Presidente Dilma compromete-se com presença na Quinta Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa

A presidente da República, Dilma Rousseff, recebeu o livro de fotografias “Caminhando a gente se entende” e um convite para participar da Quinta Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa(em 16 de setembro) das mãos do interlocutor da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR), babalawo Ivanir dos Santos, em Salvador, em cerimônia realizada pelo Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, em 29 de janeiro de 2012, no Fórum Ruy Barbosa. Afirmando fazer o “possível e o impossível” para estar na marcha, a presidente falou sobre a importância da liberdade de crenças e elogiou a obra.

A presidenta parabenizou a comunidade judaica baiana pela construção de uma nova sinagoga e de um centro cultural judaico em Salvador, que permitirá “ampliar e socializar” o conhecimento judaico junto à sociedade maior, fazendo jus à tradição do “povo do livro”. “Os judeus sempre nos propiciam uma experiência de paz – nenhum lugar com uma comunidade judaica florescente teve a intolerância como característica”, acrescentou Dilma.Ela lembrou que o Brasil é signatário de todos os tratados internacionais de combate à discriminação e “um dos países de convivência social mais harmoniosa”, mas reconheceu que o racismo ainda precisa ser combatido. “Honrando as vítimas do Holocausto, estamos também criando as condições para construir um mundo melhor”, concluiu. A presidente parabenizou a comunidade judaica baiana pela construção de uma nova sinagoga e de um centro cultural judaico em Salvador, que permitirá “ampliar e socializar” o conhecimento judaico junto à sociedade maior, fazendo jus à tradição do “povo do livro”. “Os judeus sempre nos propiciam uma experiência de paz – nenhum lugar com uma comunidade judaica florescente teve a intolerância como característica”, acrescentou Dilma.

Ela lembrou que o Brasil é signatário de todos os tratados internacionais de combate à discriminação e “um dos países de convivência social mais harmoniosa”, mas reconheceu que o racismo ainda precisa ser combatido. “Honrando as vítimas do Holocausto, estamos também criando as condições para construir um mundo melhor”, concluiu.

 

Fonte: Eu Tenho Fé

+ sobre o tema

53,5% dos negros brasileiros já estão na classe média

Pesquisa do economista da FGV Marcelo Neri também mostra...

Conferência Nacional de Saúde – Mobilização alcança 75% dos municípios brasileiros

Em 2011, a Conferência Nacional Saúde reforça conquistas ao...

Casamento no Candomblé ao som de tambores africanos

POR ELI ANTONELLI Casamentos nos espaços sagrados das...

Em livro, pesquisadores desmistificam suposta ausência de negros na Amazônia

por Monica Prestes Obra produzida por 13 pesquisadores relata...

para lembrar

spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=