Prefeito de Nova York teme pelo filho afrodescendente

Isabel de Luca

De Blasio cita própria família ao falar sobre morte de camelô

Pai e filho. Bill de Blasio, prefeito de Nova York, e seu filho Dante, durante celebração do Dia do Índio no bairro do Brooklyn: família interracial questionou ação policial que matou camelô negro na cidade

NOVA YORK — Em meio ao maior desafio já enfrentado por um prefeito, que fez do reparo das relações entre as minorias e a polícia uma de suas principais promessas de campanha, Bill de Blasio voltou a recorrer à sua própria família — como fez com sucesso em diversas ocasiões enquanto disputava o cargo — ao responder à decisão de um grande júri de Nova York de não indiciar o policial branco Daniel Pantaleo pela morte do camelô Eric Garner. Pai de um casal de adolescentes negros, De Blasio evocou seu filho Dante mais de uma vez desde o início da noite de quarta-feira, quando correu para Staten Island, onde ocorreu o incidente em julho, para se pronunciar ao lado da família da vítima.

— Isso é profundamente pessoal para mim — disse. — Não pude deixar de pensar imediatamente o que significaria perder Dante. A vida nunca mais seria a mesma.

Se a família interracial do prefeito é parte fundamental de sua imagem pública, foi Dante quem provocou a virada de De Blasio, no fim do ano passado, ao estrelar, com cabelo afro, um vídeo “caseiro” de campanha que virou viral. O prefeito contou que ele e a mulher, Chirlane McCray, que é negra, instruíram o menino a “tomar especial cuidado” ao se deparar com policiais, e expressou a sua preocupação com a segurança de Dante quando sai à noite.

‘Embaixo de um ônibus’

Nesta quinta-feira, ao anunciar reformas na polícia, o prefeito citou o filho de novo, ao lembrar que sua apreensão com a abordagem da polícia começou assim que Dante entrou na puberdade. No fim da tarde, o presidente do Sindicato de Policiais de Nova York, Patrick Lynch, afirmou que os oficia is se sentiram “jogados embaixo de um ônibus” pelo prefeito.

ADVERTISEMENT

— Enquanto eles estavam fazendo um trabalho difícil, no meio da noite, protegendo os direitos dos manifestantes, protegendo nossos filhos e filhas, o prefeito estava atrás dos microfones como se os estivesse jogando embaixo de um ônibus.

 

Fonte: O Globo

+ sobre o tema

STF volta a proibir a apreensão de menores sem o devido flagrante nas praias do Rio

Após audiência realizada na manhã desta quarta-feira, em Brasília, o STF determinou...

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria...

para lembrar

spot_imgspot_img

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...

“Reparação é reconhecer o que a História nos negou. E não é algo que a humanidade desconheça”, diz Epsy Campbell

Epsy Campbell Barr, presidenta do Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU, deu uma parada em sua tribulada agenda durante o 3º Fórum Global contra o Racismo...

Pacto em torno do Império da Lei

Uma policial militar assiste, absolutamente passiva, a um homem armado (depois identificado como investigador) perseguir e ameaçar um jovem negro na saída de uma...
-+=