“Precisa dizer que Mônica é negra?”: o racismo à brasileira e a CoronaVac 

A enfermeira Mônica Calazans foi a primeira brasileira vacinada contra a covid-19, em um evento transmitido direto do Hospital das Clínicas, em São Paulo, no último domingo, 17, após a Anvisa ter liberado o uso emergencial da CoronaVac. O momento histórico – e de alívio – foi protagonizado por duas mulheres. Mônica, que trabalha no hospital Emílio Ribas, negra, moradora de Itaquera, extremo leste da periferia paulistana, e a enfermeira Jéssica Pires de Camargo, branca, que a vacinou.

Em um país onde o vice-presidente Hamilton Mourão acha que não existe racismo, que “é uma coisa que querem importar”, o fato de enfatizarmos que Mônica é uma mulher negra e evidenciarmos isso jornalisticamente incomodou muita gente. Nas redes sociais – incluindo a postagem que Universa fez sobre o fato no Instagram, seguidores indignados questionavam: Por que dizer que ela é negra?”, “Será que os brancos também não vão se vacinar?”, “Se fosse uma branca, ressaltariam a cor?” e ainda “Precisam falar que ela é negra? Somos todos iguais!”

Não, ainda não somos todos iguais no Brasil

Racializar as discussões e as situações, ou seja, olhar por uma perspectiva em que a classificação racial também é parte importante do discurso, é um caminho sem volta. No Brasil, é bastante necessário.

Precisamos voltar algumas casas no tabuleiro da História para entender: negros e negras sofrem até hoje com o racismo, em todas as suas expressões, e colhem o fruto amargo das desigualdades raciais instauradas por um sistema escravista.

Não fomos nós que criamos esse sistema, mas é ele quem estabelece que lugares são destinados aos brancos e quais são de pertencimento de mulheres negras, como Mônica. Dizer que ‘somos todos iguais’ é uma falácia do racismo à brasileira, aquele que finge que não existe, mas que mantém intocável a estrutura de privilégios usufruídos pela branquitude.

Por outro lado, dizer que Mônica Calazans é negra, moradora de Itaquera, extremo leste da periferia da cidade, reforça uma identidade que, para os racistas, é por vezes invisível.

Cruzamos quase diariamente com mulheres negras e periféricas em nosso cotidiano. Mas a sociedade destina funções subalternizadas a elas, como empregadas domésticas, atendentes de lanchonete, cobradoras de ônibus, e tem a capacidade de invisibilizá-las, desumanizá-las.

Não há nada de errado em exercer essas atividades; o problema está em sempre terem a mesma cara.

Não é preciso ir tão longe para afirmar o quanto a invisibilidade se traduz em vulnerabilidade. É só relembrarmos que a primeira morte por covid foi de uma mulher negra, a empregada doméstica Cleonice Gonçalves, no Rio de Janeiro. Ela trabalhava na casa de uma mulher que tinha ido à Itália, então epicentro da pandemia, e também foi contaminada.

A sociedade com ranço escravocrata e colonial tem dessas: faz vítimas negras todos os dias, deixando com que os tentáculos do racismo alcancem os corpos negros de forma devastadora.

A “mulher negra anônima”, como definiu a intelectual e filósofa Lélia Gonzalez, sempre foi alvo de uma tripla opressão social; de gênero, de raça e de classe. Triunfar em sua história requer coragem para driblar violências, enquanto cuida de si e dos seus, como fez Mônica, que foi auxiliar de enfermagem por 26 anos e só conseguiu cursar o Ensino Superior mais tarde, recebendo o diploma aos 47 anos.

Afirmar a identidade de Mônica, mulher, negra e pobre, é uma celebração de sua vida. Ela borrou as fronteiras do imaginário do brasileiro.

Mônica é a personagem principal de um momento histórico em um país que foi construído com a força dos corpos negros, mas que não reconhece o quanto precisa caminhar para fazer com que negras e negros estejam em todos os lugares, inclusive em posições de poder e de representação.

Vibramos com Mônica. E agradecemos. Obrigada, enfermeira, por sua dedicação à profissão e por ser a imagem da esperança para todos nós.

*Nathália Geraldo é repórter de Universa e pós-graduanda em Cultura, Educação e Relações étnico-raciais na USP.

+ sobre o tema

Show de Ludmilla no Coachella tem anúncio de Beyoncé e beijo em Brunna Gonçalves; veja como foi

Os fãs de Ludmilla já estavam em polvorosa nas redes sociais...

Geledés faz em Santiago evento paralelo para discutir enfrentamento ao racismo nos ODS

Geledés - Instituto da Mulher Negra realiza, de forma...

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços,...

As mulheres que se rebelam contra venda de meninas para casamentos no México

Inicialmente, Claudia* não havia pedido dinheiro em troca da...

para lembrar

Impedida de entrar em loja, delegada negra faz denúncia de racismo

A delegada Ana Paula Barroso foi impedida de entrar...

Vereadora alvo de ofensa racista: ‘Disseram que era liberdade de expressão’

Em entrevista ao UOL News, a vereadora Paolla Miguel (PT-SP)...
spot_imgspot_img

Gibi, 85 anos: a história da revista de nome racista que se transformou em sinônimo de HQ no Brasil

Um dicionário de português brasileiro hoje certamente trará a definição de gibi como “nome dado às revistas em quadrinhos” — ou algo parecido com isso....

Estudante negra de escola pública ganha prêmio com pesquisa que apontou racismo em dicionários: ‘racismo enraizado na fala’

Uma aluna do Ensino Médio do Instituto Federal São Paulo, de Bragança Paulista (IFSP), conquistou medalha de ouro após apresentar uma pesquisa sobre racismo, durante a...

Alunos de colégio em Brasília sofrem ataques racistas em torneio de futsal

A Escola Franciscana Nossa Senhora de Fátima afirma que estudantes do colégio Galois chamaram seus alunos de "macaco", "filho de empregada" e "pobrinho" durante...
-+=