Professor de informática acusado de abusar sexualmente de alunos é preso em SP

Denúncia foi feita por vítima que sofreu abusos por nove anos, no Bom Retiro; menina de 12 anos vivenciava a mesma situação atualmente, segundo investigação da Polícia Civil

Do Ultimo Segundo

Um professor de informática foi preso na tarde desta sexta-feira (17) no bairro do Bom Retiro, na região central de São Paulo, acusado de abusar sexualmente de crianças e adolescentes que frequentavam suas aulas.

O suspeito, identificado como Fernando C., de 67 anos, foi denunciado por uma ex-aluna que teria sido violentada a partir de 2003, quando tinha dez anos de idade. Os abusos, que incluíam sexo oral, carícias e beijos pelo corpo – conforme relatado no boletim de ocorrência –, teriam persistido até a vítima completar 19 anos de idade e deixar de frequentar a casa de Fernando.

De acordo com a delegada Giovanna Valenti Clemente, titular da Delegacia de Defesa da Mulher, que investiga o caso, as denúncias foram corroboradas por dois homens que também foram vítimas de Fernando C. quando eram crianças.

Segundo as investigações, o suspeito atualmente repetia os mesmos abusos com uma menina de 12 anos que frequentava suas aulas.

“Ele oferecia aulas de computação e tinha karaokê, balas, refrigerante… Coisas que as crianças não tinham nas casas delas”, conta a delegada Giovanna. “Ele ia ganhando a confiança das crianças. Demorou uns dois anos para iniciar os abusos que foram relatados.”

No boletim de ocorrência, é informado ainda que o professor de informática tinha “o costume de fotografar” as crianças e adolescentes que frequentavam sua casa.

A ex-aluna que levou o caso à Delegacia da Mulher na semana passada contou à polícia que começou a pensar em denunciar Fernando C. após assistir a uma aula na faculdade sobre Violência contra a Mulher. A decisão da denunciante foi consolidada quando ela soube que sua vizinha, a menina de 12 anos que ainda frequentava a casa do suspeito, estava sendo molestada.

O suspeito foi preso preventivamente por 30 dias e vai responder por estupro de vulnerável. Ele nega os abusos denunciados pelos seus ex-alunos.

+ sobre o tema

Juízas de MT debatem Lei Maria da Penha em Londres

As magistradas mato-grossenses Amini Haddad Campos e Adriana Sant'Anna...

Gravação mostra deputado Arnaldo Jordy pedindo a mulher que aborte

Diálogo entre os dois é áspero e a mulher,...

Assédio em ônibus é considerado ‘de menor potencial ofensivo’ pela Justiça

Homem que ejaculou na vítima foi solto após audiência...

para lembrar

Jandira quer ampliar proteção da Lei Maria da Penha a transexuais

da assessoria de imprensa da deputada federal Jandira Feghali, via...

Laboratória abre inscrições para curso de programação para mulheres

No Brasil, segundo pesquisa da McKinsey, apenas 16% das...

“Vagão rosa segrega mulheres”, diz líder cetebista

Movimentos sociais se reuniram na Praça da Sé, na...

Fé, menino. É tempo de desmachificar

sabe aquela imagem do neandertal, tacape na mão, arrastando...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=