‘Prefiro que a loira me atenda’, diz cliente a atendente negra em restaurante

Após ser atendida pela funcionária branca e de cabelos loiros, a cliente não fez mais exigências

no JPNews

Uma mulher recusou ser atendida por uma funcionária negra em um restaurante de Paranaíba (MS) nesta segunda-feira (7). De acordo com informações de uma fonte próxima ao caso, a mulher, branca, acompanhada de seu marido e filho, também brancos, disse que preferia ser atendida por outra atendente, apontando uma funcionária loira do estabelecimento. “Não. Não, moça. Prefiro que a loirinha me atenda”, disse a cliente.

Em conversa com o JPNEWS, uma testemunha disse que a atendente vítima de discriminação não compreendeu o que estaria acontecendo no momento, se dirigindo até uma colega e pedindo para ela atendesse a mulher em seu lugar.

Após ser atendida pela funcionária branca, de cabelos loiros, a cliente não fez mais exigências.

Ainda de acordo com a testemunha, ao pagar a conta, a funcionária do caixa do estabelecimento que também é branca e loira, revoltada com a situação, ciente do caso e no intuito de interpelar a cliente, questionou se a primeira funcionária que a havia atendido, no caso a garota negra, teria a tratado mal, e por conta disso teria recusado ser atendida por ela, a mulher respondeu que era questão de gosto e que preferia ser atendida pela atendente loira. “Não. É que eu preferi ser atendida pela loirinha mesmo”, disse a mulher.

A testemunha ainda relata que enquanto esteve próxima e acompanhando o fato, notou que a garota vítima de racismo se encontrava desorientada e sem entender o que havia acontecido. A testemunha relata que observou que os demais funcionários do estabelecimento se revoltaram com a situação, porém, a própria garota que havia sido discriminada teria preferido não tomar nenhum tipo de providência no momento.

Perguntada se conhecia a autora, ou se era familiar o rosto, a testemunha disse que nunca viu a família em outros lugares no município.

“Se a situação fosse revelada e os demais clientes percebessem o que havia acontecido, com certeza todos no restaurante no momento partiriam em defesa da funcionária.”, disse a fonte ao JPNEWS.

+ sobre o tema

Ministério Público vai investigar atos de racismo em escola do DF

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT)...

Desigualdade ambiental em São Paulo: direito ao verde não é para todos

O novo Mapa da Desigualdade de São Paulo faz...

Nath Finanças entra para lista dos 100 afrodescendentes mais influentes do mundo

A empresária e influencer Nathalia Rodrigues de Oliveira, a...

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do...

para lembrar

Ator é vítima de racismo durante espetáculo:’Isso não pode ficar impune’

Uma espectadora interrompeu a peça e deu uma banana No...

Grupo antirracismo critica apoio do Liverpool a Suárez

Um grupo que realiza campanhas contra o racismo no...

Minas registra um novo caso de racismo a cada 22 horas e 16 minutos

Expressivo, número de crimes raciais levados aos tribunais está...

Austrália propõe mudar lei, mas aborígenes querem mudança real

Por: Liz Lacerda Alison Golding tinha 10 anos...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=