Povos negligenciados são os mais afetados pela crise climática

Para Thaís Santos, negros, quilombolas, ribeirinhos e população originária precisam estar no centro das ações de mitigação

A reprodução das práticas econômicas e sociais colonialistas, exercidas por grande parcela das empresas, impôs como consequência uma crise climática que expõe as fragilidades ambientais decorrentes da degradação de biomas e o declínio da biodiversidade.

No arco temporal, vimos a ascensão das empresas como fortes e decisivos atores políticos, movimentando cifras superiores ao PIB de vários países e moldando economias nacionais em função de suas cadeias de suprimentos e consumo, visando apenas lucratividade em detrimento da sustentabilidade e da conservação do bem viver coletivo.

Os conhecimentos ancestrais vivenciados por quilombolas e povos originários, balizados no valor comunitário e na integração com o ambiente, resistiram ao genocídio epistemológico e denunciaram a urgência, ou seja, nunca foi novidade que as práticas de uma sociedade baseada no consumo e na exploração ilimitados nos colocariam em uma crise climática irreversível.

Eventos climáticos extremos causam crescente instabilidade às cadeias produtivas, principalmente aos produtos agrícolas, gerando oscilações no valor dos alimentos e, inevitavelmente, sua escassez. Tudo isso provoca graves consequências sociais.

A garantia do acesso ao alimento saudável precisa ser priorizada por todos os setores econômicos. Os povos que sistematicamente são negligenciados pelo Estado —negros, quilombolas, ribeirinhos, povos originários— são os mais afetados e precisam estar na centralidade do debate e das ações de mitigação.

As empresas precisam implementar medidas para estagnar os impactos climáticos no âmbito social. Isentar-se dessa responsabilidade é potencializar a política de morte que condena famílias inteiras à fome e que se alicerça na ferramenta social que tenta descaracterizar e não racializar os reais impactados pelas emergências climáticas. Essa ferramenta tem nome: racismo ambiental.

+ sobre o tema

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança...

para lembrar

Cinco milhõesalunos voltam às aulas no dia 18 de fevereiro

Até lá, escolas se preparam para receber estudantes ...

Maioria das pessoas não sabe que deverá votar em dois candidatos ao Senado

Grande parte dos eleitores do DF não sabem...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...

Fome extrema aumenta, e mundo fracassa em erradicar crise até 2030

Com 281,6 milhões de pessoas sobrevivendo em uma situação de desnutrição aguda, a ONU alerta que o mundo dificilmente atingirá a meta estabelecida no...
-+=