Protesto na rede leva a mudanças reais

“Internet é melhor que a televisão. Enquanto uma dá autonomia e liberdade, a outra impõe, aliena”. É assim que Yakuy Tupinambá define a tecnologia, responsável por uma série de melhorias nas aldeias a que chegou.

Fonte: Folha Online

É o caso de um posto de saúde na aldeia Brejo dos Padres, dos índios pankararu, em Pernambuco. Há tempos o lugar encontrava-se sem atendimento por falta de profissionais e infraestrutura. “Medicamentos eram estocados em área imprópria, médicos quando apareciam não podiam atender por causa da falta de condições do prédio, acabou ficando abandonado”, conta Alex Pankararu.

Foi por meio da internet que a comunidade conseguiu mudar a situação. “Colocamos várias matérias no site”, lembra Pankararu. “Já havíamos reclamado diversas vezes à Funasa (Fundação Nacional de Saúde), mas não recebíamos resposta”. Depois que foram parar na internet texto e imagens denunciando a infraestrutura decadente do lugar, a solução veio.

Na aldeia tupinambá, o uso da internet tem o respaldo de uma importante entusiasta, a cacique Maria Valdelici de Amaral, ou Jamopoty -seu nome indígena-, que representa 5.000 índios tupinambás de três aldeias em Ilhéus. Ela diz que nem se aproxima muito do computador, mas que está de olho no que circula na rede. “Fico atenta a tudo que interesse à comunidade”.

Yakuy Tupinambá conta que teve seu primeiro contato com a internet há apenas quatro anos, com a rede Índios Online. Ela participou das primeiras oficinas do projeto e, desde então, não largou mais o computador e abraçou o ativismo na rede. Ela se define hoje uma “ciberativista”.

“Por meio da rede colaboro para que meu povo tenha uma vida digna, que seja respeitado”. Com a internet, a rede está avançando. “Falamos com aldeias de todas as regiões do Brasil e com indígenas da América da Sul, da Europa, dos EUA e da Nova Zelândia.”

A rede Índios Online participou em agosto deste ano do evento Ciclo Era Digital, promovido pela USP, sobre tecnologia e inclusão social. Ao lado de nomes como Pierre Lévy, Yakuy falou sobre as experiências com o mundo digital.

O otimismo de Yakuy é oportuno, afinal, problemas para resolver não faltam. Na aldeia de Ilhéus, a construção de um núcleo educacional com duas salas de aula só saiu depois de muita reclamação na internet. De acordo com Yakuy, tudo esbarra na questão fundiária. A área em que a aldeia está localizada ainda não é considerada território indígena. O longo processo de demarcação de terras ainda está no início e a previsão é de turbulências.

“Fazendeiros e o setor de hotéis são contrários, e o clima está cada vez mais tenso”, conta Yakuy. Há quem acredite que o novo imbróglio fundiário ganhe proporção semelhante ao caso da área Raposa/ Serra do Sol, em Roraima, em que uma decisão favorável à demarcação deu início a uma tensa disputa entre grupos indígenas e agricultores que ocupavam a região. (CM)

 

+ sobre o tema

Inscrições no Enem 2024 são prorrogadas até 14 de junho

As inscrições no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)...

Inscrições para o Enem 2024 terminam nesta sexta-feira (7)

Termina nesta sexta-feira (7) o prazo para realização das...

para lembrar

spot_imgspot_img

Harvard lança mais de 100 cursos gratuitos e legendados em português

Os cursos disponíveis são divididos nas áreas a seguir. Artes e Design; Negócios e Gestão; Ciência da Computação; Ciência de Dados; Ciência e Engenharia; Ciências Sociais; Desenvolvimento Educacional e Organizacional; Humanidades; Matemática e...

UnB abre vagas na especialização gratuita em Políticas Públicas e Tecnologias Educacionais

A Universidade de Brasília (UnB) abriu 26 vagas na especialização gratuita em Políticas Públicas e Tecnologias Educacionais, que serão divididas da seguinte maneira: 15 vagas...

Inscrições no Enem 2024 são prorrogadas até 14 de junho

As inscrições no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) foram prorrogadas até o dia 14 de junho, anunciou o ministro da Educação, Camilo Santana,...
-+=