Professora trancava o banheiro porque “quem usava era uma negrada porca”

Uma professora que ensina jovens e adultos durante a noite numa sala nos fundos do Posto de Saúde da Coloninha está sendo acusada de racismo por alunos e uma outra professora, que registrou um Boletim de Ocorrência sobre o caso na 1ª DP de Araranguá.Segundo a denúncia, a maioria dos alunos que frequenta o curso de alfabetização noturno são de pele escura, e por isso, tem sido alvo dos preconceitos da professora T., que todas as noites, chaveia as portas do principal banheiro do local, justamente no horário em que os alunos estão nas salas improvisadas.

Na semana passada, questionada por dois alunos, a professora respondeu que chaveava o banheiro porque “quem usava era uma negrada porca”, disseram os alunos. O assunto chegou aos ouvidos da outra professora, que questionou T., que negou a versão de que tenha chamado os usuários do banheiro de “negrada porca”. Mesmo assim, ela disse que continuaria chaveando o banheiro principal, e que se os alunos quisessem utilizar algum banheiro “que usem aquele chiqueiro”, se referindo ao banheiro dos fundos.

Sabendo que as palavras da professora são indícios de racismo, os alunos e a outra professora procuraram a delegacia e registraram o problema. A prática de racismo como crime é prevista na Constituição Federal do Brasil de 1988, no art. 5º inciso XLII, que prevê: “a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei”. A pena prevista pelo Código Penal é de dois a cinco anos de reclusão.

Fonte: Jornal Amorim

+ sobre o tema

Eles seguraram aqui ó (aponta pra garganta).Violência policial contra adolescentes

por Cecília Oliveira "Eles seguraram aqui ó (aponta pra...

Internautas acusam Raul Gil de racismo contra asiáticos

No Programa Raul Gil do último sábado, 15, o...

Polícia e MPRJ vão investigar influenciadoras por racismo

A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio...

TV Globo nega racismo em foto sobre ‘diversidade’ só com mulheres louras

Dezessete mulheres louras, brancas, de cabelos lisos se enfileiram...

para lembrar

Eu Pareço suspeito?

A campanha "Eu Pareço Suspeito?" é um instrumento...

Murro em ponta de faca

Das obstinações, várias tentativas, repetições, não desistências, insistências, confesso:...

Pedagogia da subordinação

A morte por tortura de Genivaldo de Jesus Santos não constitui...
spot_imgspot_img

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...

A falácia da proteção à vida

A existência de uma lei não é condição suficiente para garantir um direito à população. O respaldo legal é, muitas vezes, o primeiro passo...
-+=