Projeto de lei de Romário irrita rappers

Deputado propõe texto que regulamenta profissões ligadas ao hip-hop e exige curso para o exercício da atividade

Grupo no Facebook contra ex-jogador reúne 1.800 membros; eles pedirão audiência pública em São Paulo

Por: JULIANA GRAGNANI

Um projeto de lei de Romário, deputado federal pelo PSB-RJ, irritou grupos ligados ao hip-hop. A proposta, que tramita na Câmara desde novembro, prevê a regulamentação das profissões que têm relação com o movimento, como as de DJ, MC (mestre de cerimônias), rapper, grafiteiro e de atividades ligada ao beat box e à dança de rua.

O projeto submete o exercício das profissões à realização de cursos técnicos de capacitação profissional, em instituições reconhecidas pelo governo, ou então à comprovação do exercício das atividades de forma interrupta no ano anterior à publicação da lei, caso seja aprovada.

Cerca de 1.800 pessoas contrárias ao texto reúnem-se em um grupo no Facebook chamado “Romário Deixe o Hip Hop em Paz!!!”.

Em São Paulo e no Rio, integrantes se encontraram para discutir o projeto e estratégias para impedir sua aprovação. Segundo músicos, a exigência de ensino dificultaria o acesso ao hip-hop.

“Uma cultura que nasceu na rua não pode ser institucionalizada”, diz o rapper Clodoaldo Arruda, 40. Segundo ele, os grupos pretendem convidar Romário para uma audiência pública em março, em São Paulo. Por meio de sua assessoria, Romário afirmou que aceitaria o convite.

Para Marcelo Cavanha, 40, que dá oficinas de rap em São Paulo, não houve “construção coletiva” do projeto. “O Romário não nos ouviu. Até que ponto é interessante ter um projeto que reconhece o hip-hop sendo que o movimento é de contestação, inclusive contra o Estado?”

CARTEIRA ASSINADA

Procurado pela reportagem, Romário não falou por “problemas de agenda”, segundo sua assessoria, que tenta esclarecer o projeto.

“As exigências referem-se só a quem quer ter carteira assinada, e não ao profissional informal.”

Em 2012, o ex-jogador promoveu um seminário sobre o hip-hop na Câmara, com músicos ligados ao movimento.

Na ocasião, ainda de acordo com a assessoria, Romário “assumiu o compromisso de lutar pela regulamentação das profissões ligadas ao hip-hop, por entender que a informalidade permitia que outras pessoas e não os verdadeiros artistas lucrassem com o movimento”.

Fonte: Folha de S.Paulo

+ sobre o tema

O Panafricanismo na figura de Agostinho Neto

O Panafricanismo africano tem as suas origens no combate...

Objetos da mansão onde Michael Jackson morreu vão a leilão

Objetos que estavam na mansão onde Michael Jackson morreu...

para lembrar

África que a mídia não mostra para você

Uma criança negra e raquítica pedindo esmolas com um olhar perdido...

Lima Barreto: um gênio negro e o reconhecimento tardio – Por Davi Nunes

  Por Davi Nunes Do Portal Sotero Preta No próximo ano, 2017,...

Samba perde ZILAH MACHADO

Cantora e compositora gaúcha morre aos 82 anos deixando...

Cuba é o melhor lugar da América Latina para ser mãe

  Cuba é o melhor país da América Latina para...
spot_imgspot_img

Taís Araujo abre álbum de fotos de viagem para a Amazônia

Taís Araujo compartilhou uma sequência de fotos de sua viagem pela Amazônia nesta terça-feira (23.07), em seu perfil do Instagram. Ela disse que aproveitou...

Festival Negritudes celebra a diversidade e a representatividade nas telas

A quarta edição do Festival Negritudes Globo aconteceu nesta quinta-feira (18), no Centro Histórico de Salvador. Foi a primeira vez que a cidade sediou...

Festival literário propõe amor e diversidade como antídotos ao extremismo

O Festival Literário Internacional de Paracatu - Fliparacatu - vai colocar no centro do debate o amor, a literatura e a diversidade como pilares...
-+=