi no FCC

Igualmente, várias ra-zões têm sido invocadas para explicar a pequena presença das mulheres na engenha-ria. Algumas se reportam a limitações impostas pela profissão, como, por exemplo, sua origem militar, as condições de trabalho adversas encontradas pelos profissio-nais em algumas especialidades, o comando de equipes masculinas; outras localizam o problema numa incompatibilidade entre a engenharia e uma dada concepção de feminino, avessa às matemáticas, à racionalidade e à objetividade, não predisposta à competição, imagens de gênero atribuídas à engenharia e ao masculino.

Fato é que, em nível mundial e nacional, estudos continuam sendo feitos para expli-car por que tão poucas mulheres se dedicam à engenharia. No Brasil, em 2013, entre as 544 mil pessoas que se autoclassificaram como engenheiros na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 16,7% ou cerca de 90 mil eram mulheres. No mercado formal de trabalho, a Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) computava, em 2014, 251 mil postos de trabalho para engenheiros, sendo cer-ca de 45 mil, ou 18%, para engenheiras. Mesmo que essa proporção tenha aumentado quando comparada às de 2009 (15,8%) e 2004 (14%), em outras profissões, o ingresso das mulheres é um processo consolidado há mais tempo: em 2009, as mulheres deti-nham 42% dos empregos para médicos e 50% para advogados.

Nos cursos de graduação em engenharia, também vêm crescendo as matrículas fe-mininas: correspondiam a 20% do total em 2005; giravam em torno de ¼ em 2010; e chegaram a 38% em 2013 (USP, 2012, 2013).

Isto é, a “feminilização” (YANNOULAS, 2011), entendida como o aumento do número de mulheres em cursos de graduação em engenharia, é um processo contínuo e regular, mas mais lento do que o que vem ocorrendo em outras profissões que, outrora, foram de tradição masculina.

Essa situação postergou a ascensão feminina na academia e na pesquisa científica. Em 1990, na Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Tabak (2002) verificou que as docentes não ultrapassavam 10%. Dez anos depois, no início da década de 2000, apenas 10% do corpo docente da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo era composto de mulheres e existiam apenas duas profes-soras titulares (SAMARA; FACCIOTTI, 2004).

Na pesquisa científica em engenharia, em 2008, 25% dos pesquisadores eram mulheres, enquanto a feminilização no con-junto da pesquisa nacional era uma realidade: praticamente a metade dos pesquisa-dores (49%) era formada por mulheres.

Qual é a participação feminina na engenharia no Brasil atualmente? E qual é a expres-são da produção acadêmica nacional sobre “gênero e engenharia? Quais matrizes in-terpretativas têm sido utilizadas nas pesquisas? Essas questões conduziram o desenvolvimento deste trabalho.

Outra motivação foi a intenção de disponibilizar para o público interessado informações que identificamos e/ou utilizamos nas pesquisas que temos desenvolvido na última década, com o in-tuito de que possam inspirar e iluminar novas indagações, novos debates e renovadas investigações. Este trabalho não tem a pretensão de ser exaustivo; ao contrário, pautou-se por uma seleção de fontes de busca bibliográfica, como convém a qualquer “estado da arte”.

Uma outra busca possibilitou ampliar e melhor qualificar a anterior: o seguimento das atividades dos poucos grupos de pesquisa e dos(as) pesquisadores(as) que traba-lham ou trabalharam a temática “engenharia e gênero”, levantando sua produção e a de seus orientandos.

São pessoas e grupos com quem temos compartilhado debates acadêmicos, interesses intelectuais, convívio em congressos e simpósios, com res-peito humano e afeto na última década. Finalmente, as ideias e análises extraídas dos resumos dos trabalhos que consolida-mos no corpo deste estudo são, necessariamente, sumarizadas, parciais e decorrem da nossa interpretação.

A consulta direta aos textos de interesse do(a) leitor(a) é for-temente sugerida, portanto. As referências bibliográficas completas de todos os materiais analisados estão anota-das no Anexo deste estudo.

Por que elas são poucas – completo em PDF

+ sobre o tema

Debora Bloch: “Não sei se minha filha sabia que fiz aborto”.

Debora Bloch resolveu se posicionar sobre… aborto. Recentemente, ela...

A história das mães que perdem a guarda dos filhos com base em decisões machistas

Justiça separa mães de filhos com base em machismo...

Fim do feminicídio está associado a mudança cultural, dizem participantes de audiência

Mudanças socioculturais são necessárias para acabar com a violência...

Aos 29 anos, sem filhos, acabei de ligar minhas trompas

Sou solteira, não tenho filhos, e, há seis semanas,...

para lembrar

Ato político-cultural em SP lembra morte de Cláudia Ferreira

Organizações de mulheres negras de São Paulo fazem na...

Iranianas exigem que atriz que deu beijo proibido em Cannes seja flagelada

Mulheres do país pedem ao Ministério Público chicotadas e...

Espelho: Luiza Bairros

  Séries / Cultural País:  Brasil Cor:  Colorido Classificação:  Programa...

Dandara vive

Os pés negros e ressecados, dedos esfolados e as...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=