quinta-feira, setembro 29, 2022
InícioQuestão RacialViolência Racial e PolicialPrefeito de Nova York teme pelo filho afrodescendente

Prefeito de Nova York teme pelo filho afrodescendente

Isabel de Luca

De Blasio cita própria família ao falar sobre morte de camelô

Pai e filho. Bill de Blasio, prefeito de Nova York, e seu filho Dante, durante celebração do Dia do Índio no bairro do Brooklyn: família interracial questionou ação policial que matou camelô negro na cidade

NOVA YORK — Em meio ao maior desafio já enfrentado por um prefeito, que fez do reparo das relações entre as minorias e a polícia uma de suas principais promessas de campanha, Bill de Blasio voltou a recorrer à sua própria família — como fez com sucesso em diversas ocasiões enquanto disputava o cargo — ao responder à decisão de um grande júri de Nova York de não indiciar o policial branco Daniel Pantaleo pela morte do camelô Eric Garner. Pai de um casal de adolescentes negros, De Blasio evocou seu filho Dante mais de uma vez desde o início da noite de quarta-feira, quando correu para Staten Island, onde ocorreu o incidente em julho, para se pronunciar ao lado da família da vítima.

— Isso é profundamente pessoal para mim — disse. — Não pude deixar de pensar imediatamente o que significaria perder Dante. A vida nunca mais seria a mesma.

Se a família interracial do prefeito é parte fundamental de sua imagem pública, foi Dante quem provocou a virada de De Blasio, no fim do ano passado, ao estrelar, com cabelo afro, um vídeo “caseiro” de campanha que virou viral. O prefeito contou que ele e a mulher, Chirlane McCray, que é negra, instruíram o menino a “tomar especial cuidado” ao se deparar com policiais, e expressou a sua preocupação com a segurança de Dante quando sai à noite.

‘Embaixo de um ônibus’

Nesta quinta-feira, ao anunciar reformas na polícia, o prefeito citou o filho de novo, ao lembrar que sua apreensão com a abordagem da polícia começou assim que Dante entrou na puberdade. No fim da tarde, o presidente do Sindicato de Policiais de Nova York, Patrick Lynch, afirmou que os oficia is se sentiram “jogados embaixo de um ônibus” pelo prefeito.

ADVERTISEMENT

— Enquanto eles estavam fazendo um trabalho difícil, no meio da noite, protegendo os direitos dos manifestantes, protegendo nossos filhos e filhas, o prefeito estava atrás dos microfones como se os estivesse jogando embaixo de um ônibus.

 

Fonte: O Globo

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench