“Preciso me sentir ‘com sorte’ por não ser estuprada?”

O relato de uma jovem italiana vítima de assédio sexual viralizou depois de ela ter afirmado sentir “sorte por não ter sido estuprada”.

no BBC

Natural de Scandicci, na região da Toscana, Anita Fallani, de 18 anos, que é filha do prefeito da cidade, descreveu ter sido abordada por um homem desconhecido quando esperava pelo bonde que a levaria para casa uma noite, depois de sair com amigos.

“Você me vê e acha que deve começar a me incomodar. Eu nunca vi você, não tenho a menor ideia de quem você seja, mas isso não o impede de se aproximar. ‘Boa noite, senhorita, como vai você? Qual o seu nome? Por que você não responde?”, ela escreveu, recapitulando a abordagem.

Fallani disse ter ignorado as perguntas que o desconhecido fez mesmo depois de subir no bonde. Ela chegou a colocar fones de ouvido na esperança de que ele parasse de incomodá-la.

Quando ela desembarcou, entretanto, ele passou a segui-la. “Sinto vontade de chorar. Estou sozinha e não sei o que fazer”.

Ela fingiu que telefonava para alguém, mas ele continuou atrás. “O que você está fazendo? Você vem comigo?”, disse-lhe. “Começo a ficar com muito medo”, prossegue o relato.

Ela o ignorou, mas ele a continuou seguindo. Fallani escreveu: “Eu me pergunto por que nós não temos a mesma liberdade que os homens”.

Quando a jovem finalmente chegou em casa, se sentiu mais segura e aliviada, mas o sentimento se transforma em uma “raiva profunda”.

“A minha história é como muitas outras. Não tem nada de extraordinário, não é uma exceção, mas uma das muitas coisas que compõem a nossa vida, completamente normal”, ela escreveu, acrescentando que esse tipo de experiência tinha se tornado tão normal quanto “receber uma multa”.

“Eu me pergunto quantas vezes devemos nos sentir ‘sortudas’ por não sermos estupradas.”

O relato de Anita foi reproduzido pelos sites de grandes jornais italianos como La Repubblica e Corriere della Serra, com milhares de compartilhamentos nas redes sociais.

Em um segundo post, ela disse que tinha compartilhado sua “experiência terrível e angustiante” porque era “uma experiência comum que não pode continuar sendo normal”.

Leia o Relato

01.35 de 13 de agosto de 2017
Um sábado à noite, qualquer um de agosto morno. Uma noite com uma amiga, um gin tónico, uma conversa. Vou para casa, cansada, com os pés doridos e a vontade de dormir. Vou para a paragem da tramvia. Estás a ver-me e achas que devias começar a chatear-me. Eu nunca te vi, não faço ideia de quem és, mas não te trava: ” Boa noite, menina, como estás ”, ‘ ‘ como te chamas? Porque não respondes? ”. Opto pela ignorância com a esperança de que ela acabe em breve. Entro no eléctrico, ponho os auscultadores, não ligo a música, porque tenho o meu telemóvel, é só uma distracção que me ajuda a pensar que talvez ela pare antes. Não há nada para fazer. Continua inabalável. Finalmente a paragem, eu desço e ele desce. Estou a chorar, sinto-me sozinha e não sei o que fazer. Com 10 % de carga que me resta, finjo chamar alguém que se parece com um namorado hipotético. Isto também não é suficiente para ti, para onde vais? Vais sair comigo? O ”. Está a seguir-me. Estou a começar a ter medo. Eu escolho o caminho mais longo que passa de um parque de diversões, consigo escapulir-lo. Vou acelerar o passo, finalmente a porta, colocar as chaves na fechadura. Estou em casa, e estou salva. Agora estou a chorar, mas tento não fazer barulho para não acordar ninguém. Meto-me na cama como sempre. Tenho a cara riscou e a vertigem de um perigo. Dura pouco a minha fragilidade, fica logo profunda raiva e eu penso em todas, mães, irmãs, amigas, vos sinto próximas no destino como nunca. Pergunto-me porque é que não tenho a mesma liberdade que um dos meus homens para voltar para casa à hora que me parece sem ter medo de não chegar lá. Estou a queimar as mãos à ideia de que a minha é uma história como tantas, que não há nada de extraordinário, não é uma excepção, mas uma das muitas coisas que compõem a nossa vida, em tudo normal, como tomar uma multa, Ou ter de deitar fora o lixo. E o problema é esse, que se tornou o normal, porque eu aposto na minha pele que todos vocês passaram por isso. Pergunto-me quantas vezes devemos sentir a sorte de não terem sido violadas. Como se isto não fosse possível, já não pode ser definido como tal.

Post scriptum
Lembro que de acordo com os dados istat de 2015, em Itália, são 6 milhões e 788 mil mulheres que sofreram violência ao longo da sua vida (física ou sexual, sem incluir as psicológicas). As vítimas de terrorismo desde que existe o fenómeno do Isis são 322. Então, as vítimas são vítimas e eu não estou aqui para fazer comparações, mas talvez seja o caso de pensar que há violência silenciosa, como esta ainda mais enraizadas e perigosas que produzem. Muitos mais danos do que aqueles que enchem os jornais todos os dias, em que a política se divide, deixando de lado as batalhas mais importantes de que ninguém se preocupa.

+ sobre o tema

Justiça do RJ registra mais de 22 mil processos de violência contra a mulher em dois meses

O levantamento contabiliza apenas os primeiros meses de 2019....

Denunciar para quem? A invisibilização de mulheres faveladas no círculo de proteção da lei Maria da Penha

Resumo: Pretende-se nesse artigo abordar a situação da mulher favelada,...

A identidade, as experiências negras e a alma que sangra

A "cauterização das experiências negras" acontece quando abrem uma...

para lembrar

Homem é condenado por infectar mulheres com HIV no Rio

A Justiça do Rio condenou Renato Peixoto Leal Filho...

Agressão não! Atriz faz vídeo sobre relacionamento abusivo

Evelyn Félix, de 19 anos, compartilhou o vídeo em...

Lugar mais perigoso para mulheres é a própria casa, diz ONU

Segundo o relatório, assassinatos cometidos por parceiros ou familiares...
spot_imgspot_img

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Lula sanciona lei que protege mulheres de violência em bares e shows

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a lei que cria o protocolo Não é Não, mecanismo de combate ao constrangimento e à...

Estupros em São Paulo aumentam 16,6% em novembro

O número de estupros, incluindo estupro de vulnerável, aumentou 16,6% no estado de São Paulo, passando de 1.088 casos em novembro do ano passado...
-+=