Projeto de lei de Romário irrita rappers

Deputado propõe texto que regulamenta profissões ligadas ao hip-hop e exige curso para o exercício da atividade

Grupo no Facebook contra ex-jogador reúne 1.800 membros; eles pedirão audiência pública em São Paulo

Por: JULIANA GRAGNANI

Um projeto de lei de Romário, deputado federal pelo PSB-RJ, irritou grupos ligados ao hip-hop. A proposta, que tramita na Câmara desde novembro, prevê a regulamentação das profissões que têm relação com o movimento, como as de DJ, MC (mestre de cerimônias), rapper, grafiteiro e de atividades ligada ao beat box e à dança de rua.

O projeto submete o exercício das profissões à realização de cursos técnicos de capacitação profissional, em instituições reconhecidas pelo governo, ou então à comprovação do exercício das atividades de forma interrupta no ano anterior à publicação da lei, caso seja aprovada.

Cerca de 1.800 pessoas contrárias ao texto reúnem-se em um grupo no Facebook chamado “Romário Deixe o Hip Hop em Paz!!!”.

Em São Paulo e no Rio, integrantes se encontraram para discutir o projeto e estratégias para impedir sua aprovação. Segundo músicos, a exigência de ensino dificultaria o acesso ao hip-hop.

“Uma cultura que nasceu na rua não pode ser institucionalizada”, diz o rapper Clodoaldo Arruda, 40. Segundo ele, os grupos pretendem convidar Romário para uma audiência pública em março, em São Paulo. Por meio de sua assessoria, Romário afirmou que aceitaria o convite.

Para Marcelo Cavanha, 40, que dá oficinas de rap em São Paulo, não houve “construção coletiva” do projeto. “O Romário não nos ouviu. Até que ponto é interessante ter um projeto que reconhece o hip-hop sendo que o movimento é de contestação, inclusive contra o Estado?”

CARTEIRA ASSINADA

Procurado pela reportagem, Romário não falou por “problemas de agenda”, segundo sua assessoria, que tenta esclarecer o projeto.

“As exigências referem-se só a quem quer ter carteira assinada, e não ao profissional informal.”

Em 2012, o ex-jogador promoveu um seminário sobre o hip-hop na Câmara, com músicos ligados ao movimento.

Na ocasião, ainda de acordo com a assessoria, Romário “assumiu o compromisso de lutar pela regulamentação das profissões ligadas ao hip-hop, por entender que a informalidade permitia que outras pessoas e não os verdadeiros artistas lucrassem com o movimento”.

Fonte: Folha de S.Paulo

+ sobre o tema

‘Muhammad Ali, o braço negro contra o racismo’

Em 1942, no dia 17 de janeiro, na cidade...

Dream Team do Passinho lança novo clipe com direção de Lázaro Ramos

Depois de conquistarem o Brasil com o single de...

O nadador haitiano que, sem piscina olímpica, treinou para Rio 2016 com vídeos de Phelps

Em meio à profusão de atletas, dirigentes, convidados e...

para lembrar

Os negros nas histórias em quadrinhos – parte 2

A Era de Prata (1956 – 1969) Ebulição Social...

Recordista de jogos pela seleção, Formiga é primeira mulher a receber a Bola de Prata

Ela é um símbolo para o futebol feminino brasileiro,...

Ilustrador baiano lança HQ inspirada em Orixás

A campanha de financiamento para publicação do romance ilustrado...

Universal fecha acordo para lançar músicas guardadas e álbuns pós-1995 de Prince

Herdeiros do cantor assinam contrato que inclui os 25...
spot_imgspot_img

Casa onde viveu Lélia Gonzalez recebe placa em sua homenagem

Neste sábado (30), a prefeitura do Rio de Janeiro e o Projeto Negro Muro lançam projeto relacionado à cultura da população negra. Imóveis de...

No Maranhão, o Bumba meu boi é brincadeira afro-indígena

O Bumba Meu Boi é uma das expressões culturais populares brasileiras mais conhecidas no território nacional. No Maranhão, esta manifestação cultural ganha grandes proporções...

“O batuque da caixa estremeceu”: Congado e a relação patrimonial

“Tum, tum-tum”, ouçam, na medida em que leem, o som percussivo que acompanha a seguinte canção congadeira: “Ô embala rei, rainha, eu também quero...
-+=