Prostitutas na Austrália postam selfies para mostrar ‘outra face’ da profissão

Jovens garotas de programa na Austrália estão perdendo a inibição e declarando abertamente sua profissão nas redes sociais, na tentativa de desmistificar noções preconcebidas sobre elas.

Do BBC

“Estudante universitária. Aspirante a advogada. Ativista. Filha, irmã, profissional do sexo. Não preciso ser resgatada.”

Comentários assim estão sendo postados por centenas de prostitutas australianas a respeito de si mesmas, usando a hashtag #facesofprostitution (rostos da prostituição, em português).

A iniciativa começou no domingo, no Instagram, pela estudante de história e garota de programa Tilly Lawless, de 21 anos. Era uma resposta a um texto em um blog, republicado na semana passada pela popular revista feminina online Mamamia.

O blog foi escrito para marcar o 25º aniversário do filme Uma Linda Mulher (em que a prostituta interpretada por Julia Roberts e seu “príncipe encantado” se apaixonam) e argumentava que a realidade de profissionais do sexo é muito mais dura do que a apresentada no cinema.

Tilly Lawless criticou a forma como o texto “generalizava os profissionais do sexo” e “retratava toda a prostituição como danosa”. Ela trabalha como garota de programa há dois anos, mas apenas começou a se identificar publicamente como tal dois meses atrás em Sydney, onde a prostituição é legalizada.

Ela decidiu postar uma foto de si própria em sua conta no Instagram para mostrar uma outra face da prostituição – a de uma jovem que diz ter feito uma escolha informada para se tornar uma profissional do sexo – como um protesto contra o blog.

Pouco depois, Tilly foi contactada pela Associação Australiana de Profissionais do Sexo, que perguntou se ela poderia postar a hashtag também no Twitter. E daí o movimento começou: centenas de jovens (em sua maioria mulheres e australianas) prostitutas postaram imagens mostrando seus rostos ao mundo.

Para muitas delas, era a primeira vez que se assumiam publicamente, nas redes sociais, como prostitutas.

“Fiquei positivamente surpresa”, disse Lawless à BBC, porque profissionais do sexo “raramente são humanizados como indivíduos; com frequência falam de nossos corpos, mas colocar nossos rostos nas redes sociais é algo tão poderoso”.

Muitos dos que aderiram à iniciativa compartilharam as críticas ao blog australiano.

A prostituta Holly queixou-se que a foto usada no artigo – mostrando prostitutas vítimas de tráfico humano no Leste Europeu – não representa “a nossa experiência”.

“O artigo era ofensivo”, agrega a prostituta e atriz Madison Missina. “(O texto) usa o argumento do tráfico sexual para silenciar nossa voz e, ao mesmo tempo, silenciar a voz também das vítimas do tráfico.”

O texto sobre Uma Linda Mulher foi publicado originalmente no site de um grupo cristão baseado no Missouri (EUA), Exodus Cry, que se diz comprometido com “a abolição da escravidão sexual”. A autora do artigo, Laila Mickelwait, argumenta que o filme atraiu muitas jovens à prostituição, submetendo-as a uma vida de abusos e traumas.

Mickelwait disse à BBC que, apesar da campanha online das prostitutas, mantém o que escreveu. Ela argumenta que a legalização da prostituição cria um ambiente favorável ao tráfico sexual.

“Só porque há algumas mulheres e homens postando fotos no Twitter dizendo que este é um emprego fortalecedor não significa que isso seja verdade (em toda) a indústria”, diz ela. “Eles têm uma voz, mas são a voz de uma pequena minoria que tem o privilégio de ter acesso ao Twitter e poder postar esse tipo de foto.”

Tilly Lawless declarou que continua irritada com esses argumentos, que, na opinião dela, “permitem que sejamos oprimidas de formas semelhantes às de mulheres traficadas, suprimem nossa independência e autonomia e tira nossos direitos”.

+ sobre o tema

Propaganda de carnaval da Skol é alvo de críticas feministas

Para ativistas, nova campanha publicitária da marca de cerveja,...

O que levou mulheres a desistirem da maquiagem de todo dia

Depois de dois anos sem usar maquiagem, a enfermeira Nicole...

Jurema Werneck: ”Somos herdeiras de mulheres que construíram a própria força”

Médica, pesquisadora e fundadora da ONG Criola fala sobre...

A minha solidariedade às vítimas da talidomida pelo mundo afora

A catástrofe iatrogênica da talidomida é um crime que...

para lembrar

Prostitutas contam histórias de vida em aula de inglês para a Copa em BH

Profissionais do sexo aprendem nova língua para recepcionar estrangeiros. Além...

Cármen Lúcia: machismo e preconceito sustentam violência contra mulher

A declaração foi dada na manhã de hoje (18/8)...

As mulheres que chefiavam ‘empresas’ há 4 mil anos

Ahaha havia investido no comércio de longa distância entre...
spot_imgspot_img

ONGs LGBTQIA+ enfrentam perseguição e violência política no Brasil, diz relatório

ONGs de apoio à causa LGBTQIA+ enfrentam perseguição e violência política para realizar seu trabalho no Brasil, mostra um relatório produzido pela Abong (Organizações Brasileira de ONGs) em...

Menstruação segura ainda é desafio no Brasil, indica Unicef

Uma enquete do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), concluiu “que o direito de menstruar de maneira digna, segura e com acesso...

Mulher tem aborto legal negado em três hospitais e é obrigada a ouvir batimento do feto, diz Defensoria

A Defensoria Pública de São Paulo atendeu ao menos duas mulheres vítimas de violência sexual que tiveram o acesso ao aborto legal negado após o Conselho...
-+=